Estamos fechados à transcendência disse O Papa

23/11/2015 19:43

Na Educação "estamos fechados à transcendência", disse o Papa Francisco

Publicamos abaixo a tradução de zenit da transcrição das respostas do Papa Francisco a algumas perguntas que lhe foram feitas durante a audiência concedida aos participantes do Congresso Mundial promovido pela Congregação para a Educação Católica, acontecida no último sábado, 21, na Sala Paulo VI no Vaticano.

***

(Prof. Roberto Zappala, gerente escolástico do Instituto Gonzaga de Milão)

As instituições educativas católicas estão presentes em uma grande variedade de países e contextos: nações mais ricas, nações em desenvolvimento, nas cidades, nas áreas rurais, em nações de maioria católica e em Países em que o catolicismo, pelo contrário, é uma minoria. Nesta grande variedade de situações, o que, na sua opinião, faz com que uma instituição seja verdadeiramente cristã?

 

(Papa Francisco)

Também nós, cristãos, somos minoria. E me vem à mente o que disse um grande pensador: “Educar é introduzir na totalidade da verdade”. Não é possível falar de educação católica sem falar de humanidade, porque justamente a identidade católica é Deus que se fez homem. Avançar nas atitudes, nos valores humanos, plenos, abre a porta para a semente cristã. Depois vem a fé. Educar de forma cristã não é somente dar uma catequese: essa é uma parte. Não é só fazer proselitismo – nunca façam proselitismo nas escolas! Nunca! – Educar de forma cristã é fazer avançar os jovens, as crianças, nos valores humanos, em toda a realidade, e uma destas realidades é a transcendência. Hoje existe a tendência para um neopositivismo, ou seja, educar nas coisas imanentes, para o valor das coisas imanentes, e isso tanto nos países de tradição cristão quanto nos países de tradição pagã. E isso não é introduzir os jovens, as crianças, na realidade total: falta a transcendência. Para mim, maior crise da educação, na perspectiva cristã, é este fechamento à transcendência. Estamos fechados à transcendência. Precisamos preparar os corações para que o Senhor se manifeste, mas, na totalidade; ou seja, na totalidade da humanidade que tem também esta dimensão de transcendência. Educar humanamente mas com horizonte abertos. Todo tipo de fechamento não serve para a educação.

 

(Fr. Juan Antonio Ojeda, professor da Universidade de Málaga)

(Em espanhol)

Santo Padre, em seus discursos, você se refere à ruptura dos vínculos entre a escola, a família e as outras instituições da sociedade. Por outro lado, Santidade, você nos convida muitas vezes a promover e a viver pessoalmente uma cultura do encontro. O que significa isso para todos os sujeitos comprometidos na promoção da educação?

 

(Papa Francisco)

É verdade que não apenas os vínculos educativos foram quebrados, mas a educação tornou-se também muito seletiva e elitista. Parece que têm direito à educação só os povos ou as pessoas que tem certo nível ou uma certa capacidade; mas, certamente, não têm direito à educação todas as crianças, todos os jovens. Esta é uma realidade mundial que nos faz sentir vergonha. É uma realidade que nos leva à uma seletividade humana, e que, em vez de aproximar os povos, os afastam; afasta também os ricos dos pobres; afasta uma cultura da outra... Mas isso acontece também no pequeno: o pacto educacional entre a família e a escola quebrou-se! Deve-se recomeçar. Também o pacto educacional entre a família e o Estado: está quebrado. A menos que haja um Estado ideológico que quer tirar proveito da educação para fazer avançar a sua ideologia: como aquelas ditaduras que nós vimos no século passao. É terrível. Entre os trabalhadores com pior salário estão os professores: o que isso quer dizer? Isso quer dizer que o Estado não tem interesse, simplesmente. Se tivesse, as coisas não seriam assim. O pacto educacional quebrou-se. E qui vem o nosso trabalho, de procurar caminhos novos.

 

O testemunho do Senegal, do pai... (se vira para ele), você que falou: procurar fazer o que fez Dom Bosco. Dom Bosco, nos tempos da mais terrível maçonaria do Norte da Itália, procurou uma “educação de emergência”. E hoje é necessário uma “educação de emergência”, precisamos buscar uma “educação informal”, porque a educação formal empobreceu-se por causa da herança do positivismo. Somente concebe um tecnicismo intelectualista e a linguagem da cabeça. E por isso, empobreceu-se. Precisamos romper este esquema. E existem experiência, com a arte, com o esporte... A arte, o esporte, educam! É necessário abrir-se a novos horizontes, criar novos modelos... Existem tantas experiências: vocês conhecem aquela que vos foi apresentada, “Scholas occurrentes”, que procura justamente abrir, abrir o horizonte a uma educação que não seja somente de conceitos na cabeça. Existem três linguagens: a linguagem da cabeça, a linguagem do coração, a linguagem das mãos. A educação deve movimentar-se nestes três caminhos. Ensinar a pensar, ajudar a sentir bem e acompanhar no fazer, ou seja, que as três linguagens estejam em harmonia; que a criança, o jovem pensem o que sente e que faz, sinta o que pensa e que faz, e faça o que pensa e sente. E assim, uma educação se torna inclusiva porque todos têm um lugar; inclusiva também humanamente. O pacto educacional foi quebrado por causa do fenômeno da exclusão. Nós encontramos os melhores, os mais selecionados – que sejam os mais inteligentes, ou sejam aqueles que têm mais dinheiro para pagar a escola ou a universidade melhor – e deixamos de lado os outros. O mundo não pode seguir adiante com uma educação seletiva, porque não existe um pacto social que iguale a todos. E este é um desafio: procurar caminhos de educação informal. A da arte, do esporte, tantos, tantos... Um grande educador brasileiro – há brasileiros aqui? – um dos vossos dizia que na escola – na escola formal – devia-se evitar cair somente em um ensinamento de conceitos. A verdadeira escola deve ensinar conceitos, hábitos e valores; e quando uma escola não é capaz de fazer isso, essa escola é seletiva e exclusiva e para poucos.

 

Acho que a situação de um pacto educativo quebrado, como a de hoje, é séria, é grave. Porque leva a selecionar os “super-homens”, mas somente com o critério da cabeça e somente com o critério do interesse. Detrás disso, sempre há o fantasma do dinheiro – sempre! – que estraga a verdadeira humanidade. Uma coisa que ajuda é também uma certa e sadia informalidade respeitosa; e isso faz bem, na educação. Porque se confunde formalidade com rigidez. E volto à primeira pergunta: onde existe rigidez não existe humanismo, e onde não existe humanismo, Cristo não pode entrar! Tem as portas fechadas! O drama da cirurgia começa nas raízes da rigidez. E o povo quer outra coisa, e quando falo “povo”, falo das pessoas, de todos nós, das famílias... Querem convivência, querem diálogo – o cardeal Versaldi destacou isso: querem diálogo. Mas quando o pacto educacional está quebrado e existe a rigidez, não há lugar para uma universalidade e uma fraternidade. Nas duas experiências que eu tive aqui, no Vaticano, falando, conectando-me com estudantes dos cinco continentes – foi organizado por “Scholas occurrentes” – vi a necessidade de unidade; e hoje o projeto que é oferecido é justamente o projeto da separação, não da unidade. Também da seletividade.

 

"O que isso significa para os sujeitos envolvidos na promoção da educação?": assim terminava a pergunta. Significa arriscar. Um educador que não sabe arriscar, não serve para educar. Um pai e uma mãe que não sabem arriscar, não educam bem o filho. Arriscar de forma razoável. O que significa isso? Ensinar a caminhar. Quando você ensina uma criança a caminhar, lhes ensina que uma perna deve estar firme, no chão que conhece; e com a outra, procurar ir pra frente. Assim, se escorregar pode defender-se. Educar é isso. Você está seguro nesse ponto, mas isso não é definitivo. Deve dar um passo adiante. Talvez escorregues, mas te levantarás, e adiante... O verdadeiro educador deve ser um mestre do risco, mas do risco razoável, compreende-se. Como tentei explicar agora. Não sei. Acho que respondi à pergunta...

 

(Ir. Pina Del Core, presidente da Faculdade de Ciências da educação Auxilium de Roma)

 

Santo Padre, quais desafios se abrem para os educadores nos tempos da “terceira guerra mundial em pedaços”, a fim de não se fecharem em si mesmos, mas de estarem e se tornarem pacientes construtores de paz? Qual incenvitov quer oferecer a todos os educadores que se dedicam com paixão a uma missão tão delicada?

 

(Papa Francisco)

 

Em primeiro lugar, gostaria de dar um testemunho com relação ao que a Madre geral da congregação de Jesus e Maria acabou de dizer. Quando eu era reitor da Universidade, a minha secretária era uma irmã daquela congregação – ainda viva, madre Asunción, anciã -; mas esta irmã fazia o trabalho de secretária na universidade, e depois, na tarde, comia um paninho, pegava o carro e ia para a periferia, para ser a diretora de uma escola de pobres. A secretária de uma universidade, da faculdade de teologia, ia aos pobres. Tantas congregações como esta não perderam nunca esta ideia. Talvez em alguns momentos destacaram mais o trabalho entre a elite da cidade, mas têm a vocação de ir à periferia, onde nasceram... E quantas fundadoras, quantas fundadoras de Congregações religiosas nasceram para ajudar as jovens, ou quantos fundadores para ajudar os meninos de rua, os pobres! Falei de Dom Bosco... Coincidentemente a madre está aqui, e gostaria publicamente de agradecer a Congregação e todas as congregações, masculinas e femininas, que nunca se esqueceram da periferia!

 

Alguém pode dizer: "Mas nós, nós temos que formar líderes! Nós temos que formar pessoas que pensem, que façam... Isso é verdade, deve ser feito. Mas quando fui ao Paraguai, em uma escola de periferia tinham realizado um encontro de alguns dias, os jovens, jovens não de rua, mas jovens de periferia, pobres, sem o essencial; e estes jovens, moças e rapazes entre 14 e 16 anos, escolheram falar sobre alguns temas, alguns temas fortes. E eu ouvi a discussão entre eles, e as conclusões das discussões sobre um dos temas: a gravidez adolescente. Eu pensei: como é possível que estes, que vivem assim, que vivem na beira de um rio que vai e vem [muitas vezes transborda], que têm pouco para comer, são capazes de pensar assim? Porque tiveram um método e um educador ou uma educadora que os levou pela mão. Ninguém, ninguém pode ser excluído da possibilidade de receber valores, ninguém! E por isso, eis o primeiro desafio que vos digo: deixem os lugares onde já existem muitos educadores e vão para as periferias. Procurem ali. Ou, pelo menos, deixem pela metade! Procurem ali os necessitados, os pobres. E eles têm uma coisa que não têm os jovens dos bairros mais ricos – não por culpa deles, mas é uma realidade sociológica: têm a experiência da sobrevivência, também da crueldade, também da fome, também das injustiças. Têm uma humanidade ferida. E penso que a nossa salvação venha das feridas de um homem ferido na cruz. Eles, daquelas feridas, trazem sabedoria, se há um educador valente que os leva adiante. Não se trata de ir lá para fazer beneficência, para ensinar a ler, para dar de comer..., não! Isso é necessário, mas é provisório. É o primeiro passo. O desafio – e eu vos incentivo – é ir lá para fazer-lhes crescer em humanidade, em inteligência, em valores, em hábitos, para que possam seguir adiante e levar aos outros experiências que não conhecem.

 

Nesta mesma sala, há duas semanas - eu acho - recebemos, como hoje, 7.000 ciganos de toda a Europa. Rom. E a apresentação foi feita por um que cresceu em um bairro rom e agora é um parlamentar eslovaco. E pode dar uma experiência diferente aos que não conhecem a periferia. E as realidades se compreendem melhor das periferias do que do centro, porque você, do centro, sempre está coberto, você, no centro, sempre está defendido...

 

Pacto educativo quebrado, seletividade, exclusão, legado de um positivismo seletivo: essas coisas precisam ser resolvidas. E seguir em frente, seguir adiante com este desafio. Certa vez eu disse para uma congregação de irmãs que tem uma especial vocação na Argentina, no sul da Argentina, pela Patagonia: “Por favor, fechem a metade dos colégios da capital de Buenos Aires e enviem as irmãs lá, naquela periferia da Pátria”; porque de lá virão as novas contribuições, os novos valores, e virão também as pessoas capazes de renovar o mundo. Ir à periferia. Mas quero sublinhar isso: ir à periferia não é só fazer beneficência. É, em educação, levar pela mão, pelo caminho, até onde podem. Aos Salesianos, em Turim, disse: “Façam aquilo que fez Dom Bosco, naquele tempo, onde haviam tantas crianças de rua, tantas. Educação de emergência. Educação variada”.

 

Outra coisa, porque a freira perguntava também "quais desafios se abrem aos educadores nos tempos da ‘terceira guerra mundial em pedaços’”. Qual é a maior tentação das guerras, neste momento? Os muros. Defender-se, os muros. O maior fracassso que pode ter um educador, é educar “dentro dos muros”. Educar dentro dos muros: muros de uma cultura seletiva, os muros de uma cultura de segurança, os muros de um setor social que está bem e não vai mais pra frente.

 

Quero terminar, convidando, bem na linha desta pergunta, os educadores e as educadoras a repensar – é uma tarefa de casa! Mas deve ser feita em comunidade! – a repensar as obras de misericórdia, as 14 obras de misericórdia; repensar como fazê-las, mas na educação. Eu não pedirei a vocês para levantarem as mãos, aqueles que conheço bem, de memória não. Uma vez fiz isso nessa sala: estava cheia... E levantaram a mao só uns vinte... Mas, pensar: neste ano da Misericórdia, misericórdia é somente dar esmola?, ou na educação, como posso fazer as obras de misericórdia? Ou seja, são as obras do Amor do Pai; a primeira palavra que o cardeal Versaldi falou: as obras do amor. Como posso fazer para que esse amor do pai que vem especialmente destacado neste ano da misericórdia, chegue nas nossas obras educativas?

 

E agradeço muito a vocês, educadores e educadoras – mal pagos -, agradeço pelo que vocês fazem. Devemos reeducar muitas civilizações. Devemos reeducar a Europa. Me dizia o reitor jesuíta de uma escola o trabalho que ele tem para fazer mudar a mentalidade, para reeducar no caminho que  a Igreja quer hoje. E assim pode-se chegar também àqueles que não acreditam. E quero agradecer também um educador que tornou-se educador por meio do caminho do direito canônico – não sei como se consegue, mas ele conseguiu -: o cardeal Grocholewski. Ele está presente aqui. E ele é um exemplo que responde à primeira pergunta: ele tem feito acordos com universidades de todo o mundo, católicas e não-católicas. Por quê? Porque a paixão da educação conduz a isto: a "humanizar" as pessoas. E também para ele, publicamente eu digo: Obrigado, Eminência.

 

Não sei como continua o programa... acabou? Obrigado pelo vosso trabalho. E vos desejo um bom almoço.

 

E agora rezamos juntos à Nossa Senhora: Ave Maria,

 

(Tradução ZENIT)

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!