Doleiro reafirma que pagou R$ 1 milhão para campanha de Gleisi

07/11/2015 10:33

Alberto Youssef depôs como testemunha em ação contra ex-ministro José Dirceu (Governo Lula) e relatou repasses também para ex-deputado Cândido Vaccarezza e senador Valdir Raupp (PMDB/RO)

 

Por Fausto Macedo, Julia Affonso e Mateus Coutinho – O Estado de S. Paulo


O doleiro Alberto Youssef, peça central da Operação Lava Jato, reafirmou em depoimento à Justiça Federal no Paraná nesta sexta-feira, 6, que por indicação do ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa (Abastecimento) efetuou repasses de dinheiro desviado de contratos de empreiteiras com a estatal também a politicos do PT e do PMDB. “Na campanha de 2010, Paulo Roberto Costa me indicou que fizesse um pagamento de um milhão de reais para a campanha da Gleisi (Hoffmann, PT/PR), na época para o Senado, e também indicou alguns pagamentos ao deputado Vaccarezza (Cândido Vaccarezza, PT) em São Paulo e indicou pagamentos para o, na época, candidato a senador Valdir Raupp, do PMDB”, afirmou.

 

Youssef fez esta declaração ao ser indagado pela Procuradoria da República se fazia repasses a políticos de outros partidos, além do PP, agremiação que colocou Paulo Roberto Costa na direção de Abastecimento, área estratégica da companhia.

 

A senadora Gleisi Hoffmann, o ex-deputado Cândido Vaccarezza e o senador Valdir Raupp negaram taxativamente captação de valores ilícitos para suas campanhas eleitorais.

 

O doleiro depôs como testemunha arrolada pela acusação na ação penal contra o ex-ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu (Governo Lula), o ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque e contra o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, todos alvos da Pixuleco I, desdobramento da Operação Lava Jato.

 

Os três réus estão presos em Curitiba. O Ministério Público Federal atribui a Dirceu, a Duque e a Vaccari crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

 

Youssef fez delação premiada. Como delator é obrigado a depor em todas as ações penais da Lava Jato. Ele disse que começou a operar propinas na Petrobrás entre 2005 e 2006, por meio do ex-deputado José Janene (PP/PR), morto em 2010.

 

Na audiência, o doleiro disse que Paulo Roberto ‘direcionava de algumas obras valores para o PMDB’. “Aí o operador não era eu, era outro, no caso ele dizia que era o Fernando Baiano. E também ajudou algumas pessoas do PT e aí fez por intermédio de minha pessoa”, disse Youssef.

 

O sr. teve contatos com João Vaccari?, questionou o procurador da República.

 

Eu já tive alguns encontros com Vaccari Neto, mas eu nunca discuti esse tipo de assunto com ele. 

 

Eu fiz pagamento a pedido da Toshiba que dizia que o endereçado final era o João Vaccari Neto. No caso, o primeiro momento foi a cunhada dele que retirou no meu escritório. No segundo momento, um funcionário meu levou isso para o funcionário da Toshiba, na porta do partido em São Paulo. Ele entregou para o funcionário da Toshiba prá que ele entregasse. Mas eu, diretamente, nunca entreguei nada ao Vaccari e também nunca discuti esse assunto com ele.”

 

Segundo o doleiro, o pagamento foi vinculado à Petrobrás. “Sim, uma obra da Toshiba no Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro). Teve pagamento para o PP e para o PT, esses dois pagamentos quem fez foi eu.”

 

O procurador perguntou se Vaccari ‘recebeu em nome do partido’. “Sim,” disse Youssef.

 

Recursos em espécie? “Sim.”

 

Lembra a quantia?”

 

Acho que R$ 400 mil por vez.”

 

Tem conhecimento de outros recebimentos em obras da Petrobrás?”

 

Ouvi dizer que ele (Vaccari) era o arrecadador do partido dentro da Petrobrás.”

 

Ele (Vaccari) ficava vinculado a qual diretoria?”

 

Diretoria de Serviços, ao diretor (Renato) Duque.”

 

Segundo o doleiro, “todo mundo dizia que o Duque foi indicado pelo Zé Dirceu, mas é de ouvir dizer.”

 

Eu ouvia dizer isso do Paulo Roberto e no meio empresarial, sim.

 

Comentavam. O Gérson Almada (empreiteira Engevix), o Ricardo Pessoa (UTC Engenharia), o Eduardo Leite da Camargo Corrêa, praticamente a maioria deles.”

 

O doleiro disse que se reunia com os empresários, individualmente, ‘se reunia em hotéis, nas empresas’. Também se reunia com os empreiteiros em seu escritório, em São Paulo.

 

Youssef reafirmou que 1% sobre o valor dos contratos da Diretoria de Abastecimento era destinado a políticos e a partidos.

 

Ele falou sobre a relação com o executivo Júlio Camargo, que também fez delação premiada e afirmou ter sido pressionado pelo deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ) por uma propina de US$ 5 milhões, em 2011.

 

Eu operava alguma coisa de caixa 2 para ele (Camargo), em decorrência de obras da Petrobrás. Ele tinha que fazer pagamentos para essas pessoas, tanto pela Diretoria de Abastecimento quanto pela Diretoria de Serviços. Às vezes ele comentava que pagava pro Barusco (Pedro Barusco, ex-gerente de Engenharia da Diretoria de Serviços), para o Duque, ele comentava.”

 

Elo Dirceu. O procurador perguntou ao doleiro delator se ele sabia de ‘alguma conexão (de Júlio Camargo) com o PT’. “Eu sei que tinha um bom relacionamento, se relacionava bem com José Dirceu, com o partido. Eu acho que ele tinha um bom acesso no PT. Às vezes deixava escapar uma coisa aqui, outra ali, pude perceber que ele tinha um bom acesso no PT, falava que ia a reuniões em Brasília. Às vezes deixava escapar.”

 

O procurador perguntou ao delator sobre o relacionamento de Júlio Camargo com José Dirceu. “Eu tinha conhecimento que José Dirceu voava na aeronave do Júlio Camargo. Várias vezes eu o ouvi comentar.” O procurador insistiu. “Voava? Eram sócios? De que forma ressarcia os valores?”

 

Não sei dizer se ele ressarcia, eu ouvia dizer que ele era sócio na aeronave, mas não sei se é verdade, não posso afirmar. Uma vez ouvi o Júlio dizer que chegaram inclusive a desfazer a sociedade. Uma vez ele (Júlio Camargo) deixou escapar sim, me parece que a sociedade foi dissolvida.”

 

O sr. sabe se José Dirceu recebia valores decorrentes de contratos com a Petrobrás?”, indagou o procurador.

 

O doleiro citou Bob, como é conhecido Roberto Marques, antigo braço direito do ex-ministro da Casa Civil que chegou a ser preso na Pixuleco. “Nunca fiz nenhum pagamento a ele (Dirceu), mas uma vez batendo conta com um funcionário do Júlio, o Franco, que cuidava das finanças do Júlio, apareceu na minha conta corrente um débito escrito ‘BOB’. Eu falei para ele ‘esse débito não é meu’. Ele arrancou da minha conta corrente e falou ‘realmente é do Zé Dirceu’, deixou escapar.”

 

O juiz federal Sérgio Moro também fez perguntas ao doleiro delator. “O sr. ouviu dizer que João Vaccari recebia os valores para o PT, é isso?”

 

Sim, ouvi dizer, tanto dos empreiteiros quanto do PP, dos líderes do PP, quanto do próprio Paulo Roberto Costa.”

 

O juiz perguntou qual o motivo de as empreiteiras pagarem a propina. “Era questão do jogo, era institucional.”

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!