Coluna do Cláudio Humberto - Diário do Poder

21/09/2016 07:48
COLUNA DE CLAUDIO HUMBERTO
 
“Sempre aprendemos com os erros. Sem dúvida, foi um erro”
Rodrigo Maia, presidente da Câmara, sobre a tentativa de votar anistia para caixa 2
 
SENTENÇA DE LULA SÓ DEVE SAIR NO PRÓXIMO ANO
 
Agora réu, o ex-presidente Lula deverá ser sentenciado pelo juiz Sérgio Moro apenas no ano que vem. A previsão é baseada no tempo médio que ele leva, desde o recebimento da denúncia. Moro consumiu 7 meses e meio para condenar executivos da Odebrecht, por exemplo, e um ano para sentenciar dirigentes da Engevix. Ele absolveu, até agora, apenas cerca de 15% dos denunciados pelo Ministério Público Federal.
 
JUIZ METE MEDO
 
Por medo da mão pesada do juiz Sérgio Moro, Lula tentou várias vezes escolher o Supremo Tribunal Federal para ser julgado. Foi inútil.
 
LOROTA FAZ MAL À DEFESA
 
Lula ofendeu a Justiça e o MPF incluindo-os entre os “adversários” que os denunciava. Ao acreditar na própria lorota, descuidou da sua defesa. 
 
ZERO ERRO
 
Lula tem motivos de sobra para temer Sérgio Moro, cuja qualidade das decisões dificultam e até inviabilizam recursos dos advogados.
 
UM ESPECIALISTA
 
Especialista no combate aos chamados “crimes do colarinho branco”, Sérgio Moro é reconhecido pelo trabalho de juiz cerebral e meticuloso.
 
EDUARDO CUNHA VOLTA A NEGAR DELAÇÃO PREMIADA
 
O ex-deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) negou outra vez, nessa terça-feira (20), que pretenda fazer acordo de delação premiada na Lava Jato. Ele acha que isso não passa de invenção de jornalistas. O Ministério Público Federal estaria investigando pistas sobre práticas do governo Dilma Rousseff, no submundo da política, ainda mais graves que no mensalão, para aprovar medidas provisórias.
 
INTERESSE
 
O MPF teria interesse em eventual acordo com Eduardo Cunha para conhecer detalhes de suposta compra de apoio para aprovar MPs.
 
COISA DE BANDIDO
 
O ex-presidente da Câmara tem dito que delação premiada é coisa de bandido e que ele não se considera como tal.
 
EM FAMÍLIA
 
Cunha não se importa muito com eventual rebordosa na Lava Jato. Ele se preocupa mais em proteger a mulher e a filha, também acusadas.
 
DESINTELIGÊNCIA
 
O senador Renan Calheiros, que é investigado na Lava Jato, deveria pensar duas vezes antes de ir na onda de quem o aconselhou a desqualificar o trabalho dos procuradores, classificando-o de “exibicionismo”. Lula adotou a mesma estratégia e se deu muito mal.
 
PORTA-ELOGIOS
 
Se continuar acertando como na escolha do jornalista Eduardo Oinegue para a função de porta-voz, o governo Michel Temer periga dar certo. É um dos mais admirados profissionais da sua geração.
 
MENOS MAL
 
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, teve a maturidade e até a humildade de reconhecer o erro, cuja paternidade ninguém aceita, da tentativa de anistiar o caixa 2, quando o País tenta criminalizá-lo.
 
IDEIA DE JERICO
 
Líderes partidários atribuem a Carlos Sampaio (PSDB-SP) e a Rodrigo Maia (DEM-RJ) o conchavo para votar a anistia ao caixa 2. Mas eles teriam subestimado a repercussão negativa.
 
DISCURSO OFICIAL
 
Assessores da presidência da Câmara afirmam, como em um jogral, que Rodrigo Maia não sabia da presepada da anistia do caixa 2. Mas ninguém acreditou na versão oficial.
 
CADEIA NA 2ª INSTÂNCIA
 
A Ajufe, associação dos juízes federais, defende que o réu vá preso após condenação em segunda instância, antes mesmo da definitiva. O presidente da entidade, Roberto Veloso, alerta que os poderosos se utilizam dos recursos para procrastinar o trânsito em julgado. 
 
CUSTO BRASIL
 
Apesar dos cortes, ainda sobraram no governo federal 24 mil cargos comissionados, do tipo DAS, que custam mais de R$ 1 bilhão por ano ao País. Abaixo dos chefões, os salários podem chegar R$ 21,3 mil.
 
TRISTE LEMBRANÇA
 
Na Câmara, a ordem é apagar lembranças de Eduardo Cunha. Trocaram painel onde deputados concedem entrevista por ser a “cara do Cunha”. As conversas com a imprensa são agora no lado oposto.
 
PERGUNTA NA ESTRADA
 
Réu no segundo processo na Lava Jato, Lula já começou a arrumar a mala para ir a pé para Curitiba?
 
PODER SEM PUDOR
 
O PARAFUSO DE SUPLICY
 
O então líder do PMDB no Senado, Ney Suassuna (PB), encontrou um parafuso no chão azul do plenário. Bem-humorado, gritou:
 
- Quem perdeu um parafuso?
 
Alguém gritou lá do fundo:
 
- É da cabeça de Suplicy!
 
Todos caíram na gargalhada, exceto - claro - o pai do roqueiro Supla.