Em conversa Delcídio cita influência sobre ministros

25/11/2015 15:34

Em conversa com filho de Cerveró, Delcídio cita influência sobre ministros do STF

Estadão conteúdo

Na conversa que manteve no dia 4 de novembro com Bernardo Cerveró - filho de Nestor Cerveró, ex-diretor da área internacional da Petrobras preso na Operação 'Lava Jato' - o senador Delcídio Amaral (PT-MS) citou nominalmente ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre os quais teria influência.

No encontro participaram, além de Delcídio, seu chefe de gabinete, Diogo Ferreira, o advogado Edson Ribeiro, que defende o ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, e Bernardo Cerveró, filho do executivo da estatal. Preso desde janeiro deste ano, Cerveró já foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro na Lava Jato.

Com a promessa de interceder a favor de Cerveró, ele disse ter conversado com o ministro Dias Toffoli e que iria conversar com os ministros Luiz Fachin e Gilmar Mendes, além de prometer "interlocução" com o presidente do Senado, Renan Calheiros, e o vice-presidente Michel Temer.

Os R$ 50 mil que Delcídio ofereceu à família de Cerveró, a serem pagos de forma parcelada, seriam financiados, segundo a conversa gravada do senador com o filho de Cerveró, por André Esteves, controlador do banco BTG Pactual. Esteves teria, segundo Delcídio, cópia de minuta do acordo de delação premiada de Cerveró o que, para a Justiça, confirma a existência de um canal de vazamento na Operação 'Lava Jato'.

Fuga pelo Paraguai

Na conversa, interceptada pela Justiça, que durou 1 hora e 35 minutos, Delcídio chegou a sugerir três rotas de fuga a Cerveró, que tem também nacionalidade espanhola. A fuga se daria depois da obtenção de habeas corpus e seria concretizada mesmo que Cerveró fosse obrigado a usar tornozeleira eletrônica.

A porta de saída do País se daria pelo Paraguai, onde ele embarcaria num táxi aéreo Falcon 50, com autonomia para chegar à Espanha. Com isso, o senador teria a garantia de que Cerveró não revelaria segredos à Polícia Federal e à Justiça num acordo de delação premiada.

Confira um trecho do diálogo:
DELCÍDIO: Agora, agora, Edson e Bernardo, é eu acho que nós temos que centrar fogo no STF agora, eu conversei com o Teori, conversei com o Toffoli, pedi pro Toffoli conversar com o Gilmar, o Michel conversou com o Gilmar também, porque o Michel tá muito preocupado com o Zelada, e eu vou conversar com o Gilmar também.
EDSON: Tá.
DELCÍDIO: Por que, o Gilmar ele oscila muito, uma hora ele tá bem, outra hora ele tá ruim e eu sou um dos poucos caras...
EDSON: Quem seria a melhor pessoa pra falar com ele, Renan, ou Sarney...
DELCÍDIO: Quem?
EDSON: Falar com o Gilmar
DELCÍDIO: Com o Gilmar, não, eu acho que o Renan conversaria bem com ele.
EDSON: Eu também acho, o Renan, é preocupante a situação do Renan.
DELCÍDIO: Eu acho que, mas por que, tem mais coisas do Renan? Não tem...
EDSON: Não, mas o..., acho que o Fernando fala nele, não fala?
DELCÍDIO: Fala, mas fala remetendo ao Nestor.
EDSON: A é, também? Então tudo bem.
DELCÍDIO: Como também fala do Jader, remetendo ao Nestor.
EDSON: Então tudo bem. Escolheu o Fernando
DELCÍDIO: Agora, então nós temos que centrar fogo agora pra resolver isto...
EDSON: Mas então seria bom ver Renan olha só...
DELCÍDIO: Não, eu vou falar com ele...
DIOGO: Hoje tem reunião de líderes
DELCÍDIO: Eu falo com o Renan hoje.
EDSON: Tá bom.
DELCÍDIO: Hoje eu falo, porque acho que o foco é o seguinte, tirar, agora a hora que ele sair tem que ir embora mesmo."

 

Ouça o conteúdo da gravação clicando no link abaixo :

http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/ouca-delcidio-do-amaral-barrar-a-lava-jato/

 

http://www.hojeemdia.com.br/noticias/politica/em-conversa-com-filho-de-cervero-delcidio-cita-influencia-sobre-ministros-do-stf-1.362487