A batalha do PSDB para voltar ao poder

05/12/2015 11:45

No conturbado cenário político Brasileiro, o principal partido de oposição se apresenta como uma força que tem perspectiva real de conquistar o Planalto novamente, mas ao mesmo tempo enfrenta conflitos para a construção de uma coesão interna

Por Malu Delgado – Valor Econômico / Eu & Fim de Semana

 

BRASÍLIA e SÃO PAULO - Era tarde de uma quarta-feira no Congresso Nacional. Em meio aos muitos compromissos da atividade parlamentar, o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), que disputou a eleição presidencial de 2014 como candidato a vice de Aécio Neves, teve de dobrar o expediente, acumulando as funções de líder do partido no Senado - o titular do cargo, Cássio Cunha Lima (PB), estava de licença médica. Na sala do gabinete da liderança do PSDB na Casa, Aloysio teceu ao Valor análises sobre a disposição de seu partido para uma certa "disputa judaica" e relembrou a última pendenga na capital, em 2012, quando o ex-presidenciável José Serra, a despeito da "dimensão do nome", teve de ser submetido a uma prévia partidária para só então se credenciar como candidato à Prefeitura de São Paulo.


 

Afiado nas metáforas e com humor requintado, Aloysio disse que os interessados em disputar a prefeitura da capital deveriam "colocar suas cabeças para fora". "Como diria Mao Tsé-tung, floresçam cem, mil flores. Claro que se a pessoa botou a cabeça pra fora ele cortou todas." E caiu na gargalhada. No PSDB, as "cabeças das serpentes" - parafraseando o ditador chinês - não costumam ser colocadas à mostra. Movem-se internamente e nos bastidores do partido com destreza, preservando-se.

 

No conturbadíssimo cenário político atual, em que não apenas as tradicionais agitadas quartas-feiras, mas todos os dias do calendário, acumulam horas incendiárias no Congresso, o PSDB apresenta-se como a força que tem perspectiva real de retomar o poder em 2018. Mas, como na Palestina, segue-se a tradição de conflito eterno: engrenagens internas da sigla já estão afetadas e contaminadas pela dúvida sobre o nome do candidato: se Aécio Neves, se Geraldo Alckmin ou, numa hipótese mais remota, se José Serra. A última pesquisa Datafolha, divulgada no fim de semana, revelou que, independentemente do nome, os tucanos venceriam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva numa eventual disputa em 2018.

 

A clara perspectiva de vitória do partido esbarra, porém, em obstáculos que vão além da definição de um nome competitivo, o que todos os tucanos são unânimes em afirmar que há de sobra na legenda. Com derrotas eleitorais acumuladas desde 2002 e jogado há mais de uma década na oposição, o PSDB perdeu, na opinião de tucanos históricos, sua capacidade de inovação política e cristalizou-se apenas como o antípoda do PT.

 

"O partido perdeu suas raízes, seu ímpeto reformista, seja na área política, na econômica ou na social", confidenciou um membro da legenda. No ringue da política, o debate nacional restringiu-se à alternância de poder. "A discussão acaba sempre girando apenas em torno das candidaturas", continuou a refletir, sob reserva, a fonte tucana.


A degradação galopante do governo da presidente Dilma Rousseff e da imagem de seu partido, o PT, abriram caminho para que forças de oposição se capitalizassem politicamente, mas a insatisfação generalizada da sociedade com políticos e partidos não permitiu que o PSDB automaticamente se beneficiasse da crise. O partido focou na agenda de um impeachment da presidente e só recentemente, quase um ano depois de declarações divergentes de seus principais quadros, é que os tucanos aparentemente se acertaram sobre o assunto.

 

"Todas as lideranças do PSDB sabem de uma coisa: qualquer saída para essa gravíssima crise que o PT envolveu o Brasil se dará dentro da Constituição. Não vamos embarcar nunca nesta tentativa do PT de quase criminalizar a ação da oposição como se fosse golpe", justificou o senador Aécio Neves (PSDB-MG). O papel do PSDB, assinalou o principal dirigente da sigla, "foi blindar o Tribunal de Contas da União [TCU] para que pudesse fazer seu trabalho, como fez, e garantir que o Tribunal Superior Eleitoral [TSE] possa fazer as investigações de denúncias de cobrança de propinas na campanha eleitoral".

 

Nessas duas trincheiras, no TCU e no TSE, se concentram os debates sobre a existência de um crime de responsabilidade que possa expurgar a presidente Dilma do cargo. "Impeachment não depende da oposição, nós nem sequer temos número para isso. Depende das instituições. Se comprovados os crimes e o Congresso Nacional achar que foram cometidos, obviamente isso é uma previsão constitucional. Não podemos fugir dela, ter receio dela. Mas o que nós nos preparamos é para cada vez mais apresentar ao Brasil um projeto alternativo ao que está aí", emendou Aécio.

 

O cientista político Sérgio Fausto, superintendente-executivo do Instituto Fernando Henrique Cardoso (iFHC), conhece bem as entranhas do partido, o que não lhe impede de fazer reflexões equilibradas sobre os dilemas atuais que seus dirigentes terão de resolver. "O partido já há algum tempo foi perdendo sua capacidade de gerar diagnósticos abrangentes, de longo prazo, sobre a situação política e a situação do país e de, a partir desses diagnósticos, formular programas. Na medida em que essa capacidade não foi desenvolvida, o partido passa a viver dos impulsos momentâneos do embate político", afirmou Fausto.

 

O fato de quase ter ganhado a Presidência da República em 2014 deixou o PSDB com um gosto amargo na boca, disse o cientista político. "A crise que se seguiu ao processo eleitoral foi de uma velocidade sem precedentes. Isso teve um impacto enorme, e não poderia deixar de ter em qualquer partido político."

 

A ideia de que o governo se desmancharia ao longo do primeiro ano do segundo mandato de Dilma era perspectiva real e não fantasia política. "Isso estimulou as lideranças partidárias a jogar um jogo de mais curto prazo com a possibilidade concreta de uma alternância precoce de poder. É natural, qualquer partido viveria esse dilema. O que acho é que o PSDB ficou muito concentrado no debate de curto prazo e perdeu a perspectiva mais ampla. O senador Aécio Neves é parte desse contexto. Ele, como líder partidário, deveria, na minha avaliação, ter sido capaz de olhar de maneira um pouco mais abrangente, mais a longo prazo, e não se deixar levar muito intensamente pela dinâmica de curto prazo."

 

O superintendente-executivo do iFHC avalia que Aécio deixou as rédeas soltas demais, em especial na Câmara, o que provocou danos tanto à imagem do próprio senador quanto à do partido. "Em certos círculos da elite, elite em sentido amplo, de jornalistas, da opinião pública e de empresários, que acompanham mais diretamente a política, e grande parte dos quais são simpáticos ao PSDB, acho que é forçoso reconhecer que a imagem do senador Aécio declinou no último ano", observou Fausto. O aliado Aloysio Nunes discorda com veemência: "O Aécio nunca deixou a peteca cair".

 

Confrontado com críticas sobre um comportamento errático do partido - como a decisão tardia de se desvincular do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) -, o presidente do PSDB considera normal o partido passar pelo escrutínio interno e externo, por sua importância nacional. Mas rebate as críticas de maneira enfática: "O PSDB vive o melhor momento da sua história. O partido se conectou com setores importantes da sociedade brasileira do qual nós estávamos absolutamente divorciados nos últimos anos. O PSDB passou a ser intérprete de um sentimento amplo da sociedade e hoje vai além dos quase 50% dos votos que nós recebemos em 2014".

 

O cenário político é tão complexo, completou Aécio, que não se pode exigir um posicionamento padrão das lideranças políticas do partido. "Não se pode querer que governadores de Estado tenham a mesma postura combativa que têm parlamentares na Câmara dos Deputados, onde o debate se dá de forma mais intensa." A polarização com o PT, intensificada no último pleito, não foi escolha partidária, vaticinou o mineiro. "Foi escolha da sociedade brasileira."

 

Sobre a posição do partido em relação a Cunha, Aécio ressaltou que não há e não houve complacência. "O PSDB não apoiou a eleição de Eduardo Cunha, apoiou o deputado Júlio Delgado [PSB-MG], mesmo sabendo que seria difícil de ser vencida." Os acordos sobre espaços cedidos ao PSDB na Câmara foram feitos "à luz do dia" com o presidente da Casa, disse o dirigente tucano. "As denúncias contra Eduardo Cunha são extremamente graves. Percebo hoje que o PSDB votará com as provas que chegarem. Nós continuamos onde sempre estivemos. Começamos nossa trajetória como oposição ao PT e somos hoje oposição ao PT", afirmou o senador mineiro.

 

Para dirimir questionamentos sobre a perda de protagonismo do PSDB no cenário nacional em meio à crise política, Aécio citou pesquisas qualitativas feitas recentemente pelo partido que apontam o PSDB como a legenda preferida da sociedade, superando a posição antes ocupada pelo PT. A sondagem mostrou que quase 59% dos brasileiros não se filiaria em hipótese nenhuma ao PT; 8,6% considerariam a filiação ao PSDB. Em uma outra pergunta, sobre qual partido político teria mais chance de receber a filiação do entrevistado, 45,6% disseram que não entrariam para nenhum partido. E quase 16% não souberam responder. Mas o PSDB, entre as legendas, é a que mais atrairia filiados: 14,5%. Só 6,3% disseram ter alguma chance de se filiar ao PT.

 

A direção nacional do PSDB quer ter em mãos, até fevereiro, um mapeamento de possíveis candidatos do partido ou de aliados nas 250 maiores cidades do país. Uma comissão nacional composta por oito parlamentares do PSDB ficou encarregada de levantar realidades locais. Ou o partido vai tentar novas filiações de nomes competitivos antes de abril, prazo para um novo filiado disputar pelo partido, ou vai apoiar aliados fortes.

 

"Tem muita gente querendo vir disputar a eleição do nosso lado", disse Aécio. "Se em determinada cidade há um nome qualificado, correto, com maiores chances de derrotar o PT, temos que fazer aliança em torno desse nome." Aécio também deixa claro que as disputas municipais precisam pavimentar o caminho para 2018. Os candidatos, afirmou, precisam "dar um sentido mais homogêneo à campanha". "Claro que questões locais são sempre decisivas numa eleição municipal. Mas é muito importante para eles [candidatos] poderem dizer que são aliados do partido que se coloca como alternativa real e talvez até a mais provável de governar o país", explicou o presidente do PSDB.

 

O secretário-geral nacional do PSDB, Sílvio Torres, quadro alinhado ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, admite a existência de falta de coesão do partido por causa da turbulência política, mas também aposta numa onda positiva para os tucanos pós-2016. "Com o partido muito mais bem-estruturado e uma enorme rejeição ao PT, naturalmente isso canaliza [votos] para a gente." Em São Paulo, os tucanos trabalham com a perspectiva de eleger mais de 400 prefeitos, com atenção especial para a região metropolitana. "O PT vai perder todas as prefeituras que tem na Grande São Paulo."

 

O caminho para a construção de uma unidade interna, reconheceu o senador Aloysio Nunes, ainda precisa ser construído, e as eleições de 2016 devem ajudar. "Coeso o PSDB é. Mas não temos preocupação com racha no partido. Nós temos que encontrar um meio de dar uma coesão interna, partidária, de modo que a gente tenha algo semelhante ao que tem a Igreja Católica. O bispo fala, o papa fala, e isso repercute nas paróquias."

 

No cafezinho do Senado, outra figura tarimbada do partido refletia sobre o cenário político. "O PSDB também é vítima deste fenômeno: ninguém sabe o que vai acontecer. 'Cem Anos de Solidão' é livro sem imaginação perto da realidade que está se mostrando no Brasil", afirmou o senador José Serra (PSDB-SP), que disputou a eleição presidencial em 2002 com Lula e em 2010 com Dilma. O senador paulista vê a instabilidade política como persistente. "Em quase todos os quadrantes da política e da sociedade, praticamente ninguém acha que a presidente Dilma Rousseff terminará o mandato. O Brasil não pode ficar três anos sem governo. Ninguém acha que com Dilma se fará um programa de união nacional", completou.


Entre os três presidenciáveis do PSDB, Serra é hoje o que teria menos força política para se credenciar à disputa de 2018 pelo partido. Porém, o debate sobre o impeachment aproximou o senador de dirigentes do PMDB e o recolocou na arena da disputa. O tucano poderia ser, entre as inúmeras especulações que se desenham sobre o futuro, o candidato do PMDB à Presidência caso Dilma deixe o cargo antes da hora. Serra desconversa e acha "surrealista" antecipar o debate de 2018. "Não tem sentido."

 

Amigos do tucano paulista argumentam que ele tem um excelente trânsito com todos os quadros do Senado e boas amizades no PMDB, e a predileção partiu da legenda de Ulysses Guimarães (1916-1992) e de Tancredo Neves (1910-1985), sem precisar que Serra se articulasse nos bastidores para procurar uma saída fora do PSDB. Ser a opção pemedebista coloca Serra numa zona de conforto. O governador Mário Covas (1930-2001) costumava dizer que Serra, quando entrava numa sala, jogava o chapéu sobre todas as cadeiras. O tucano tem perfil individualista, atestam seus correligionários, e nunca descarta peremptoriamente uma candidatura à Presidência. Serra quer sempre estar no páreo e não pode ver uma cadeira vazia, brincam os tucanos.

 

"Esquece o Aécio. O candidato do PSDB vai ser o Alckmin. E dá para comparar a atividade parlamentar do Serra com a do Aécio aqui no Senado?", perguntou um parlamentar pemedebista, desqualificando ações do senador mineiro. Nos bastidores, tucanos sem ligações com Aécio também não amenizam as críticas: o mineiro estaria dedicando as 24 horas do seu dia para "controlar o partido" e garantir que será o próximo presidenciável. Por causa do foco, não teria ocupado o papel de líder nacional da oposição. Esse papel, analisam esses segmentos tucanos, está sendo ocupado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

 

Além disso, o fato de Aécio ter sido derrotado em Minas acendeu o alarme no PSDB. "Ele não tem Minas para mostrar e não está conseguindo liderar a oposição. Por isso estamos vivendo um tempo muito perigoso para o PSDB. A coisa pode escapar da mão da gente", refletiu um membro da cúpula do partido.

 

Procurado pela reportagem do Valor por intermédio de sua assessoria, Alckmin não respondeu aos pedidos de entrevista para falar sobre o atual momento do PSDB.

 

A despeito das dificuldades internas que começa a sentir, Aécio adquiriu incontestável densidade eleitoral em 2014 e conta com o apoio do ex-presidente Fernando Henrique e de outros importantes nomes da legenda. O ex-presidente refuta teses sobre a falta de coesão do PSDB. Em sua sala no iFHC, no intervalo do seminário A Economia do Mar: Desafios ao Desenvolvimento Sustentável no Brasil, ele recebeu o Valor, enquanto fazia um rápido lanche para aguentar a pesada jornada.

 

O tucano, especialmente após o lançamento de seu último livro, "Diários da Presidência", tem rotina e agenda de celebridade. Na mesma pesquisa citada por Aécio sobre a predileção do PSDB em segmentos da sociedade, FHC e Lula aparecem tecnicamente empatados como o melhor presidente que o Brasil já teve: o tucano foi escolhido por 44,3% e o petista por 46,1%. "O PSDB tem muita gente com personalidade forte. São líderes. E o PSDB não tem um dono. Então, é natural que as pessoas que têm o que dizer digam. E não necessariamente que tenham conformidade umas com as outras. Agora, isso não tem atrapalhado que em momentos cruciais o PSDB tome uma posição comum."

 

Para FHC, a história do partido tem mostrado que na hora da eleição todos se unem. A experiência política de dois mandatos de presidente da República pôs Fernando Henrique na linha de frente do PSDB para pedir ponderação aos tucanos que, açodadamente, defendiam a tese do impeachment. "O PSDB nunca se dispôs a sair à frente com a bandeira do impeachment. Se houver uma convocação do plenário para discutir o impeachment, é porque tem uma base. E, nesse caso, a gente acompanha, vota. Mas nós não achamos que devemos capitanear a campanha do impeachment. Essa é a posição."


O sociólogo tem alertado o PSDB sobre a necessidade de haver não apenas clara caracterização de crime de responsabilidade para levar adiante um processo de impeachment, mas sobretudo suporte político. "E o suporte político depende também da sociedade. Você tem que ter uma narrativa para explicar por que alguém que teve milhões de votos e ganhou a eleição vai sofrer impeachment. Não é uma coisa simples. É muito complexo. O partido não deve entrar nessa aventura", observou.

 

Fernando Henrique não vislumbra um PSDB sem José Serra e Geraldo Alckmin. "Eu acho impensável. Conheço bem o Serra. Imagina! Ele sabe as dificuldades. Imagina uma pessoa que sai do partido para ser candidato... Sai mal. O povo vai achar que saiu apenas por razão pessoal. O Serra é um homem inteligente e tem lealdade", frisou. "Não acho que isso esteja em jogo."

 

Sobre uma eventual filiação de Alckmin ao PSB, faz a mesma profecia. "O PSDB não tem dono. Então, quem se capacitar, se credenciar na sociedade - e não no partido só - e também no partido, vai ser o candidato. Que partido tem hoje três presidenciáveis?" Obviamente, a existência de três nomes cria "problemas de gestão política do partido". É por isso que ele se coloca. "O fato de eu ser ostensivamente não candidato, desde que deixei a Presidência, e não ser dono do partido, nem querer ser, ajuda, porque tenho a possibilidade de ajudar a conduzir no sentido da convergência."

 

É também de Fernando Henrique que parte outra reflexão que o PSDB parece ainda não ter encarado. "As pessoas querem discutir causas. Eu tenho dito reiteradamente que os partidos precisam aprender a tomar partido. E os partidos, por cálculo eleitoral, preferem silenciar sobre tudo o que divide." O PSDB também padece desse pecado? "Sim, padece."


Críticos do PSDB argumentam que o partido não consegue lançar uma proposta clara e contundente para o país e, por isso mesmo, foi atropelado pelo protagonismo do PMDB, que lançou um programa intitulado Ponte para o Futuro, defendendo sobretudo ações econômicas, na esfera liberal, para retomar o desenvolvimento do país. Para criar um contraponto, o senador Aécio Neves vai divulgar, na terça-feira, a proposta do PSDB na área social, abordando o polêmico debate sobre transferência de renda e o Bolsa Família. O PSDB quer, com isso, assumir o protagonismo na área social, deixada de lado pelo PMDB, resgatando, ao mesmo tempo, contornos mais progressistas do partido presentes desde a época de sua fundação.

 

Os programas de transferência de renda, advogam os tucanos, começaram na gestão de Fernando Henrique. Segundo Aécio, é imperativo discutir o tema abertamente e revelar um discurso falacioso do PT. "Vamos desmitificar um pouco a síntese política da distribuição de renda feita pelo PT. É parte da solução, mas a emancipação tem que se dar aliada a outras políticas, que estimulem as pessoas. Vamos mostrar que o Bolsa Família, apenas, é insuficiente. Não somos contra [o programa], sempre expliquei que o DNA dele está na gestão do Fernando Henrique", disse Aécio, recusando-se a adiantar mais detalhes da proposta. O partido também quer liderar um debate mais inovador na área ambiental, fazendo um contraponto com a ex-ministra Marina Silva, que provavelmente ressurgirá na disputa presidencial de 2018.

 

Com seu jeito intempestivo, o tucano José Aníbal, presidente do Instituto Teotônio Vilela, que cuida dos debates mais programáticos do PSDB -, afirmou que "é coisa de analista político desocupado" achar que o PMDB está surfando na onda do vácuo político nacional. "O Aécio apresentou um programa de governo em 2014 e temos feito ajustes [na proposta] cotidianamente. O Brasil precisa é de um novo governo e o PSDB é, sem dúvida, o partido mais qualificado para assumir o comando do país", defendeu.

 

Fernando Henrique é bem menos ácido e aproveita o fato para tentar compor com o PMDB. O ponto de partida da "agenda tucana", diz FHC, é o programa proposto por Aécio em 2014. "Vejo com alegria que o PMDB endossou uma parte disso. Isso que o PMDB fez agora, a Ponte para o Futuro, em grande parte está no programa do Aécio. Não acho isso ruim. Acho isso bom. Porque do jeito que estamos no Brasil temos que criar um novo consenso nacional. Vejo a manifestação do PMDB se aproximando das posições do PSDB como uma coisa positiva."

 

Para FHC, é bom ver a classe política e a sociedade assimilando duas discussões cruciais para o futuro do Brasil: a necessidade de reforma previdenciária e a clareza de limites para o gasto público federal.

 

Agenda nacional quem faz, ponderou o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), é o governo. "E o Congresso, seja oposição ou situação, segue essa agenda. Só que não existe uma agenda nem existe uma liderança de governo. O PT até hoje não quis assumir o papel de governo. Então, se o governo não tem partido, não tem governo", apontou. "Não existe em democracia parlamentar nenhuma do mundo um governo sem o suporte de seu partido. Da reeleição para cá, o governo e o PT passaram a viver uma crise de identidade."


O ajuste fiscal, disse o senador, é como um órgão transplantado no corpo petista. "O organismo deles rejeitou aquele corpo estranho [o ajuste] e isso causou a desorganização geral." Ao lado de FHC, Jereissati é um dos mais moderados tucanos e ainda insiste em defender uma pactuação nacional. Ele tem sido procurado pelo ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, para tentar construir pontes entre o governo e a oposição.

 

"Nós estamos pedindo um rumo, porque não cabe a nós fazer uma proposta. Nós somos oposição. Temos uma proposta recente, divulgada para o Brasil inteiro em 2014. Não temos nem maioria, nem poder, nem mandato para dar o rumo. Estamos pedindo ao governo e ao PT que façam isso, porque eles são governo", disse o cearense.

 

Ele admitiu que uma "meninada afoita" do PSDB forçou a barra pelo impeachment. Mas vê-se claramente que o experiente senador também teme as consequências de um afastamento de Dilma. "O PSDB ficou refém não só do debate do impeachment, mas refém de uma perplexidade de um ministro da Fazenda fazendo o oposto do que fez o governo anterior. E da falta de coordenação do PT. E da falta de assunção do PT dessa política. O Congresso ficou atordoado por uma atuação errática. É o PT que tem uma crise e tem que assumir isso", observou Tasso Jereissati.

 

O nome Partido da Social Democracia Brasileira é algo que incomoda o sociólogo FHC desde a origem da legenda. Ele revelou que, assim como Franco Montoro (1916-1999), não gostava do nome. Achava que a realidade brasileira tinha um contexto bastante distinto do que ocorria com os partidos sociais democratas que surgiam na Europa, atrelados aos sindicatos. Reparos à parte, o PSDB surgiu, segundo Fernando Henrique, para questionar a oposição entre Estado e mercado.

 

"Nós dissemos que não. Não adianta achar que pode substituir o Estado pelo mercado. E nem tampouco pensar que, para resolver o problema da pobreza e da sociedade, precisa ter só o mercado. Precisa ter uma relação nova entre mercado e Estado. O que o PSDB fez, ou tenta fazer, é isto: não negar as regras do mercado e, ao mesmo tempo, dizer que eles não vão resolver tudo. E dizer para o Estado: olha, você tampouco tem recursos para resolver sozinho tudo. Vocês têm que ter regras, têm que se articular com o mercado. Isso é o PSDB."

 

O fundador mais ilustre do PSDB espera que, diante da atual crise, o partido não perca suas raízes progressistas. Um outro lado sombrio do PSDB é o flerte com partidos mais radicais à direita e seu distanciamento da pauta progressista. "Sempre gostei muito de repetir uma frase que ouvi do Sergio Buarque de Holanda [1902-1982]: 'Aqui no Brasil, o problema não é dos conservadores, não é a direita. É dos atrasados. Você tem que comandar o atraso'." O PT, afirmou o ex-presidente, foi engolido por setores atrasados. O tom do slogan que deve balizar o discurso eleitoral do PSDB parte, também, de FHC: "Não é esquerda e direita. E é preciso o PSDB, assim como o PT botou em cima de nós a ideia de que somos elite, dizer que eles são incompetentes, além de ladrões. Eu não generalizo ladrões. Mas a incompetência é bastante ampliada."

 

Para Sérgio Fausto, "o PSDB foi empurrado para a direita pelo PT, mas mais do que ser empurrado parte do PSDB se deixou levar, sem resistência, para a direita." A geração original de líderes do PSDB, recordou o cientista político, "tinha paixão pela liberdade e paixão também pela redução das desigualdades" - "a tradição da democracia cristã, com Montoro, a militância de centro-esquerda pré-64, que Mário Covas expressava, e a vertente de centro-esquerda que o Serra e o FHC representavam desde o PMDB autêntico".

 

Já as novas gerações tucanas, assinala, perderam densidade programática, com algumas exceções. "Como núcleo dirigente de fato, pode-se dizer que o PSDB perdeu densidade programática e se tornou mais conservador. Se o PSDB vai nessa direção, talvez possa até fazer sentido eleitoral. Agora, dizendo de uma maneira muito simples e franca, esse não é o PSDB com o qual eu simpatizo. Eu prefiro uma outra trajetória. Reconheço que os ventos não têm soprado nessa direção."