Isolado, PT lava as mãos em 12 capitais no segundo turno

13/10/2016 13:08
Isolado, PT lava as mãos em 12 capitais no segundo turno
João Pedro Pitombo – Folha de S. Paulo
 
SALVADOR - Isolado após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o PT não apoiará nenhum candidato em 12 das 18 capitais onde haverá segundo turno nas eleições.
 
Ao contrário das eleições de 2012, quando apoiou candidatos de partidos da base aliada da então presidente como PP, PTB e PDT, desta vez o partido anunciou apoio apenas ao PSOL em Belém e no Rio de Janeiro.
 
O cenário é resultado de uma orientação do diretório nacional do partido, que determinou o apoio no segundo turno a candidatos do PDT, PSOL, PC do B e Rede —partidos cuja maioria dos deputados votou contra o impeachment de Dilma.
 
O PT disputa o segundo turno com candidato próprio apenas no Recife, onde o ex-prefeito João Paulo Lima tenta retornar ao cargo. O partido compõe a chapa de aliados em São Luís e em Aracaju desde o primeiro turno, apoiando, respectivamente, Edivaldo Holanda Júnior (PDT) e Edvaldo Nogueira (PC do B).
 
Em Macapá, única capital em que o partido ainda não tomou uma decisão, a tendência é de apoio à reeleição de Clécio Luis (Rede). Contudo, a aliança do partido com do DEM, que indicou o vice na chapa, é alvo de resistência entre os petistas.
 
Apesar de o PT incentivar alianças com a Rede, o partido não apoiou nenhuma das 20 candidaturas petistas em capitais no primeiro turno. O mesmo aconteceu com o PSOL, que não apoiou o PT no primeiro turno em nenhum capital nem apoiará no segundo, no Recife.
 
Nas 12 capitais onde o PT não vai apoiar ninguém, os diretórios decidiram pela neutralidade, caso de Fortaleza e Cuiabá, ou pelo voto nulo, como em Florianópolis.
 
Na maioria delas, a corrida acontecerá entre partidos da base aliada do presidente Michel Temer (PMDB), caso de Curitiba. Disputam o segundo turno na capital paranaense Rafael Greca (PMN), que tem o apoio do governador Beto Richa (PSDB), e Ney Leprevost (PSD).
 
"Optamos por não apoiar nenhum dos candidatos. Além de representar o projeto golpista de Temer, os grupos que estão no segundo turno vão contra o que a gente defende para a cidade", diz Natalino Bastos, presidente do PT em Curitiba.
 
SEM APOIO
Em Fortaleza, onde o prefeito Roberto Cláudio (PDT) enfrenta Capitão Wagner (PR), a opção do PT foi pela neutralidade, apesar de o pedetista ter sido contra o impeachment de Dilma.
 
Na reunião do diretório municipal, houve um racha interno. O grupo do governador Camilo Santana (PT) defendeu o apoio ao prefeito, enquanto o grupo da candidata derrotada Luizianne Lins defendeu o voto nulo.
 
Com o impasse, o partido optou pela neutralidade. Mas o governador deve se engajar na campanha do prefeito.
 
Em Maceió, o PT não tomou partido na disputa entre Cícero Almeida (PMDB) e Rui Palmeira (PSDB). Há um mês, o PT rompeu com Renan Filho (PMDB) após seu pai, senador Renan Calheiros, votar pelo impeachment.
 
"Não teria sentido apoiarmos o candidato de Renan depois da decisão que ele tomou [de votar pelo impeachment]", afirma Ricardo Barbosa, presidente do PT na capital alagoana.
Em Belo Horizonte, onde Alexandre Kalil (PHS) polariza com o tucano João Leite, o candidato derrotado Reginaldo Lopes defendeu voto nulo.
 
Kalil afirmou que não quer o apoio de nenhum cacique, incluindo o governador Fernando Pimentel (PT).
 
 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!