Bernardo Mello Franco: Cenas de chantagem explícita

02/12/2015 16:13

- Folha de S. Paulo

A Câmara virou palco de cenas de chantagem explícita, transmitidas ao vivo pela TV. Com o mandato em risco, o deputado Eduardo Cunha ameaça abrir um processo de impeachment contra Dilma Rousseff se o PT não salvá-lo da cassação.

 

O peemedebista é alvo de acusações graves. Foi denunciado ao Supremo Tribunal Federal, sob suspeita de embolsar propina do petrolão, e omitiu dos colegas quatro contas milionárias na Suíça, das quais agora se declara "usufrutuário em vida".

 

Outros deputados foram cassados por muito menos, mas Cunha usa a presidência da Câmara como arma de defesa. Escolhido por 267 colegas, ele tem o poder de acolher ou rejeitar pedidos de impeachment contra Dilma, eleita com 54,5 milhões de votos.

 

A chantagem foi escancarada na semana passada, quando o peemedebista declarou estar pronto para decidir sobre o assunto. O Planalto acusou o golpe, e passou a pressionar os deputados petistas a salvarem o desafeto no Conselho de Ética.

 

O paraense Zé Geraldo, que já havia prometido votar a favor do processo contra Cunha, disse ontem que está disposto a um "sacrifício pelo país". O recuo pegou mal, e ele tentou se explicar: "O governo está sendo chantageado. A metralhadora está na mão do Cunha. Nós seremos os culpados pelo impeachment?".

 

No Twitter, o presidente do PT, Rui Falcão, afirmou que o partido não deveria topar o cambalacho. Como o Planalto está no jogo, ninguém acreditou. "Ele disse isso para dar satisfação à militância", apostava um aliado no plenário. Se quisesse ser levado a sério, Falcão poderia defender a expulsão dos deputados que ajudarem Cunha, como acaba de fazer com o senador Delcídio do Amaral.

 

O PT tem boas razões para recusar a proposta indecente. A imagem da sigla já está à beira da morte, e uma aliança com Cunha pode servir como pá de cal. Além disso, a chantagem não é um meio confiável de negociação. Quem se submete hoje é candidato a virar refém de novo amanhã.