Eta mundo ruim – Zuenir Ventura

20/07/2016 14:49
Eta mundo ruim – Zuenir Ventura
• A pior novidade é que agora estão procurando exportar para nós terrorismo e outras mazelas, como se as nativas não fossem suficientes
 
- O Globo
 
Mundo tenta exportar para nós o terrorismo. Podia ser pior, podia ser a França dos atentados terroristas, a Turquia da tentativa de golpe de Estado com mais de 200 mortos, os Estados Unidos dos eternos conflitos raciais ou mesmo a Venezuela dos milhares de habitantes atravessando a fronteira para comprar alimentos e medicamentos. Essas tragédias distantes não nos servem, porém, de consolo nem querem dizer que devemos ficar satisfeitos com a nossa crise, com os nossos quase 60 mil homicídios por ano e com uma situação como a do Rio, onde, em 72 horas da semana passada, balas perdidas deixaram três mortos e 12 feridos, em episódios de violência que viraram rotina.
 
É apenas uma lembrança para aqueles que acham que a solução é deixar o país. Como já escrevi aqui, não há mais Pasárgada, aquele lugar mítico, paradisíaco, onde Manuel Bandeira sonhava em se refugiar e, com essa viagem onírica, compôs um dos mais populares e bonitos poemas de evasão. Tuberculoso, o poeta achava que lá faria tudo a que não tinha direito: andaria de bicicleta, montaria em burro brabo, faria ginástica, subiria em pau de sebo. Pasárgada era uma cidadezinha nas montanhas do sul da Pérsia onde é hoje o Irã, um país carregado de tensões.
 
A pior novidade é que agora esse mundo está procurando exportar para nós suas mazelas, como se as nossas, as nativas, não fossem suficientes — com a agravante de que são pragas desconhecidas aqui, como o terrorismo e o fundamentalismo religioso. Protegidos pela distância, olhávamos para lá com espanto, mas sem medo e até com um certo alívio: “Pelo menos disso estamos livres”.
 
No entanto, uma ONG internacional que monitora ações terroristas na internet acaba de descobrir que existe uma organização extremista fiel ao abominável Estado Islâmico enviando ameaças, uma das quais diz que, se a França não conseguiu impedir os ataques recentes, “o treinamento dado à polícia brasileira não conseguirá”. Mais grave ainda: já existiriam brasileiros “preparados para o sacrifício de se tornarem mártires”, a exemplo do que está acontecendo com milhares de jovens europeus, que partem para as fileiras do EI na Síria e no Iraque, trocando suas vidas pela “causa”.
 
Os atentados ocorreriam durante os Jogos Olímpicos, que vão atrair o olhar do planeta. É preciso, porém, considerar que uma das armas do terrorismo que vem sendo praticado pelo Estado Islâmico é a propaganda, é a criação de uma expectativa de medo e pânico. De qualquer maneira, o sistema de segurança da Olimpíada deverá montar um esquema cujo aparato não provoque uma paranoia coletiva e, ao mesmo tempo, ofereça à população uma sensação de tranquilidade.