2015, um ano para heróis e vilões infláveis

27/12/2015 09:41

Personagens rodaram o país para levar a crítica bem-humorada às manifestações, mas foram perseguidos

Ruben Berta - O Globo

 

Era início da manhã de 16 de agosto em Brasília, quando um saco com um conteúdo sigiloso chegou à Esplanada dos Ministérios, vindo de uma fábrica em São Paulo. Às 7h, oito pessoas se reuniram em torno da encomenda, que começou a tomar forma. Não foi fácil: o gigante, de 15 metros de altura, balançou, tombou e até rasgou. Mas, quase duas horas depois, ficou de pé, para o delírio da multidão. Foi a estreia oficial do “Pixuleco”, caricatura do ex-presidente Lula vestido de presidiário, que abriu definitivamente a temporada de aparições de bonecos infláveis pelo país. Depois disso, perseguições, atentados e até prisão fizeram parte de um 2015 cheio de aventuras para os personagens que marcaram as manifestações.

 

O “Pixuleco” começou andando de ônibus. Mas, desde sofreu o primeiro ataque, de canivete, em São Paulo, no fim de agosto, mudamos de estratégia. Para os lugares mais próximos, ele ia de carro, com uma escolta com mais dois veículos. Para os mais distantes, de avião. É um boneco até simpático, que chama a atenção das crianças por onde passa. Mas, para quem não gosta da crítica, é a verdadeira imagem do capeta — diz Ricardo Honorato, um dos representantes do Movimento Brasil, que idealizou o boneco.

 

Somente o “Pixuleco” fez 11 viagens. Ao menos três, foram para a fábrica de São Paulo, para fazer reparos após ataques. Caricaturas da presidente Dilma foram feitas duas: uma, com nariz grande, ficou conhecida como “Pinóquia”; a outra, mais famosa, de máscara preta e faixa com a palavra impeachment, virou a “Bandilma”. As duas rodaram por diversas capitais, também sofreram atentados, mas, graças a algumas costuras, passam bem.

 

Na onda de manifestações, houve até um pequeno herói que foi inusitadamente preso: o Super Moro, referência ao juiz Sérgio Moro, da Lava-Jato. No dia 25 de novembro, data da prisão do líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral, o personagem foi levado à Casa pelo Movimento Nas Ruas e “detido” pela Polícia Legislativa. Depois, ganhou fama, com 600 cópias vendidas num protesto em São Paulo.


 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!