Eduardo Cunha reage e concede entrevista

19/10/2015 19:07

Cunha diz que governo tem o 'maior escândalo de corrupção do mundo'


Na primeira entrevista à imprensa após a revelação de documentos mostrando sua ligação com contas secretas no exterior, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), voltou a dizer nesta segunda (19) que não renunciará ao cargo, que tudo ficará "exatamente do jeito que está", e criticou o governo Dilma Rousseff, que acusou de protagonizar "o maior escândalo de corrupção do mundo".

Cunha, hoje um dos políticos contra os quais pesa o maior número de indícios de envolvimento no esquema criminoso investigado pela Operação 'Lava Jato', rebateu declaração da presidente feita durante viagem ao exterior, quando a petista disse lamentar que as suspeitas de desvio de recursos públicos para contas secretas fora do país envolvam um brasileiro.

Em resposta, o peemedebista afirmou lamentar "que seja com um governo brasileiro o maior escândalo de corrupção do mundo."

"Eu fui eleito pela Casa, aqui só cabe uma maneira de eu sair, é renunciar, e eu não vou renunciar. Aqueles que acham que podem contar com minha renúncia, esqueçam, eu não vou renunciar. Não tem plano A, B, C, D ou E, não tem plano nenhum. Qualquer discussão ou especulação que está sendo feita é pura perda de tempo, porque não vai acontecer absolutamente nada, vai continuar exatamente do jeito que está", disse Cunha, cujo apoio político tem decaído recentemente ante as suspeitas contra ele.

A afirmação de Cunha não contempla toda a realidade. Além da renúncia, ele pode deixar o cargo caso tenha o mandato cassado. Processo nesse sentido deve começar a tramitar no Conselho de Ética da Câmara na próxima terça-feira (27).

Na entrevista, o peemedebista voltou a se negar a dizer se tem ou não contas na Suíça ou comentar qualquer detalhe dos documentos que vieram a público nas investigações, entre eles o uso de seu passaporte diplomático para abrir algumas das contas que, até então, ele sempre negou ter.

Questionado seguidas vezes sobre isso, ele se limitou a dizer que seus advogados irão se pronunciar no momento adequado e que ele reitera os termos da nota que soltou na sexta-feira (16). Neste texto ele, em linhas gerais, acusa a Procuradoria-Geral da República de perseguição política e de promover vazamentos de informações seletivas contra ele.

IMPEACHMENT

Cunha disse que entregará ainda nesta segunda recurso contra as recentes decisões do Supremo Tribunal Federal que barraram o rito definido por ele para eventual tramitação de pedido de impeachment contra Dilma.

O presidente da Câmara negou ainda que tenha participado de acordo para enterrar a CPI da Petrobras, apesar de seus aliados dominarem a comissão. "Não cabe ao presidente da Câmara fazer o ofício de prorrogação [da CPI]. Se a Casa não quer que a CPI seja prorrogada, é porque acha que ela atingiu seu objetivo. Não participei de nenhum acordo." 

 

Fonte: Folhapress

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!