Por Gielow - Dilma terá de reagrupar suas tropas

03/12/2015 11:29

Igor Gielow: Dilma terá de reagrupar suas tropas para barrar impeachment

Abandonada pelo cálculo de sobrevivência política de seu criador, Luiz Inácio Lula da Silva, a presidente Dilma Rousseff terá de fazer o que não conseguiu durante todo o ano para evitar que a Câmara dos Deputados aprove a abertura do pedido de seu impeachment: reagrupar e coordenar suas tropas.

 

A decisão do PT de desistir do plano de defesa de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) no Conselho de Ética contrariou o Planalto –ainda que Dilma tenha, em público, negado a barganha. Na oposição e no PMDB, isso foi visto como uma senha para a aceleração dos eventos em Brasília.

 

Uma ala do governo e boa parte do PT defendiam esquecer Cunha e ir para o enfrentamento do impeachment. Nas contas do Planalto, capitaneadas por Jaques Wagner (Casa Civil), o risco era grande. A impressão foi reforçada pelos péssimos números da economia divulgados na terça (1), unidos ao clima político após a prisão do líder de Dilma no Senado, Delcídio do Amaral (PT-MS).

 

O movimento fracassou, torpedeado pelo próprio PT, preocupado com o que ainda lhe sobra de imagem após anos de escândalos.

 

A lógica petista não é, por óbvio, a da derrota. No papel, o Planalto teria uma tarefa fácil, já que são apenas 171 os votos dos quais precisa.

 

Desde a eleição de Cunha à chefia da Câmara, o governo sabe que só conta com uns 130 votos firmes. A margem algo superior a 200 apoios em votações recentes vinha assombrando o Planalto.

 

Em condições normais, o Planalto poderia cabalar facilmente os votos que lhe faltam. Talvez o consiga, a exemplo do que fez Fernando Henrique Cardoso em situação análoga em 1999, e reinicie sua gestão do zero.

 

A reação inicial do Planalto, com o inusual pronunciamento de Dilma, apontou para a desqualificação de Cunha devido ao caráter revanchista de sua decisão. Resta saber se funcionará, pois será o plenário que julgará Dilma, analisando ali mais do que a idoneidade de quem admitiu a votação.

 

Tentar judicializar o processo na saída, por sua vez, tem eficácia duvidosa.

 

O clima é francamente desfavorável a Dilma. Sua baixíssima popularidade, a paralisante crise econômica, a sombra da Lava Jato e a aproximação entre a oposição e o PMDB do vice Michel Temer pintam um quadro difícil, ainda que não irreversível.

 

Um impeachment pode até ter sido "precificado", uma vez que o risco foi embutido quando o PT rifou Cunha, mas não é boa notícia para o presidenciável Lula.