Empreiteiro dirá que ex-presidente pressionou por ajuda a Lulinha

31/01/2016 09:19

Segundo ‘Veja’, a informação estará em delação de executivo da Andrade Gutierrez

 

- O Globo

 

Segundo reportagem da revista “Veja”, o presidente licenciado da Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo, decidiu contar em delação premiada informações sobre a sociedade entre a antiga Telemar e a Gamecorp, que tem entre seus sócios Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, filho do ex-presidente Lula. Segundo a revista, Azevedo dirá que a antiga Telemar, que tinha a Andrade Gutierrez entre os controladores, comprou 30% da Gamecorp “a pedido de Lula”. O negócio foi fechado em 2005 por R$ 5 milhões.

 

Segundo “Veja”, o executivo dirá que, três anos depois, Lula alterou a legislação para permitir que a Telemar/Oi se fundisse com a Brasil Telecom. Azevedo confidenciou a advogados que, em seguida à mudança na lei, os sócios da Gamecorp e integrantes do governo passaram a exigir mais ajuda financeira da empreiteira.

 

A Andrade Gutierrez, por meio da Oi, teria passado a contratar serviços desnecessários da Gamecorp, e foi estabelecido “um canal permanente de repasse de dinheiro” para Fábio Luís e seus sócios, entre eles Fernando Bittar e Jonas Suassuna. Os dois são os donos formais do sítio de Atibaia usado por Lula, que teve parte da reforma paga por empreiteiras.

 

Segundo “Veja”, Azevedo dirá que em 2014 houve pressão de Edinho Silva, tesoureiro da campanha de Dilma Rousseff, e Giles Azevedo, assessor especial da presidente, para repasse de dinheiro. Em nota, Edinho afirmou que todas as doações estão declaradas ao TSE. Giles disse que, como coordenador geral da campanha, esteve uma única vez com Azevedo. Procurados, o Instituto Lula e a Andrade Gutierrez não se manifestaram.