Data da nova manifestação: 13 de março de 2016

13/12/2015 16:38

Com "esquenta", manifestantes já marcam data de novo grande protesto: 13 de março

Objetivo de movimentos pressionar o ingresso para aprovar o impeachment da presidente Dilma Rousseff

O "esquenta" dos protestos a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff já reuniu manifestantes em pelo menos dez capitais, além do Distrito Federal. O objetivo de organizadores como o Vem pra Rua e o Movimento Brasil Livre (MBL) é utilizar os atos deste domingo como um preparativo para manifestações maiores.

 

Os movimentos anunciaram a data do próximo ato: 13 de março de 2016. "Se a Dilma não cair até lá, nós vamos derrubá-la em março do ano que vem", bradava Marcello Reis, líder do Revoltados Online, de cima do carro de som.

 

O objetivo dos grupos é conseguir uma mobilização do mesmo tamanho da do último dia 15 de março, que levou mais de 2 milhões de pessoas às ruas de todo o Brasil. "Vamos juntar milhões. Por isso começamos a divulgar desde já".

 

Alguns políticos da oposição circulam pelo ato em São Paulo e são bastante tietados pelos manifestantes. É o caso do senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), que chegou a discursar no carro do Vem Pra Rua: "Eu estou aqui pra dizer que não vai ter golpe, mas o impeachment. A crise tem nome e sobrenome: Dilma Rousseff", disse ele. Além do senador, o secretário de Desenvolvimento Social do governo de São Paulo, Floriano Pesaro, e o pré-candidato à prefeitura da capital João Doria Jr também compareceram à manifestação.

 

O senador José Serra também marcou presença e discursou no palanque do Vem pra Rua. "Eu acredito que todos vocês vão tirar o Brasil dessa situação. No Congresso, nós estamos lutando pela mesma coisa", disse. O senador foi anunciado como um dos "políticos mais queridos dos paulistanos". Alguns minutos depois, falou o também tucano João Doria Jr: "Não falo aqui como pré-candidato a prefeito, mas como cidadão brasileiro. O Brasil não aguenta mais tanta corrupção e sem vergonhice".

 

Delegados da Polícia Federal também discursaram no trio elétrico do Vem pra Rua. "A Lava Jato é um patrimônio do povo brasileiro", gritou um deles. Os manifestantes, por sua vez, exibiam cartazes e camisetas de apoio ao juiz federal Sérgio Moro, que conduz a Lava Jato na primeira instância. "Somos do PSM - Partido Sérgio Moro", dizia uma das cartolinas. Outros participantes do ato vestiam a máscara do agente Newton Ishii, conhecido como o "japonês da PF".

 

No carro do Vem Pra Rua, ainda discursaram os juristas Miguel Reale Junior e Hélio Bicudo, que assinaram o pedido de impeachment da presidente acolhido pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no último dia 8. O Brasil não pode permanecer nas mãos do PT. Lula, você não é dono do Brasil. O Brasil é nosso. Na boca do povo, só há uma palavra: impeachment", exclamou Bicudo, inflamando o público que o ouvia.

 

Os manifestantes já foram às ruas em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Belém, Maceió, Florianópolis, Porto Alegre, Macapá e Ribeirão Preto, entre outras cidades. A maior parte dos protestos até agora reuniu na casa de milhares de pessoas, número menor do que nos atos anteriores. Os eventos deste domingo foram convocados às pressas, depois que Cunha acolheu o pedido de impeachment.

 

No Rio de Janeiro, em torno de 8 000 pessoas foram às ruas de Copacabana -- havia mais gente na avenida do que na praia, mesmo com um calor de 33 graus na zona sul carioca. Em Brasília, a manifestação reuniu cerca de 3 000 pessoas e foi dispersada por uma forte chuva, por volta de meia dia e meia.

 

O Palácio do Planalto e a oposição observam com atenção os desdobramentos das manifestações. Tanto um lado como o outro consideram que o agravamento da crise e os desdobramentos da Lava Jato têm o potencial de inflamar as ruas.

 

Revista Veja - Site da Revista Veja

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!