Dora Kramer - Moinhos de vento

15/07/2015 01:42
- O Estado de S. Paulo
 
Sejamos francos e realistas: no momento a oposição joga para a arquibancada quando fala em impeachment da presidente Dilma Rousseff. Da mesma forma, o PT faz gestos para a plateia quando aponta intenções golpistas na introdução do tema no debate nacional.
 
Ambos movem moinhos de vento. Motivados, cada qual por sua razão, pelo dado concreto de que o governo é ruim e provoca uma insatisfação geral, conforme atestam as pesquisas de opinião. Nenhum deles quer ficar a reboque desse sentimento. Seja no sentido do ataque ou na direção da defesa.
 
Os oposicionistas raciocinam ainda sobre hipóteses. Nesse cenário subjetivo, continuarão atuando até (e se) surgirem condições objetivas para se falar a sério em interrupção de mandato. Já os situacionistas sofismam ao apontar intenções golpistas, pois não ignoram a existência de legalidade no rito do impeachment, cuja realização implica a observância de trâmites legais.
 
O impedimento não é uma profecia que se realiza em si mesma. Governantes não perdem o mandato por vontade da oposição nem deixam de perder por obra de sua disposição de lutar por ele com unhas ou dentes. Se houver razões substantivas, cai. Se não houver, fica. Fora isso, o que temos por ora é algaravia política e imprudente banalização do tema.
 
Leva-se a opinião pública a acreditar que a solução para situações adversas é a ruptura. Nem sempre. É preciso que a lei permita e os fatos falem de maneira inequívoca.
 
É necessário que se diga também que os políticos não estão contando a história toda para a sociedade. Na realidade dura e crua, hoje nenhum partido, nem PSDB nem PMDB, gostaria de assumir a Presidência da República. O impeachment seria um mau negócio para ambos.
 
Senão vejamos: do ponto de vista político, está muito bom para a oposição. Tanto a de fato quanto a de direito. O único partido a levar desvantagem atrás de desvantagem é o PT. Tem o poder, é verdade, mas pode cada vez menos, desgasta-se cada vez mais e não encontra espaço para reagir. Dispõe dos instrumentos, mas já não encontra quem esteja disposto a retribuir os favores concedidos. O ambiente é de venha a nós, ao vosso reino nada.
 
O PSDB está a cavaleiro, batendo na presidente e conseguindo que ela aceite o desafio de trocar tiros com o presidente do partido, senador Aécio Neves. Não é segredo que há uma disputa interna entre os tucanos sobre a candidatura presidencial em 2018. Por enquanto, eles têm mais de dois anos para resolver a questão. Uma antecipação do calendário só levaria o partido a expor suas fragilidades.
 
O PMDB, então, nem se fale. Está no melhor dos mundos. Mandando e desmandando, sendo cortejado por aqueles que até outro dia queriam ver o partido pelas costas, posando de grande garantidor da paz na República. O vice-presidente e comandante em chefe do PMDB, Michel Temer, ensaia gestos de conciliação, credencia-se para o que der e vier. Tudo indica, porém, que prefere que não "dê" nem que "venha" tão cedo.
 
Assim como os tucanos, os pemedebistas não têm a menor intenção de chamar para si a responsabilidade de consertar uma situação desastrosa criada pelo PT. Tanto para uns quanto para outros é que as coisas continuem ruins para o governo ao ponto de, na eleição de 2018 em que os dois partidos terão candidatos, a presidente contaminar negativamente qualquer nome apoiado pela situação.
 
E o PT? Por contraditório que pareça, seria o único a ganhar com a interrupção do mandato. No dia seguinte trocaria o lugar de vidraça pela posição de estilingue e teria dois anos para se recuperar, reinventando-se como oposição a "tudo isso que está aí". De banho tomado, com a cara mais limpa do mundo.

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!