Igreja Católica não pode viver de renda diz O Papa

28/11/2015 21:28

Papa aos religiosos em Uganda: Igreja não pode viver de “renda”

Campala (RV) – A  Igreja em Uganda não pode viver de “renda”, deve seguir dando testemunho e ser fiel à memória dos mártires do passado. Esse foi um dos principais apelos que o Papa fez no seu último discurso em Campala, durante o encontro com os religiosos, na catedral da capital ugandense, na noite de sábado, 28 de novembro.

Francisco dividiu sua reflexão em três pontos. Em primeiro lugar, exortou aos religiosos que peçam a graça da memória:

O principal inimigo da memória é o esquecimento, mas não é o mais perigoso. O inimigo mais perigoso da memória é se acostumar a herdar os bens dos maiores. A Igreja em Uganda não pode se acostumar à longínqua recordação dos mártires. Mártir significa testemunho”, destacou o Pontífice.

Não viver de “renda”

Ao afirmar que a memória dos mártires do passado deve ser honrada, Francisco ponderou que as glórias deles foram o princípio, mas que os consagrados em Uganda hoje devem ser promotores das glórias vindouras:

Esta é a tarefa que a Igreja dá a vocês: sejam testemunhas como o foram os mártires ugandenses”.

Contudo, para serem testemunhas, o Papa advertiu que é preciso ter fidelidade.

Fidelidade significa fazer o que fizeram os que vieram antes: ser missionários”. Enfatizando que não falava somente aos sacerdotes, mas também aos religiosos, o Papa quis destacar a questão da missionariedade.

Que as dioceses com muito clero se ofereçam às que têm menos, assim Uganda seguirá sendo missionário”.

Por fim, Francisco evocou a oração: “memória significa fidelidade, e fidelidade que somente é possível com a oração. “Oração também significa humilhação, disse o Pontífice.

Se um sacerdote deixa de rezar ou reza pouco, porque diz que tem muito trabalho, já começou a perder a memória e já começou a perder a fidelidade”, alertou Francisco.

Não podemos viver uma vida dupla, finalizou o Papa. “Se és um pecador ou uma pecadora, peçais perdão”.