Dilma defende nova CPMF e é vaiada no Congresso

03/02/2016 10:22

Dilma é vaiada após defender aprovação do CPMF no Congresso

Presidente foi alvo de protesto de parlamentares ao reforçar a necessidade de aprovar matéria durante discurso na sessão de reabertura do ano legislativo

 

Rachel Gamarski, Carla Araújo, Daiene Cardoso e Ricardo Brito - O Estado de S. Paulo

 

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff aproveitou o seu discurso durante a abertura do Ano Legislativo no Congresso nesta terça-feira, 2, para pedir o apoio de deputados e senadores a propostas polêmicas como a aprovação da CPMF e a reforma da Previdência. O apelo, porém, não evitou que ela passasse por constrangimentos: foi vaiada em pelo menos oito momentos por integrantes da oposição e também da base aliada ao governo.

 

As vaias ocorreram principalmente nos momentos em que defendeu a CPMF. Mas apareceram também quando ela disse que a arrecadação no Brasil, ao contrário do senso comum, estava diminuindo; quando falou das obras de transposição do Rio São Francisco, cuja entrega total vem sendo adiada há anos; e das mudanças propostas pelo governo e aprovadas parcialmente pelo Congresso em 2015 que mexeram em direitos trabalhistas e previdenciários.

 

Contudo, não foram as vaias da oposição ou as placas de “Xô, CPMF!” que desconcentraram a presidente, e sim a interrupção da deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP). “O Brasil não consegue cuidar do seu povo”, gritou ela no momento em que Dilma defendia a adaptação do sistema de saúde para atender crianças com microcefalia.

 

Mara interrompeu a presidente outras duas vezes, que respondeu dizendo que sabia do engajamento da deputada tucana com a causa e que esperava que ela contribuísse com “boas ideias”. Dilma demonstrou incômodo com as interrupções.

 

Arrecadação. Em cerca de 40 minutos, reforçou que a volta do “imposto do cheque” seria uma medida temporária para compensar a queda na arrecadação. Entre os argumentos usados para convencer os parlamentares, a presidente afirmou que a CPMF seria usada para bancar os custos da Previdência Social e a saúde.

 

Sei que muitos têm dúvidas e até mesmo se opõem a essas medidas, em especial à CPMF, e têm argumentos. Mas peço que considerem a excepcionalidade do momento, que torna a CPMF a melhor solução disponível para ampliar, no curto prazo, a receita fiscal”, disse Dilma.

 

A presidente afirmou que vai trabalhar “incansavelmente” para que este ano seja de retomada do crescimento e pediu ajuda dos parlamentares para que não haja retrocesso nos programas sociais. 

 

Conto com o Congresso Nacional para podermos, em parceria, estabelecer novas bases para o desenvolvimento do País, sem retroceder nas conquistas obtidas nos últimos anos”, disse. Dilma foi pela primeira vez, desde 2011, à sessão do Ano Legislativo.

 

Dilma procurou demonstrar que os benefícios da reforma não serão colhidos no seu governo e disse que, diante do aumento da expectativa de vida no País, as mudanças nas regras da aposentadoria são essenciais para “garantir a sustentabilidade fiscal do Brasil no médio e no longo prazos”. Ela disse, porém, que qualquer alteração será feita com respeito aos direitos adquiridos e levando em consideração uma transição. “Não queremos e não vamos retirar qualquer direito das brasileiras e brasileiros”, afirmou Dilma, que, neste momento, foi aplaudida.

 

Vaias. A presidente e seus principais ministros tentaram minimizar as vaias da oposição ao seu discurso. Todos fizeram questão de destacar a importância do gesto da presidente pelo diálogo e disseram que as vaias são “da democracia” e já eram esperadas. “Achei ótima a receptividade. É minha absoluta obrigação de estar aqui”, afirmou Dilma, desconversando, na saída do Congresso. A presidente acrescentou que é preciso ter “determinação” e “esperança” diante das dificuldades.