Editorial / O Globo

05/08/2015 20:33

O DNA da corrupção no lulopetismo – Editorial / O Globo 

As investigações da Lava-Jato continuam a dissecar o código genético da corrupção lulopetista, e as informações que sustentam a nova prisão do ex-ministro José Dirceu fornecem peças para o quebra-cabeça da incrível operação engendrada por um partido de esquerda que optou por se perpetuar no poder com dinheiro desviado dos cofres públicos.

 

Dirceu, cumprindo detenção em regime semiaberto por ter sido condenado no processo do mensalão, é agora apanhado por um arrastão de PF, Ministério Público e Justiça Federal de Curitiba, dentro da Lava-Jato, numa operação chamada de Pixuleco, lembrança irônica do termo usado pelo tesoureiro petista João Vaccari Neto, preso há algum tempo, para designar propina.

 

Aos poucos, surgem relatos que desvendam o início do mensalão e do petrolão, esquemas, segundo o MP, arquitetados no mesmo bunker do antigo ministro da Casa Civil de Lula, e executados paralelamente. Já tem lugar certo na crônica dos escândalos siameses, na verdade um grande esquema montado em estatais, reunião realizada no início do primeiro governo Lula, em 2003, com pelo menos as presenças dos então ministros José Dirceu, Antonio Palocci (Fazenda) e Miro Teixeira (Comunicações), para discutir como obter apoio parlamentar a Lula. Havia duas sugestões: conquistar parlamentares e partidos pelo convencimento e propostas de governo, tese defendida por Miro e Palocci, ou por via "orçamentária". Ganhou o uso do "orçamento". E assim foi feito.

 

Agora, a Lava-Jato confirma o que também se suspeitava: se a corrupção lulopetista, naqueles primórdios, era justificada pela "causa", ou seja, pela "redenção dos pobres", com o passar do tempo companheiros se deixaram seduzir pelos prazeres da vida da alta burguesia, seus "inimigos de classe". E foram, enfim, cooptados. Com uma enorme diferença: enquanto burgueses gastam dinheiro próprio, lulopetistas passaram a se valer da roubalheira do dinheiro público para azeitar o próprio alpinismo social. Entre 2007 e 2014, os pixulecos destinados a Dirceu somariam R$ 90 milhões. Agora, ao ser preso, foram bloqueados R$ 20 milhões.

 

Foi registrado que Dirceu recebia propinas desde 2003, no primeiro ano da Era Lula, e assim continuou enquanto era processado como mensaleiro, no Supremo, condenado e ao cumprir pena na Papuda. Uma cabal demonstração de que se sentia impune, um desrespeito às instituições, entende, com razão, o juiz Sérgio Moro.

 

Não houve, desta vez, o gesto do braço esquerdo erguido com punho fechado, coreografia da esquerda. Ao contrário de 15 de novembro de 2013, quando foi preso como condenado, Dirceu entrou sereno no camburão da PF, em Brasília. Nem o PT, sintomaticamente, fez alarido. Depois da reunião da executiva nacional, ontem, também em Brasília, a nota divulgada repetia a de quinta: não citava o ex-ministro, já saudado como "herói do povo brasileiro" em convenções passadas. Algo parece ter mudado em relação a Dirceu.

 

Fonte: http://oglobo.globo.com/opiniao/o-dna-da-corrupcao-no-lulopetismo-17084242