Bruxas e cachorros loucos

02/08/2015 15:58

Eliane Cantanhêde - Bruxas e cachorros loucos

- O Estado de S. Paulo

 

            Agosto chegou, trazendo velhas lembranças do "mês das bruxas", ou "mês do cachorro louco", quando Getúlio se matou, Jânio renunciou, JK morreu. E este agosto de 2015 promete ser um mês chacoalhado por grandes emoções no Executivo, no Legislativo e no Judiciário. Ah! E nas ruas...

 

            O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, vem aí! E vem armado até os dentes, testando sua tropa na Casa e mirando a presidente Dilma Rousseff, deve chegar camuflado, ora declarando que não usará o arsenal do cargo contra o Planalto, ora descarregando munição no gabinete presidencial, bem ali do outro lado da rua.

 

            Ele pode disparar projetos-bomba que explodam as contas públicas e empurrem Dilma para o desgaste de vetá-los. Também pode utilizar seus homens-chaves na CPI da Petrobrás para detonar inimigos, adversários ou mero desafetos. E, enfim, ele tem em mãos um potente torpedo: os pedidos de impeachment. Mas Cunha é um guerreiro ferido, que tem voz de comando, mas se arrasta no terreno inóspito da Lava Jato. Se, além da delação de Júlio Camargo, houver provas contra ele, vai ter de economizar munição contra Dilma para se defender. Não será fácil.

 

            Nesse clima, eis que a verdade chega nua e crua: depois de tantos bons serviços prestados ao País no impeachment de Collor, nos "Anões do Orçamento" e nas relações incestuosas entre o juiz Lalau e o então senador Luiz Estêvão, as CPIs não têm mais serventia. Perderam iniciativa e instrumentos para o MP e a PF e ficaram a reboque da internet e da mídia. Pior: se servem para alguma coisa, é para fazer o jogo de interesse dos poderosos de plantão no Congresso.

 

            Qual o poder da CPI da Petrobrás? Os procuradores e policiais já estão lá adiante, avançaram para o setor elétrico, rodam o mundo, já têm uma história com início, meio e um fim plausível. A passos de tartaruga, a CPI só passa vexame a cada vez que um delator já está cansado de tanto falar, vai lá e não abre a boca.

 

            Eduardo Cunha, que manda na Câmara e na CPI, parece aproveitar-se disso para fazer investigações, não de interesse da sociedade, mas do seu próprio interesse pessoal. Só isso explica que a empresa de espionagem Kroll esteja focando nos podres do lobista Júlio Camargo. Para tentar desqualificar sua delação contra Cunha? E só isso explica que a CPI insista em convocar a advogada Beatriz Catta Preta. Para ameaçá-la?

 

            Num mundo de grandes criminalistas de cabelos brancos, pagos a peso de ouro, eis que surge aquela mulher, pouco mais que uma menina, e põe o processo, as regras e as tradições de cabeça para baixo ao entronizar esse instrumento tão elementar, mas novíssimo: as delações premiadas. Já são umas 25, 26, e é basicamente isso que torna tudo diferente. Daí vem o fio da meada, que vai se entrelaçando, desvendando, revelando e dando forma à maior roubalheira da história.

 

            Não que Catta Preta seja santa - nem demônio. Por enquanto, ela é um personagem envolto em mistérios. Por que jogou os clientes da Lava Jato para o alto? Por que abandona a carreira no auge do sucesso? Por que a artimanha das insinuações e meias verdades? Em suas entrevistas ao Estado e à Rede Globo, a advogada se limitou a mandar um recado a quem interessar possa. Ela disse que sofre "ameaças veladas", seja por meio da imprensa, seja por membros da CPI. Mas não disse o básico: quem, como, onde e por quê? Deixa um cheiro de pólvora no ar, sem apontar a arma, nem de onde partem os tiros.

 

            E, em agosto, chega finalmente a vez de o Supremo entrar em cena, numa guerra contra o Congresso. Depois de empreiteiros, executivos da Petrobrás, doleiros e paus-mandados de todos eles, a Lava Jato vai pegar os políticos. Isso vai longe e tem potencial explosivo.

 

            É nesse cenário, e com a economia em frangalhos, que o TCU vai julgar as contas do primeiro governo Dilma, e o TSE vai julgar as contas da campanha de Dilma. Ah! E com aquele arremate perfeito: as manifestações do dia 16 vêm aí!

 

Fonte: Jornal O Estado de São Paulo - O Estadão


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!