Governo com Lula no comando e PMDB forte

02/10/2015 13:04

Dilma-3: governo provisório começa com Lula no comando e PMDB mais forte

Com 275 dias de atraso, presidente corta 8 pastas, 3.000 cargos comissionados e adota medidas populistas para tentar frear o impeachment na Câmara

A presidente da República, Dilma Rousseff, anunciou nesta sexta-feira a reforma administrativa no governo, cobrada por aliados e oposicionistas por causa da crise econômica e política. Dilma cortou oito ministérios ao todo, dois a menos do que haviam previsto os ministros da área econômica, Nelson Barbosa (Planejamento) e Joaquim Levy (Fazenda).

 

A presidente também afirmou que trinta secretarias nacionais serão extintas, assim como 3.000 cargos comissionados.

 

Dilma disse que haverá um corte de 10% na remuneração dos integrantes do primeiro escalão, sem detalhar quais benefícios serão reduzidos.

 

Custeio - A presidente afirmou que gastos de custeio e de contratação de serviços de terceiros terão 20% da verba cortada. Entre as medidas, estão a criação de uma central de automóveis para os ministérios, e a limitação de passagens aéreas, diárias e gastos telefônicos.

 

Segundo Dilma, o governo federal vai rever contratos de aluguel, de segurança e vigilância. Também será feita uma revisão no uso de imóveis da União.

 

"Queremos contribuir para que o Brasil saia mais rapidamente da crise. A reforma vai nos ajudar a incentivar as medidas já tomadas para o reequilíbrio fiscal", disse a presidente.

 

Confira as mudanças no primeiro escalão presidencial:

 

Jaques Wagner (PT) deixa Defesa e assume Casa Civil

Aldo Rebelo (PCdoB) assume Defesa e deixa Ciência e Tecnologia

Miguel Rosseto (PT) deixa Secretaria-Geral e assume Trabalho e Previdência (fundidos)

Aloizio Mercadante (PT) deixa Casa Civil e volta à Educação

Nilma Lino assume Cidadania (fusão das secretarias da Igualdade Racial, Direitos Humanos e Mulheres)

Ricardo Berzoini (PT) assume Governo (fusão das secretarias Geral e de Relações Institucionais)

Helder Barbalho (PMDB) deixa Pesca e assume Portos

Ministros novos e demitidos

Marcelo Castro (PMDB) assume Saúde

Celso Pansera (PMDB) assume Ciência e Tecnologia

André Figueiredo (PDT) assume Comunicações

Renato Janine Ribeiro demitido da Educação

Arthur Chioro (PT) demitido da Saúde

Edinho Araújo (PMDB) demitido dos Portos

Pepe Vargas (PT) demitido dos Direitos Humanos

Guilherme Afif Domingos (PSD) demitido da Micro e Pequena Empresa (anexada à Desenvolvimento e Indústria)

Eleonora Menicucci (PT) - demitida de Políticas para as Mulheres

Carlos Gabas - demitido da Previdência Social

Manoel Dias (PDT) - demitido do Trabalho

Mangabeira Unger (PMDB) - demitido da Secretaria de Assuntos Estratégicos (extinta)

Ministérios inalterados

Gilberto Kassab (PSD) - Cidades

Joaquim Levy - Fazenda

Nelson Barbosa - Planejamento

Edinho Silva (PT) - Comunicação Social

Mauro Vieira - Itamaraty

Patrus Ananias (PT) - Desenvolvimento Agrário

Kátia Abreu (PMDB) - Agricultura

Eduardo Braga (PMDB) - Minas e Energia

Juca Ferreira (PT) - Cultura

José Eduardo Cardozo (PT) - Justiça

Tereza Campello (PT) - Desenvolvimento Social

Henrique Eduardo Alves (PMDB) - Turismo

Armando Monteiro (PTB) - Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

George Hilton (PRB) - Esportes

Gilberto Occhi (PP) - Integração Nacional

Antônio Carlos Rodrigues (PR) - Transportes

Izabella Teixeira - Meio Ambiente

Luís Inácio Adams - Advocacia Geral da União

Alexandre Tombini - Banco Central

Valdir Simão - Controladoria Geral da União

Gal José Elito - Segurança Institucional (secretaria perde status de ministério)

Eliseu Padilha (PMDB) - Aviação Civil

 

Fonte: Site da Revista VEJA