A terceira morte de Dilma

01/10/2015 08:25
A terceira morte de Dilma
Cemitério (Foto: Arquivo Google)
Ricardo Noblat
 
Dilma morreu três vezes.
 
A primeira depois de proceder durante um ano como “a faxineira ética”. Foi no começo do seu primeiro governo.
 
No total, Dilma abateu seis ministros de Estado – pelo menos cinco deles enlameados por suspeitas de corrupção.
 
Que não contassem com ela para contemporizar com desvios de conduta. Dilma, o gatilho mais rápido do cerrado, não discutia,  atirava para matar.
 
A “faxineira ética” acabou sepultada depois que alguns dos ministros varridos por ela voltaram a ser influentes dentro do governo.
 
Dilma morreu pela segunda vez depois de reeleita. Só então ficou claro para a maioria apertada responsável por sua vitória que o país fora empurrado para o buraco que hoje se encontra.
 
Então a “gestora exemplar”, superior a Lula segundo Lula, não passara de uma invenção dele e do marketing do PT?
 
Ela mentiu ao jurar que o país ia bem, obrigado? E reelegeu-se vendendo algo que deixara de existir?
 
Amaldiçoada seja, portanto! Pela crise que o governo maquiou o quando pôde. Mas acima de tudo, pelas mentiras.
 
A terceira morte de Dilma ocorreu, anteontem, depois de ela ter expirado nos braços de Lula.
 
Deixou de existir a presidente da República ciosa dos seus poderes. A dona do pedaço. A chefona impiedosa.
 
O corpo dela, ainda quente, está sendo velado no Palácio da Alvorada.
 
Ao suceder Lula, Dilma planejara livrar-se da sombra malévola do PMDB. Deu vários passos nesse sentido. Um deles, ao convocar para seu lado o ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab.
 
Kassab montara um partido, o PSD, para acolher políticos do PMDB e de outros partidos dispostos a apoiar Dilma.
 
E com esse mesmo objetivo, ocupava-se com a montagem de outro – o Partido Liberal. O PSD decolou, mas não tanto. O PL, nem isso.
 
Em fevereiro último, Dilma apostou na derrota de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) a presidente da Câmara dos Deputados. Perdeu feio.
 
À crise econômica somou-se a crise política. A Operação Lava Jato tocou barata voa dentro do PT e em suas imediações.
 
Diante do risco do impeachment, Dilma rendeu-se à pressão de Lula e do PMDB, entregando-se a eles sem condições.
 
Havia anunciado uma reforma ministerial para extinguir e fundir ministérios, economizando algum.
 
No curto prazo, a reforma poderá servir à única coisa que, a essa altura, interessa a Dilma: barrar qualquer tentativa de impeachment contra ela.
 
Porque, no mais, para melhorar o governo, não servirá.
 
Para reunir ministros competentes, também não.
 
Para resgatar parte da popularidade perdida por Dilma, nem pensar.
 
O segundo governo Dilma terminou sem ter sequer começado. Resta um projeto de poder, não mais do que isso, ao qual se agarram o PMDB, Lula e seus aloprados.
 
A turma de Lula não é todo o PT. Há um pedaço dele acamado, febril, que procura para aonde ir com a ajuda de uma lupa.