De novo, Temer fala em reunificar país contra crise

07/03/2016 13:38

Em meio a agravamento da crise no governo, Temer prega unidade

Reynaldo Turollo Jr. – Folha de S. Paulo

 

TIETÊ (SP) - No momento em que a possibilidade de impeachment da presidente Dilma Rousseff ganha novo fôlego por causa da Operação Lava Jato, o vice-presidente, Michel Temer (PMDB), pregou "unidade" para tirar o Brasil da crise política e econômica.

 

Temer esteve na manhã deste domingo (6) em Tietê, cidade em que nasceu, no interior de São Paulo, para a comemoração do aniversário do município, que faz 174 anos.

 

Em discurso proferido na solenidade, Temer defendeu a "harmonia entre os Poderes da República" e a "conexão do trabalhador com o empresário" para superar a crise.

 

Em seguida, saiu sem falar com a imprensa e não quis comentar sobre a mais recente fase da Operação Lava Jato, que obrigou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a depor na sexta-feira (4).

 

No discurso, o peemedebista falou da Caravana da Unidade, uma iniciativa de seu partido que já passou por 19 Estados, e de como ela se transformou, conforme sua avaliação, em uma "caravana da unidade do país". A presidente Dilma não foi citada em nenhum momento.

 

"Hoje, o que o país mais precisa é de unidade, de reunificação, um instante em que todos têm que dar as mãos para tirar o país da crise", disse.

 

"Vamos unir esforços, o Legislativo, o Executivo, o Judiciário, os setores produtivos, porque é inadmissível que um país como o Brasil hoje tenha milhões e milhões de desempregados. É a iniciativa privada, prestigiada pelo poder público, que pode gerar empregos", afirmou, para uma plateia de autoridades e empresários locais.

 

"Essa conexão do trabalhador com o empresário, ou do capital com o trabalho, é fundamental. Em vez de separações, divisões entre a sociedade brasileira, nós precisamos de um somatório da sociedade brasileira."

 

Temer já havia falado de "unidade" em outras duas ocasiões. Em agosto passado, no auge da crise política e ante a ameaça da abertura de um processo de impeachment na Câmara, o vice disse a líderes da base governista que o país precisava de alguém que tivesse "a capacidade de reunificar a todos". A declaração incomodou assessores da presidente.

 

Em contexto diferente, defendeu, em dezembro, um "governo de união nacional". Àquela altura, o processo de impeachment já estava em curso, e Temer havia enviado uma carta com queixas à presidente Dilma –que repercutira mal para ele.

 

'Desarmonia'

Em Tietê, sem mencionar o impeachment, o vice-presidente afirmou que o governo tem de recuperar a confiança dos brasileiros, pois precisa de uma sociedade "pacificada" para conseguir trabalhar, e pregou harmonia entre os três Poderes.

 

"Não somos donos do poder, somos meros exercentes do poder. Hoje eu vejo muita desarmonia entre o Legislativo e o Executivo e, às vezes, o Judiciário [...] Toda vez que há uma desarmonia, está havendo uma inconstitucionalidade", afirmou, citando a determinação expressa na Constituição de que os Poderes devem ser "independentes e harmônicos entre si".

 

Na última quinta (3), a revista "IstoÉ" divulgou que o acordo de delação do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) implica diretamente a presidente Dilmana Lava Jato.

 

Segundo a delação do senador, Dilma tentou interferir no Judiciário em prol da libertação de executivos de empreiteiras presos, nomeando para o STJ (Superior Tribunal de Justiça) o ministro Marcelo Navarro, que teria prometido votar pela soltura.