José Casado: Novos rumos de Temer

16/12/2015 15:23

O vice decorativo está em ofensiva silenciosa, na luta pelo poder. Até porque, como confessa em versos: “já tomei muitos rumos/sem chegar a lugar nenhum”

- O Globo


O vice-presidente Michel Temer já tem o governo. Falta-lhe o poder, e está em ofensiva silenciosa por uma chance. É legítimo, a despeito do governo e do PT, que se referem ao vice como “traidor”, na crítica mais suave. Se houve perfídia, foi recíproca. Em janeiro, quando ainda festejava a reeleição ao lado do vice decorativo, Dilma Rousseff expulsou do governo o mais conspirativo dos aliados de Temer, o então ministro Moreira Franco. Em contrapartida, demorou 11 meses para justiçar seu mais notório adversário, o deputado Eduardo Cunha.

 

Somente na semana passada, depois de eleita a comissão do impeachment, Dilma anulou um generoso donativo que dera a Cunha, a vice-presidência da Caixa.

 

Resultado: ontem, Dilma celebrava os 68 anos de idade apreensiva com o desastre (foi derrotada por 272 a 199, com dupla abstenção). O governo ficou exposto com esquálida margem de 28 votos além do necessário (171) para evitar o juízo político da presidente.

 

Enquanto isso, Moreira Franco e Eliseu Padilha, aliados de Temer, trabalhavam em tempo integral para garantir-lhe, primeiro, a manutenção do comando do PMDB. Moreira Franco tomou café com líderes do partido no Rio, donos de 8% dos votos na convenção nacional e, até agora, avessos à ideia de impeachment.

 

Federação de interesses regionalistas, o PMDB hoje controla 22% dos ministérios, possui 67 deputados federais (13% da Câmara) e 20 senadores (24% do total). Nos mapas de Padilha prevê-se a possibilidade de o partido começar 2016 com mais dois senadores e quase três dezenas de novos deputados. A bancada do PMDB seria ainda mais influente na Câmara, com pouco menos dos 107 votos que detinha em 1992, no impeachment de Fernando Collor.

 

Em busca de novos aliados, Temer resgatou uma ideia antiga: a construção do “semipresidencialismo”, ou “semiparlamentarismo”. Ele defendeu a tese em 1987, na Constituinte. Numa uma síntese, publicada na “Folha de S.Paulo”, descrevia o presidente como “chefe integral” do Executivo, porém “auxiliado por um primeiro-ministro ou chefe do Ministério”.

 

Não haveria”, argumentou, “uma dicotomia (...) a indicação do chefe do Ministério seria feita após consulta ao presidente e aos presidentes dos partidos políticos que compuserem a maioria do Congresso (...) O Poder Legislativo se manifestaria tanto no instante da nomeação do primeiro-ministro, como no instante de sua exoneração, uma vez que se prevê moção de censura pelo Congresso Nacional seis meses após sua nomeação.”

 

"O presidencialismo, com atuação efetiva do Legislativo, importa em regime responsável”, prosseguiu. “A figura institucional da responsabilidade presidencial, geradora do impedimento, não pode mais ser vista como peça de museu. Há de ser retirada dos escaninhos constitucionais para ser aplicada todas as vezes em que haja descumprimento, pelo presidente, dos pressupostos constitucionais de sua atuação. Não precisamos do parlamentarismo. Necessitamos de presidencialismo responsável perante o Parlamento.”

 

Aos 75 anos, Temer continua na batalha pelo poder. Até porque, como confessa num dos seus versos resgatados pelo repórter Thiago Herdy, “já tomei muitos rumos/ sem chegar a lugar nenhum”.

 

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!