Coluna do Jornalista Arimatéia Azevedo

12/09/2015 12:39

Coluna do Conceituado e Influente Jornalista Arimatéia Azevedo

Dilma: mais promessas

Nas vésperas da campanha eleitoral de 2014 a então candidata á reeleição Dilma Rousseff veio ao Piauí, e, fazendo visitas aos locais de futuras obras abriu a caixa de ferramentas: prometeu, principalmente para Teresina -- no setor de mobilidade urbana -- mais de R$ 600 milhões. A coluna comentou à época serem promessas eleitoreiras e a história mostra hoje que se tinha razão. Após receber um turbilhão de votos no Piauí, eleger-se presidente, e, hoje, com a popularidade abaixo de 7% Dilma volta ao Estado (o Nordeste é a região do Brasil onde ela ainda pode transitar e não ser vaiada) e curiosamente, prometendo outras tantas centenas de milhões de reais de obras para o Piauí. Melhor faria se liberasse os recursos da promessa anterior antes de abrir outro leque. Bem sabe o mais comum cidadão que a presidente se debruça é nos cortes de despesas e não em novas obras, publicamente desautorizadas pelo seu ministro da fazenda. E a agenda de visitas da presidente é apenas cortina de fumaça, para a real situação de desastre econômico e político em que o país se encontra, após sua desastrada administração no comando do executivo. Recentemente aqui esteve a ministra da agricultura Katia Abreu e exercitou além de um ‘oba oba’ de elogios à presidente, anunciou o que não podia entregar: obras de infraestrutura na região sul do Piauí parte do batizado MATOPIBA. Enquanto ela discursava em Teresina fazendo suas promessas a equipe econômica desenhava os cortes no orçamento. Vale comentar que nesse exato momento os mesmos ministros de Dilma, da área econômica, de novo se debruçam nos cortes de despesas e de obras, enquanto ela visita Teresina e alinhava novas promessas.


Robert Rios diz que sua proposta para o MP acabará com a impunidade

Fila
A expressão a fila anda, usada para se dizer a uma pessoa que o lugar dela foi ocupado, parece caber cada vez mais à presidente Dilma. Ontem às 18 horas, enquanto ela se encontrava com empresário em Teresina, 500 mil pessoas já tinham assinado uma petição eletrônica pelo impeachment.

Origem
O delegado Josélio Sousa, que pediu ao Supremo autorização para ouvir o ex-presidente Lula, é maranhense. Nasceu em uma família pobre em São Luís. Estudou muito e trilha caminho da meritocracia, essa coisa tão odiada por muitos apoiadores do ex-presidente.

Experiente
O delegado Josélio não é meramente um policial aplicado que passou num concurso com milhares de concorrentes. Antes disso, foi procurador do Estado de Goiás, conhecedor da lei como poucos, sendo considerado um dos maiores especialistas no combate à corrupção entre seus pares.

Robert Rios
Autor do projeto de lei que dar poderes unicamente ao Procurador Geral de Justiça para investigar autoridades, o deputado Robert Rios chega a ironizar as reações do mpe à sua iniciativa.

Inócuo
Escreve Robert: “Ari, desde 1988, com a nova Constituição, os promotores investigam autoridades e nunca uma foi presa. Agora que eu pedi ao procurador-geral para comandar a investigação eles se revoltam. Paciência, o Brasil precisa ser levado a sério”.

Zero
Diz mais o deputado estadual, que preside a Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia: “Zero bacana na cadeia em 27 anos é demais, mas acabou a boquinha. Criei a impunidade zero no Piauí”.

Perde e vai à mídia
Já deu para perceber que a Eletrobras tem perdido constantemente causas na Justiça que corre para tentar ganhá-la, modificando as decisões, através da mídia.
O estranho é que não se sabe por que a estatal, que tem um quadro de advogados próprios e ainda contrata outros tantos, perca tanto as demandas judiciais.

Duas causas
No Piauí a Eletrobras perdeu duas grandes causas, a da Engesser e a da Veleiro. No início da ação os valores cobrados de uma e de outra empresa eram insignificantes diante dos montantes de hoje.

Descuido
Mas parece que tudo isso é o resultado do pouco caso que fizeram achando que um tubarão como a Eletrobras não seria alcançado.
Dá até para desconfiar que a negligência que tanto custará à estatal de energia pode fazer a alegria dos omissos.

Esperneio
O curioso é que mesmo passada a fase da ação rescisória, com a coisa julgada, a Eletrobras procura caminhos diferentes, como a mídias, setores do governo, para tentar modificar decisões judiciais transitadas em julgado.
Ainda que os valores aparentemente sejam elevados, eles são justos.

Punição
Deveria haver punição era para os burocratas que deixaram essas causas chegar aonde chegaram.
Porque pode ter sido por desídia que deixaram a empresa perder as causas.

Balanço
Enquanto a Eletrobras corre para mídia para tentar comover a sociedade de que está quebrada, em seu balanço patrimonial de 2014 já constava a expectativa de pagamentos dessas causas.
Dinheiro devidamente reservado.

Ping Pong

Lado certo da guerra

Conta Sebastião Nery que quando tinha oito anos de idade, conversando com seu pai Manuel do Nascimento Vargas, o ex-presidente Getúlio Vargas foi inquirido sobre o que gostaria de ser quando crescesse.
Manuel: “O que queres ser quando cresceres?”
Getúlio: “Militar”.
Manuel: “Por que militar, meu filho? Um militar se arrisca muito, está sempre exposto a ser morto pelo inimigo”.
Getúlio: “Pois então quero ser o inimigo”.

Expressas

Finalmente a Frei Serafim vai ganhar piso asfáltico novo. Falta agora fazer o mesmo na rua Areolino de Abreu.

Outra rua a carecer de um bom recapeamento do asfalto é a Magalhães Filho, entre a praça do Marquês e a Frei Serafim.

O Monumento do Jenipapo, em Campo Maior, é um bem acabo exemplo de abandono dos símbolos do Piauí.