Jerônimo de Emiliani: “Jesus, sede antes o meu Salvador”

09/02/2016 17:16

Ir. João Antônio Johas Leão

jeronimo_emiliani

"Ó Senhor Jesus, não sejais um juiz para mim, sede antes o meu salvador". Assim rezava Jerônimo na Igreja de Treviso em um momento muito importante da sua vida, o momento em que decidiu seguir no caminho de Jesus. Ele tinha ao redor de 25 anos e tinha acabado de experimentar de maneira muito singular a misericórdia de Deus, pelas mãos de Nossa Senhora de Treviso, quando ela o libertou da prisão onde estava há algum tempo por ter lutado ao lado de Veneza, contra os reis da França, da Espanha e da Alemanha aliados ao Papa. 

 

Na prisão ele foi acorrentado e alimentado apenas com pão e água. Mas foi nesse momento de dor que ele conseguiu entrar em si mesmo e discernir o valioso da vida e o superficial que ela pode ser. Isso foi possível em grande parte pela boa formação religiosa que havia recebido por parte de sua mãe. Jerônimo acaba se arrependendo de todos os seus pecados e pedindo o perdão a Deus por meio de Nossa Senhora.

 

Voltando um pouquinho mais em sua vida, entenderemos como ele foi parar no exército e na prisão. Seu pai foi militar e senador. Quando ele morreu, Jerônimo acabou seguindo seus passos e entrou muito cedo na vida militar e também chegou a ser senador antes dos seus 30 anos. A vida no exército pode ser bastante mundana e isso não foi diferente para Jerônimo que se deixou seduzir pelas tentações e viveu durante algum tempo uma vida afastada do Cristo que ele conheceu ainda criança no seu lar. 

 

Quando foi preso e ficou acorrentado, lembrou-se de tudo isso e percebeu que a vida que estava levando não era a que Deus tinha pensado para ele e por isso rezou: “Mãe, pede perdão a vosso Filho de todos os meus pecados, e concede-me a graça de mostrar-me o caminho que devo seguir para ser fiel a Ele e a Vós…”. Ele agora queria seguir a Cristo e como não sabia por onde começar, começou pedindo que lhe fosse mostrado o caminho. É muito interessante que ele peça a Maria esse dom, quase como se não ousasse falar diretamente com Deus e apelasse para aquela que sempre escuta os seus filhos e apresenta todas suas necessidades ao seu Primogênito Jesus. 

 

Parece uma estratégia que deu certo. Porque sua liberdade veio de maneira milagrosa. Nossa Senhora lhe apareceu e entregou a chave de suas correntes. Jerônimo então se desatou e levou essa corrente aos pés do altar onde rezou a oração de sua conversão, com a qual começamos o texto. Conta-se também que pediu que se pintasse esse momento, para que ficasse guardado fisicamente esse momento importantíssimo na vida do santo. 

 

Já em liberdade, física porque tinha saído da prisão, mas sobretudo espiritual porque tinha se encontrado com Aquele que agora era o sentido de sua vida, mudou sua maneira de viver para se conformar ao máximo com Jesus. Vendendo seus pertences e entregando-os aos pobres como Jesus pediu ao jovem rico do Evangelho, ele começou a se comprometer com os mais necessitados. Sendo ele mesmo órfão desde os 15 anos, começou a acolher outros órfãos em sua própria casa, que logo ficou pequena. Também trabalhou com os doentes e jovens em prostituição, fundou hospitais, orfanatos e asilos. 

 

Fundou também uma comunidade religiosa conhecida como os religiosos somascos.

Somasca é uma aldeia eleita por São Jerônimo para ser a sede da comunidade por ser para ele “um lugar de paz”. Esses religiosos continuam a obra inspirada por Deus em São Jerônimo, que faleceu aos 56 anos, no dia 8 de fevereiro de 1537. Que o santo reconhecido como patrono universal dos órfãos e da juventude abandonada interceda por todos nós, para que possamos também viver uma vida mais cristã, ajudando os que mais necessitam.

 

São Jerônimo Emiliani nasceu em Veneza, em 1486. Na sua infância, ficou órfão de pai, e foi sabiamente educado na fé cristã pela sua mãe, Dionora Morosini. Foi proclamado Santo no ano de 1767. O Papa Pio XI o proclamou "Patrono Universal dos órfãos e da juventude abandonada".

 

João colunista assinatura