Artigo de Opinião: Estão chegando perto?

28/01/2016 18:33

Por Josenildo Melo

ESTÃO CHEGANDO PERTO?

 

Perto de onde? Perto de quem? Todos os anos no que diz respeito ao calendário político somente o mesmo começa depois da semana santa; agora está começando a ser diferente? Por mais que os analistas tentem, não estão conseguindo ficar sem abordar assuntos; antes extra e não temas cotidianos. Que país é este? É um país que a partir de 2016 começou a mudar a sua concepção?

 

Os dois lados nesta guerra fratricida, onde quem só perde é o povo e a população; não conseguem trégua. Já é perceptível a intensa movimentação nos bastidores de Brasília. O que antes era apenas do conhecimento de alguns passou a ser colocado diariamente a toda a coletividade. Esta seria a mudança? Mais e o estão chegando perto? Será se realmente estão chegando perto de algo jamais visto na História da República Federativa do Brasil? Isso pode acontecer sem reações?

 

Quem aprecia o conhecimento lembra bem do famoso discurso de Péricles; discurso proferido sobre a democracia ateniense. O General homenageou os guerreiros mortos na primeira batalha da guerra do Peloponeso (Guerra do Peloponeso foi motivada pelo conflito de interesses econômicos e políticos entre as duas cidades gregas mais importantes: Atenas e Esparta.). Quem proferirá o discurso final desta guerra fatídica que ocorre no Brasil entre governo e oposição?

 

Era costume dos atenienses escolher alguém de sabedoria comprovada e reputação eminente para proferir um discurso fúnebre em homenagem aos mortos na guerra, após o seu sepultamento. Péricles, o grande general que comandou Atenas na guerra contra Esparta e reconhecido pela sua habilidade oratória, foi o escolhido para homenagear os guerreiros mortos na primeira batalha da guerra do Peloponeso. Na ocasião, em 431 a.C., o general fez o elogio de Atenas e sua democracia, indicando assim que eles haviam morrido por uma causa nobre.

 

Na época, Atenas vivia o ápice da democracia e o discurso, além de ser um dos maiores clássicos da oratória política, é também uma perene exaltação deste sistema de governo. O discurso tornou-se, ao longo da história, um modelo adotado por oradores políticos para enaltecer o orgulho dos integrantes de uma comunidade - nação, cidade, instituição -, exaltando as virtudes e qualidades que a tornam superior ética e politicamente na comparação com outras.

 

Procedendo desta forma, o político demonstra sua capacidade de "entender o espírito" da sua comunidade, estabelece uma profunda "comunhão de sentimentos" com seus ouvintes e identifica sua imagem e sua pessoa com aquelas virtudes que são por todos admiradas. O discurso de posse de Kennedy, em 1960, é um exemplo típico do uso desta estrutura de discurso nos tempos modernos.

 

A crise política muito mais do que a econômica está levando o Brasil ao caos? É público e notória a desobediência civil? Quem hoje de fato respeita as autoridades? Soa e ressoa em toda a sociedade a seguinte pergunta nos quatro cantos da cidade; e porque o povo e a população deveria respeitar de fato as autoridades? Socialmente estes sintomas são perigosos? Eis a realidade atual!

 

"Nossos homens públicos, além da política, possuem atividades privadas, e nossos cidadãos, ainda que ocupados nos seus negócios, são julgadores sensatos das questões públicas."Depois de falar sobre a história de Atenas e suas glórias militares, Péricles apresenta as razões que explicam a grandeza da cidade. "Mas qual foi a estrada que nos levou a atingir esta posição, qual a forma de governo sob a qual nossa grandeza desenvolveu-se, quais os hábitos nacionais que a geraram; estas são as perguntas que Péricles tentou responder antes de fazer o seu panegírico destes homens.

 

Significado de Panegírico: Que é apologético, elogioso, laudatório. A história serve muito de espelho pra atentar sobre fatos e acontecimentos. Discurso de Péricles: “Nossa constituição não copia as leis de outros estados; nós somos um modelo para os outros e não imitadores. Nossa administração favorece aos 'muitos' ao invés dos 'poucos' e é por isso que é chamada de democracia. Este temor(desobediência às leis) é a nossa principal salvaguarda. Ele nos ensina a obedecer aos magistrados e às leis, tanto as que estão impressas em documentos, como as que integram aquele código que, embora não seja escrito, não pode ser quebrado sem causar conhecidas desgraças.

 

O Brasil do jeito que está não pode ficar. Estão estão chegando perto? Perto de onde? Perto de quem? No final o que realmente poderá acontecer é escolherem alguém pra proferir um famoso discurso depois de todos mortos em uma guerra sem sentido? Vivemos momentos difíceis? Só resta esperar as águas de março? Será que o Brasil realmente está mudando? Estão chegando perto?

 

Artigo publicado no Influente e Conceituado Portal AZ

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!