Basílica do Santuário de Fátima será reaberta dia 2

01/02/2016 07:37

Basílica de Nossa Senhora do Rosário localiza-se no centro do Santuário de Fátima / Foto: Santuário de Fátima

A Basílica, onde estão os túmulos dos três pastorinhos, estava fechada há um ano e meio para obras

Da redação, com Santuário de Fátima


 

A Basílica de Nossa Senhora do Rosário, no Santuário de Fátima, em Portugal, será reaberta na próxima terça-feira, 2, com uma Missa presidida pelo Bispo de Leiria-Fátima, Dom António Marto.

A igreja, onde estão os túmulos dos três pastorinhos, estava fechada há um ano e meio para a realização de obras de conservação, limpeza e restauração.

A data escolhida para a dedicação do novo altar da Basílica será num dia liturgicametne simbólico para a Igreja Católica: Dia do Consagrado. Com isso, a celebração terá a presença de várias congregações religiosas presentes em Fátima.

Melhorias

Segundo a coordenadora geral da obra, a arquiteta Joana Delgado, a reforma visou conservar o patrimônio edificado e artístico, mas também realizar ajustes funcionais necessários devido à intensa utilização da Basílica.

Dentre as obras, os destaques são para a reformulação do presbitério e para a criação de um itinerário devocional, que permitirá aos peregrinos a veneração e oração junto dos túmulos dos Pastorinhos.

A intervenção “complexa” exigiu “um criterioso levantamento do estado de conservação do edifício bem como de todo o seu patrimônio artístico móvel e integrado” que se revelou “particularmente útil” na definição dos critérios e metodologias de intervenção nas diversas áreas de forma articulada, tendo em conta o que de mais recente se faz na área da Conservação e Restauro.

A limpeza dos “materiais pétreos” representou uma parte significativa da intervenção.

Espaço litúrgico

No espaço celebrativo fizeram-se algumas “alterações” tendo-se considerado oportuno remover a grade em pedra, que separava o presbitério da assembleia, e retomar a cota original do presbitério reforçando a relação da assembleia com aquele espaço.

A reformulação do espaço litúrgico proposta convida a uma maior aproximação da assembleia ao presbitério mas também a um uso diferente do espaço celebrativo em que a espacialidade converge de forma inequívoca para o altar”, refere a arquiteta.

A redefinição espacial do presbitério determinou, por seu lado, o redimensionamento dos lugares litúrgicos e a sua articulação com os restantes elementos integrantes do espaço nomeadamente os lugares destinados aos concelebrantes e a cruz que, associada à Imagem de Nossa Senhora de Fátima, “se torna marca indelével do lugar”.

Os lugares litúrgicos foram desenvolvidos artisticamente pelo Escultor Bruno Marques, autor de todo o mobiliário litúrgico cujo desenho assenta “numa lógica de simplificação estética garantindo a sua adequação funcional”.

Itinerário devocional aos túmulos dos pastorinhos

Esta obra permitiu, igualmente, a criação de “percursos devocionais”, concebidos por Francisco Providência, pensados e concebidos pelos Serviços de Ambiente e Construções (SEAC) e por Marco Daniel Duarte, do Santuário de Fátima.

Este itinerário, com entrada e saída pelo exterior, propõe aos peregrinos o acesso a espaços que anteriormente lhes estavam vedados. Com início do lado Sul, os peregrinos são acolhidos pelo Ícone do Beato Francisco e depois convidados a percorrer o corredor posterior às capelas laterais da basílica acompanhados pela ladainha dos beatos, inscrita nas paredes, até às capelas tumulares.

Os peregrinos são convidados a entrar na capela tumular do Beato Francisco e depois são convidados a aproximar-se dos túmulos da Beata Jacinta e da Irmã Lúcia e finalmente a retirar-se percorrendo o corredor, ao lado das capelas laterais do lado Norte, sempre acompanhados pela ladainha dos beatos e encontrando à saída o Ícone da Beata Jacinta.

Com a intervenção nas capelas tumulares procurou-se dar condições adequadas à veneração e oração dos peregrinos junto das relíquias dos videntes com a criação de um genuflexório para uma breve oração”, sublinha ainda a arquitecta Joana Delgado.

Propôs-se, também, a substituição do pavimento policromado por um pavimento neutro cinzento que permite uma leitura contrastante das pedras tumulares dos Pastorinhos.

Sacristia e Capela São José

Esta obra contemplou igualmente uma intervenção nos espaços da sacristia e da Capela de São José , onde se desenvolveram trabalhos de conservação, com a reformulação dos seus sistemas de iluminação e ventilação. O mesmo será de referir relativamente a outros espaços existentes necessários ao bom funcionamento da basílica no seu todo.

A iluminação do edifício constituiu outro dos desafios desta intervenção, procurando-se que as soluções preconizadas fossem “simples, pouco invasivas do ponto de vista da sua implementação, e que resultassem de forma sóbria no espaço”.

O órgão da Basílica de Nossa Senhora do Rosário, instalado no coro alto, foi também sujeito a uma profunda reestruturação levada a cabo pelos organeiros da Mascioni Organi.


Fonte: Canção Nova