Atividades do Papa : Francisco na sede da FAO

16/10/2017 15:05
Postado Por Josenildo Melo
Jornalista MTB DRT PI 01958 - Credenciado Vaticanista
 
Papa Francisco \ Atividades
Il Papa alla Fao - AFP
Papa Francisco na sede da FAO, em Roma
 
Cidade do Vaticano (RV) - O Papa Francisco visitou, na manhã de hoje, segunda-feira (16/10), por ocasião do Dia Mundial da Alimentação, a sede do Fundo das Nações Unidos para Agricultura e Alimentação (FAO), em Roma.
 
Após agradecer ao diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva, e as demais autoridades, o Papa recordou, no seu discurso, que em 16 de outubro de 1945, os governos decidiram eliminar a fome no mundo através do desenvolvimento do setor agrícola, instituindo a FAO.
 
“Era, disse, um período de uma grave insegurança alimentar e grandes deslocamentos da população, com milhões de pessoas à procura de um lugar para sobreviver às misérias e adversidades causadas pela guerra. À luz desse contexto, reflectir hoje sobre os efeitos da segurança alimentar na mobilidade humana significa retornar ao compromisso através do qual a FAO nasceu, a fim de renová-lo. A realidade atual exige uma maior responsabilidade em todos os níveis, não só para garantir a produção necessária ou a distribuição equitativa dos frutos da terra - isso deve ser dado por certo – mas sobretudo para garantir o direito de todo o ser humano de alimentar-se segundo as próprias necessidades, participando das decisões que o afetam e na realização das próprias aspirações, sem ter que se separar dos seus entes queridos.”
Segundo Francisco, “diante de tal objetivo, o que está em jogo é a credibilidade de todo o sistema internacional. Sabemos, sublinhou, que a cooperação está cada vez mais condicionada por compromissos parciais, limitando inclusive a ajuda nas emergências. Também as mortes por causa da fome e o abandono da própria terra são notícias comuns, com o perigo da indiferença. Precisamos urgentemente de encontrar novas maneiras de transformar as possibilidades de que dispomos numa garantia que permita a cada pessoa encarar o futuro com confiança, e não apenas com alguma ilusão”.
 
O cenário das relações internacionais mostra uma capacidade crescente de responder às expectativas da família humana, também com a contribuição da ciência e da tecnologia que, ao estudarem os problemas, propõem soluções adequadas.
 
“No entanto, recordou o Pontífice, essas novas conquistas não conseguem eliminar a exclusão de grande parte da população mundial: quantos são vítimas da desnutrição, de guerras e  mudanças climáticas! Quantos, acrescentou, precisam de trabalho ou dos bens necessários e são obrigados a abandonar as suas terras, expondo-se a muitas e terríveis formas de exploração. Daí que para o Santo Padre, valorizar a tecnologia para o desenvolvimento é certamente um caminho a seguir, desde que sejam tomadas acções concretas para reduzir o número de pessoas que passam fome ou para controlar o fenómeno da migração forçada.”
 
Segundo o Papa, “a relação entre a fome e a migração só pode ser enfrentada se formos a raiz do problema. A este respeito, os estudos realizados pelas Nações Unidas, como tantos outros realizados por organizações da sociedade civil, concordam que existem dois obstáculos a serem superados: conflitos e mudanças climáticas”.
 
Daí a grave questão, disse o Papa: “como podem ser superados os conflitos? O direito internacional, recordou Francisco, nos indica os meios para preveni-los ou resolvê-los rapidamente, evitando que se prolonguem e produzam fome e destruição do tecido social. Pensemos nas populações martirizadas por guerras que duram décadas e que poderiam ter sido evitadas, propagando efeitos desastrosos e cruéis como a insegurança alimentar e o deslocamento forçado de pessoas.”
 
Para Francisco, “são necessários boa vontade e diálogo para frear os conflitos e um compromisso total contra o desarmamento gradual e sistemático, conforme previsto pela Carta das Nações Unidas, e para remediar a chaga do tráfico de armas. Do que adianta denunciar que por  causa dos conflitos milhões de pessoas são vítimas da fome e da desnutrição, se não agimos de forma eficaz em favor da paz e do desarmamento”?
 
“Quanto às mudanças climáticas, disse, vemos as suas consequências todos os dias. Graças aos conhecimentos científicos, sabemos como enfrentar os problemas; e a comunidade internacional também desenvolveu instrumentos jurídicos necessários, como o Acordo de Paris, que, infelizmente, do qual alguns estão  afastando-se. No entanto, reaparece a negligência em relação aos delicados equilíbrios dos ecossistemas, a presunção de manipular e controlar os recursos limitados do Planeta, e a ganância do lucro. Portanto, é necessário  esforçar-se por um consenso concreto e prático, a fim de evitar os efeitos mais trágicos, que continuarão afetando os mais pobres e indefesos. Somos chamados a propor uma mudança nos estilos de vida, no uso dos recursos, nos critérios de produção, mesmo no consumo, que em termos de alimentos apresenta um aumento de perdas e de desperdício. Não podemos conformar-nos em dizer o ‘outro o fará’.”
 
Segundo o Papa, “estes são os pressupostos de qualquer discurso sério sobre segurança alimentar relacionada com o fenómeno da migração. É claro, observou, que as guerras e as mudanças climáticas provocam a fome, então evitemos de apresentá-la como uma doença incurável”.
“As recentes previsões feitas pelos vossos especialistas, acrescentou Francisco, contemplam um aumento da produção global de cereais, a níveis que permitem dar maior consistência às reservas mundiais. Este dado nos dá esperança e nos ensina que, se trabalharmos, prestando atenção às necessidades e independentemente de especulações, os resultados chegam. Na verdade, os recursos alimentares são muitas vezes expostos à especulação, que os mede apenas em termos de benefício económico dos grandes produtores ou em relação às estimativas de consumo, e não em relação às exigências reais das pessoas. Desta forma, os conflitos e o desperdício são favorecidos, e aumenta o número dos últimos da Terra que buscam um futuro distante dos seus territórios de origem.”
 
Francisco afirmou que diante desta situação podemos e devemos mudar o rumo. Face ao aumento da demanda de alimentos é preciso que os frutos da terra estejam a disposição de todos. Para alguns, bastaria diminuir o número das bocas a serem alimentadas e dessa maneira se resolveria o problema; porém esta é uma falsa solução se se leva em consideração o nível de desperdício de comida e os modelos de consumo que desperdiçam tantos recursos. Reduzir é fácil, compartilhar, ao contrário, implica una conversão, e isso é exigente, recordou o Santo Padre.
O Santo Padre fez em seguida uma pergunta, a si mesmo e também aos presentes:
 
"Seria exagerado introduzir na linguagem da cooperação internacional a categoria do amor, conjugada como gratuidade, igualdade de tratamento, solidariedade, cultura do dom, fraternidade e misericórdia? Essas palavras efetivamente exprimem o conteúdo prático do termo "humanitário", tão usado na atividade internacional. Amar os irmãos, tomando a iniciativa, sem esperar de ser correspondidos, é o princípio evangélico que encontra também  expressão em muitas culturas e religiões, convertendo-se em princípio de humanidade na linguagem das relações internacionais".
 
É necessário que a diplomacia e as instituições multilaterais alimentem e organizem essa capacidade de amar, porque é o caminho principal que garante, não só a segurança alimentar, mas também a segurança humana em seu aspecto global. Não podemos agir somente se os outros o fazem, nem nos limitarmos a piedade, porque a piedade se limita às ajudas de emergência, enquanto o amor inspira a justiça e é essencial para realizar uma ordem social justa entre realidades diferentes que aspiram o encontro recíproco. Amar significa contribuir para que cada país aumente a produção e alcance a auto-suficiência alimentar. Amar se traduz em pensar em novos modelos de desenvolvimento e consumo, e em adoptar políticas que não piorem a situação das populações menos avançadas ou a sua dependência externa. Amar significa não continuar a dividir a família humana entre aqueles que gozam do supérfluo e aqueles que não têm o necessário.
 
Falando sobre o compromisso da diplomacia, o Papa salientou que a mesma nos mostrou, também em eventos recentes, que é possível deter o uso de armas de destruição em massa. Todos, disse, estamos cientes da destruição de tais instrumentos. Mas estamos igualmente conscientes dos efeitos da pobreza e da exclusão? Como deter as pessoas dispostas a arriscar tudo, a gerações inteiras que podem desaparecer porque não têm o pão quotidiano ou são vítimas de violência ou das mudanças climáticas? Eles se deslocam para onde vêem uma luz ou percebem uma esperança de vida. Eles não podem ser detidos por barreiras físicas, económicas, legislativas e ideológicas. Somente uma aplicação coerente do princípio de humanidade pode conseguir isso.
 
Por outro lado, vemos que diminui a ajuda pública ao desenvolvimento e se limita a atividade das instituições multilaterais, enquanto se utilizam acordos bilaterais que subordinam a cooperação ao cumprimento de agendas e alianças particulares ou, simplesmente, a uma momentânea tranquilidade.
 
Francisco fez então à todos, um pedido:
"Vamos ouvir, disse, o grito de tantos nossos irmãos marginalizados e excluídos: "Tenho fome, sou estrangeiro, estou nu, doente, confinado num campo de refugiados”. É um pedido de justiça, não uma súplica ou um chamamento de emergência. É necessário, que em todos os níveis, se dialogue de forma ampla e sincera, para que se encontrem as melhores soluções e amadureça uma nova relação entre os vários atores do cenário internacional, caracterizada pela responsabilidade recíproca, a solidariedade e a comunhão".
 
O Santo Padre na conclusão do seu denso discurso afirmou que a Igreja Católica, com as suas instituições, com um conhecimento directo e concreto das situações a serem enfrentadas ou das necessidades a serem satisfeitas, quer participar directamente desse esforço em virtude da sua missão, que a leva a amar a todos e a lembrar àqueles que têm responsabilidade nacional ou internacional, o grande dever de enfrentar às necessidades dos mais pobres.
 
Gostaria que cada um descubra, no silêncio da própria fé ou das próprias convicções, as motivações, os princípios e as contribuições para infundir na FAO e outras instituições intergovernamentais, o valor de melhorar e trabalhar incansavelmente para o bem da família.
 
 
 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!