Cerveró fala em propina a Renan

17/12/2015 09:37

Em delação premiada, o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró disse ter pagado US$ 6 milhões em propina ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e ao senador Jader Barbalho (PMDB-PA). O senador do PT Delcídio Amaral, preso há três semanas, teria recebido US$ 2 milhões.

 

Cerveró diz que pagou _propina de US$ 6 milhões a Renan e Jader

 

Mesma denúncia já havia sido feita pelo lobista Fernando Baiano

 

Cleide Carvalho Renato Onofre - O Globo

 

-SÃO PAULO- O ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró afirmou, em delação premiada, que pagou US$ 6 milhões em propina ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e ao senador Jader Barbalho (PMDB-PA). O senador do PT Delcídio Amaral, preso desde 25 de novembro, também teria sido, segundo Cerveró, destinatário de outros US$ 2 milhões em vantagem indevida. Os valores eram referentes a uma série de propinas arrecadadas em contratos assinados por Cerveró na época em que ele era diretor da área internacional da estatal.

 

Também em delação, o lobista Fernando Soares, o Baiano, já havia dito que Renan e Jader receberam propina de US$ 6 milhões. Baiano explicou, no entanto, que os valores eram referentes a contratos de navio-sonda. Em depoimento à Polícia Federal, Renan negou ter recebido propina e argumentou que se tivesse tomado conhecimento dos fatos “teria tomado as providências cabíveis”. Em outubro, Jader aproveitou reunião da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado para negar envolvimento nas denúncias.

 

PGR já investiga Renan e Jader

O acordo de delação premiada de Cerveró foi fechado depois que sua defesa entregou ao Ministério Público Federal gravações que mostram o senador Delcídio Amaral (PT-MS), seu chefe de gabinete, Diogo Ferreira, e o advogado Edson Ribeiro comentando sobre oferta de dinheiro e até sobre uma rota de fuga para o exterior em troca do silêncio de Cerveró, caso ele conseguisse habeas corpus na Justiça para deixar a cadeia. Os três foram presos e acusados de tentar atrapalhar as investigações. Nos últimos meses, a defesa de Cerveró apresentou atestados pedindo para que ele tivesse acompanhamento médico na carceragem.

 

Cerveró já prestou os depoimentos à Procuradoria-Geral da República. Além de entregar Delcídio, o ex-diretor falou aos investigadores sobre o pagamento de propina no caso Pasadena e ao senador Fernando Collor (PTB-AL). Além disso, detalhou o papel do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e do senador Jader Barbalho (PMDB-PA) no esquema de corrupção.


No final de novembro, a ProcuradoriaGeral da República (PGR) pediu ao Supremo a abertura de dois novos inquéritos no âmbito da Operação Lava- Jato. Em um deles, a Procuradoria investiga os senadores Delcídio, Renan e Jader por sua ligação com Nestor Cerveró.

Por conta da delação, além da prisão até o final de 2018, Cerveró terá que devolver 1 milhão de libras esterlinas depositadas em Londres e cerca de US$ 800 mil dólares que estão bloqueados em contas na Suíça.

 

Como forma de compensação à Petrobras, Cerveró abriu mão de três apartamentos e de uma propriedade na região serrana do Rio. O ex-diretor ficará com um apartamento no Rio e uma casa em Itaipava, onde justamente passará as festas este ano.

 

Nestor Cerveró, que comandou a Diretoria Internacional entre 2003 e 2008, já foi condenado na LavaJato a mais de 18 anos de prisão em duas ações. Ele é culpado por utilizar o cargo para privilegiar empresas em negociações comerciais em contratos com a Petrobras em troca de propina.

 

Também foi condenado por lavagem de dinheiro na compra de um apartamento de luxo em Ipanema, Zona Sul do Rio, com dinheiro que recebeu como propina na Petrobras.

 

Schaim e os empréstimo para o PT

A Polícia Federal vai convocar para um novo depoimento o empresário Salim Schahin, delator da Operação Lava-Jato, e outros sócios e executivos do Banco Schahin para que esclareçam se houve outros empréstimos ao PT concedidos em nomes de “laranjas”, como disse em seu depoimento o pecuarista José Carlos Bumlai. Para o Ministério Público Federal, falta esclarecer como o banco repassou ao partido R$ 48 milhões, uma vez que a dívida de campanha a ser coberta por empréstimo da instituição chegaria a R$ 60 milhões.

 

Apenas os R$ 12 milhões emprestados em nome do pecuarista foram identificados até agora. Na última segunda-feira, Bumlai confessou ter servido como “testa-de-ferro” para o empréstimo de R$ 12 milhões e que o dinheiro foi entregue ao Grupo Bertin, para ser repassado aos beneficiários finais.

 

Segundo ele, o dinheiro ia para o “caixa 2” do PT. No primeiro depoimento à PF, o pecuarista já havia contado que, quando sua dívida foi quitada, o Banco Schahin encaminhou documento no qual ele confessava uma dívida de R$ 60 milhões, que seria o total devido pelo partido. Ele teria se recusado a assinar. Procurada, a defesa de Salim Schahin informou que ele “confirma e reafirma todos os termos de sua colaboração com a Justiça”.

 

O MPF busca rastrear o destino do dinheiro emprestado a Bumlai, que foi distribuído pelo Grupo Bertin, empresa que já foi sócia do pecuarista.


 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!