Francisco escreve ao Patriarca Bartolomeu

30/11/2015 20:04

No dia de S. André, Francisco escreve ao Patriarca Bartolomeu

Cidade do Vaticano (RV) – “O mundo hoje tem grande necessidade de reconciliação, especialmente depois de tanto sangue derramado nos ataques terroristas. Podemos amparar as vítimas com nossas orações e renovar nosso compromisso com uma paz duradoura, para promover o diálogo entre as tradições religiosas, porque a indiferença e a ignorância recíprocas podem causar apenas desconfiança e, infelizmente, conflitos”.

É o que escreve o Papa em mensagem ao Patriarca ecumênico, Bartolomeu I, e à Igreja ortodoxa, no dia de Santo André. 

Em 2014, o Papa estava na Turquia nesta festa litúrgica, e o relembra nesta carta ao Patriarca: “Passou-se um ano desde que celebramos juntos, na Igreja Patriarcal de Fanar, o dia de Santo André, primeiro apóstolo a ser chamado por Jesus e irmão de São Pedro. A ocasião foi um momento de graça – recorda Francisco – em que pude renovar e aprofundar, na oração comum e no encontro pessoal, as relações de amizade com vocês e com sua Igreja. Aprecio o compromisso fervoroso de Sua Santidade – escreve ainda o Papa – com a questão do cuidado da criação. Sua sensibilidade e consciência são testemunhos exemplares para os católicos”.

Enfim, o Papa Francisco pede a Bartolomeu que reze pelo Jubileu que está por começar: “É dever da humanidade redescobrir o mistério da misericórdia, a ponte que une Deus e o homem, e abrir o coração à esperança de ser amado para sempre, não obstante o nosso pecado. Foi por este motivo que convoquei um Jubileu extraordinário da Misericórdia, um tempo propício para contemplar a misericórdia do Pai revelado plenamente em seu Filho, Jesus Cristo, e para nos tornarmos um sinal eficaz do amor de Deus através do nosso perdão e de obras recíprocas de misericórdia. É providencial que o aniversário da histórica Declaração conjunta católico-ortodoxa, que removeu as excomunhões de 1054, se verifique às vésperas do Ano da Misericórdia. 

Peço a vocês e a todos os fiéis do Patriarcado Ecumênico que rezem para que este Jubileu Extraordinário traga os frutos espirituais que tanto desejamos”.