Colapso à vista

31/08/2015 19:51

Marcos Nobre - Colapso à vista

• Não é pela política que se produzirá o colapso, mas pela economia

 

- Valor Econômico

 

Pela primeira vez desde o início da crise política, a descoordenação geral ameaça mudar de patamar e entrar em estado de colapso. Todas as tentativas até agora de organizar seja o campo do governo seja o das forças antigoverno fracassaram. Não há à vista qualquer confluência de forças em qualquer dos campos políticos que seja suficiente nem para manter o arranjo precário que esteve em vigor até agora nem para oferecer uma alternativa viável a ele.

 

As movimentações contrárias e favoráveis à permanência de Dilma Rousseff encontraram como que um ponto de virada no interior do sistema político depois das manifestações de 16 e 20 de agosto. Como estava encaminhado até ali, o jogo ameaçava ir para os pênaltis da incerteza social e institucional. Foi quando uma concertação de parte da elite empresarial fez um chamamento à ordem público e incisivo: presidente só se tira do poder quando já se encontrou um substituto de consenso dentro do sistema político. E, não menos importante, quando já se pactuou como a troca será realizada dentro da institucionalidade.

 

Dentro da lógica desse chamamento à ordem, apelar para a rua só se faz se for inevitável e, mesmo assim, só depois de tudo já estar previamente encaminhado no nível do sistema político. Como mostraram as manifestações contra o impeachment do dia 20 de agosto, levar a disputa para a rua no caso de Dilma Rousseff estaria muito longe de ser o passeio de caras-pintadas que foi a face de massa do afastamento de Fernando Collor, em 1992.

 

Outro elemento crucial para que se tenha tentado colocar freio às tentativas desorganizadas de derrubar a presidente foi a radical incerteza trazida pela Operação Lava-Jato. Quando se trata de um movimento de remoção institucional de presidente, o mínimo que se precisa para operar com segurança é a clareza sobre quais peças do tabuleiro político ainda estão no jogo. E disso ninguém pode estar certo.

 

Fazer um movimento pela permanência de Dilma, mesmo que apenas em caráter temporário, tem também esse sentido prudencial. Se a própria Dilma for atingida - o que nada indica até o momento, pelo contrário -, o caminho para sua remoção institucional está desimpedido. Se não for, serve como muleta provisória até que se chegue a uma situação menos confusa sobre quem ainda está no jogo e em que posição. Só aí é que se poderia avaliar com algum grau de certeza qual seria a saída institucional mais adequada para a atual derrocada do sistema de gerenciamento político implantado a partir do Plano Real.

 

Mas, ao que tudo indica, todas as forças políticas e sociais já foram muito longe nos caminhos incompatíveis que decidiram trilhar, nos projetos mutuamente excludentes que encamparam. Não se vê qualquer convergência possível. Quem foi à rua no dia 16 de agosto podia ser a favor da renúncia, da cassação da chapa, do impeachment, ou simplesmente ser contra o governo e contra o PT. Quem foi à rua no dia 20 de agosto podia estar ali para defender o governo, para atacar a política econômica de Dilma, para se manifestar contra a saída da presidente, ou simplesmente por ojeriza a quem foi à rua no dia 16 de agosto. O mais impressionante é que essa multidão de objetivos inconciliáveis se reproduz de maneira caótica no sistema político, sem que se chegue a uma síntese capaz de dirigir as forças de maneira coordenada e unitária.

 

A descoordenação chegou a tal ponto que nem mesmo a parte importante do PIB que decidiu se expor e articular em favor da suspensão das movimentações pela saída de Dilma conseguiu produzir confluência no campo do grande empresariado. O que essa atuação produziu foi um susto no sistema político, sempre sensível a uma concertação da alta finança e do alto empresariado. Mas o susto passou rapidamente. Ao longo da semana, ficou claro que a movimentação não tinha sido ampla o suficiente para ser representativa. As forças favoráveis ao afastamento da presidente se colocaram em campo da mesma maneira caótica de antes.

 

Acontece que não é pela política que se produzirá o colapso, mas pela economia, que deteriora com rapidez. Uma economia sem o lastro necessário da política. Ficou agora patente aquilo que todos os principais atores sabiam, mas deixaram em suspenso para cuidar de seus afazeres: não há mais como ignorar a desgraça orçamentária do governo. E, como desgraça pouca é bobagem, isso precisa ser feito juntamente com a elaboração e aprovação de um orçamento crível para 2016. Não se vê no horizonte capacidade de coordenação e unidade de ação capazes de produzir esses dois resultados. E, no entanto, o preço de não se conseguir alcançar esses dois objetivos será não apenas alto, mas cobrado em dólares. E o país não está em condições de pagar esse preço.

 

Em um momento de vida ou morte como esse, veio a prova final da completa incapacidade de coordenação do governo, que resolveu aparecer com uma desastrosa tentativa de ressurreição da CPMF. Dilma contou com toda a ajuda providencial que o destino pode oferecer a governantes em desgraça. Ficou por absoluta falta de alternativa organizada. Ganhou sobrevida e apoios inesperados por conta disso. E insiste em dilapidar com esmero cada minuto a mais como presidente que o destino lhe concedeu. Dilma nada diz, não se sabe o que pensa. Com o agravamento da crise, seu mutismo serve apenas como combustível para o pânico, para o estouro da manada do sistema político.

 

Desde abril, muita gente procurou amplificar, sem desconhecer a gravidade da crise, qualquer réstia de luz na escuridão do momento. Contra a possibilidade concreta do colapso, qualquer esboço de estabilização, mesmo provisório e precário, merecia ser ressaltado e analisado. É isso o que agora parece ter chegado ao limite. Todas as dimensões do eufemismo "equilíbrio instável" já foram exploradas.

 

Colapso não tem forma nem prazo previsíveis. Se é que pode saber alguma coisa sobre ele é quando suas condições se armaram. É isso o que parece agora inegável. É o momento em que a expressão última chance ganha seu sentido mais caprichoso e brutal.

----------------

Marcos Nobre é professor de filosofia política da Unicamp e pesquisador do Cebrap.

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!