Grupo de Picciani propõe ‘saída honrosa’ para Motta

11/02/2016 11:16

Confiantes na recondução do deputado fluminense à liderança da bancada do PMDB na Câmara, aliados vão argumentar que desistência do paraibano evitará derrota pública de Cunha

 

Daiene Cardoso e Daniel Carvalho - O Estado de S. Paulo

 

BRASÍLIA - Confiantes na recondução do deputado Leonardo Picciani (RJ) à liderança da bancada do PMDB na Câmara na próxima semana, aliados do peemedebista vão propor uma “saída honrosa” da disputa para o deputado Hugo Motta (PB). Diante da possibilidade de derrota de Motta, candidato de Eduardo Cunha (RJ), o grupo de Picciani vai argumentar que a desistência do paraibano evitará uma derrota pública do presidente da Casa.

 

Nas contas do grupo, Picciani teria hoje 45 votos favoráveis a sua permanência no cargo, de um total esperado de 70 parlamentares votantes. Assim, o candidato de Cunha teria pouco mais de 20 votos. Na avaliação do ala pró-Picciani, o maior derrotado da disputa será Cunha, alvo da Operação Lava Jato e sob risco de perder a presidência da Câmara por decisão do Supremo Tribunal Federal.

 

A avaliação é a de que uma derrota seria péssima para Cunha em um momento em que tenta salvar seu mandato. Um revés mostraria que ele não tem mais solidariedade dentro do próprio PMDB. É por essa razão que, segundo peemedebistas, Cunha tem feito campanha para Motta como se fosse para si próprio.

 

Os aliados do atual líder pretendem procurar Motta na próxima terça-feira, 16, véspera da eleição da bancada, para mostrar que a posição de Picciani estaria consolidada. “O gesto vai criar condição para mostrar à bancada que todos estão na mesma direção (de busca da unidade) e que não precisa disputa”, disse um aliado do Picciani.

 

A operação foi proposta pelo deputado Leonardo Quintão (MG), que protagonizou a destituição temporária de Picciani da liderança da bancada no final do ano passado. Durante uma semana, o mineiro ocupou a liderança, até que o fluminense recuperou apoios e retomou o posto. Quintão chegou a se lançar na disputa, mas sem a ajuda de Cunha e diante do esvaziamento de sua candidatura, anunciou apoio a Picciani. O atual líder preferiu evitar polêmica e não comentou a articulação. “Estou trabalhando para ir à votação”, afirmou.

 

O grupo de Motta garante que fechou novos apoios nos últimos dias, suficientes para deixá-lo à frente do adversário. “Não vamos parar até o dia da eleição”, disse o deputado Lúcio Vieira Lima (BA). Empenhado na eleição de seu candidato, Cunha passou o feriado de carnaval recebendo deputados em sua casa no Rio.