José Roberto de Toledo: 2014 vai acabar em 2016

03/12/2015 16:19

- O Estado de S. Paulo

A barragem se rompeu e o impasse foi superado. Como a chantagem não colou, Eduardo Cunha aceitou pedido de impedimento de Dilma Rousseff, e o governo terá de mostrar se tem votos para manter a presidente no baile. Abandonado pelo PT, Cunha terá de buscar novos parceiros no Conselho de Ética para não dançar sozinho. É uma avalanche ao estilo Samarco, Vale, BHP. Lama para todo lado.

 

Parece contraditório, mas a troca de chumbo em plenário é o cenário mais positivo. Tombe um, tombem dois ou ninguém, ao final do tiroteio haverá um horizonte, alguma perspectiva para além do atoleiro político atual. O pior cenário seria um impasse sem fim. A indecisão só aumentaria o desgaste das instituições e enfraqueceria a ideia de democracia junto à opinião pública.


Quando o Congresso Nacional não cumpre sua função, nem a mais básica que é aprovar um orçamento para os gastos federais, ele se torna apenas um clube frequentado por autoridades cada vez menores, de onde só saem notícias sobre corrupção, desvio de dinheiro público e favorecimento de lobbies espúrios. Um clube cujo acesso depende mais e mais de doações que são – como prova cada novo escândalo – um investimento com promessa de retorno.

Os conchavos ficaram tão escancarados que se tornaram de conhecimento público. Há microfones, escutas, câmeras e redes sociais demais para guardar segredo sobre conversas que antes se limitavam a meia dúzia de poderosos. Delcídio (do) Amaral e André Esteves que o digam. É um show de política explícita. Mas é melhor que seja assim do que se tente represar o mar de lama.

 

A política existe para dirimir conflitos sem que seja necessário recorrer à violência física. Quando ela falha, policiais descem pancada em estudantes que não querem ver sua escola fechada.

 

O único jeito de a política voltar a cumprir seu papel é medir forças, desafogar as pressões reprimidas e arbitrar o conflito. O maior teste disso se dará na votação (ou votações) do pedido de impeachment de Dilma. Mas, até a batalha final, seja no plenário da Câmara ou no da comissão especial que analisará o pedido, haverá outras disputas nas quais governo e oposição buscarão munição: nas ruas, nos tribunais e na narrativa.

 

Isso significa que a temperatura política vai subir muito antes de começar a cair. Serão semanas e semanas de acirramento das tensões em vários níveis e diferentes arenas. Será um período de oscilação do dólar e das ações, de traições e bate-bocas, de compra de votos, de uso da caneta amiga e de muita bajulação a togados. Mas o calendário para a crise é o começo do seu fim.

 

Para a oposição, a crise só acaba se Dilma cair. Mas, se o governo conseguir reunir os votos necessários e segurá-la na cadeira, a ameaça do impeachment deixará de assombrar toda e qualquer decisão presidencial. Será uma forma de retomar a governabilidade perdida. Foi o que aconteceu com Bill Clinton em 1999 nos EUA. Por isso, qualquer que seja o final da história, haverá um desfecho, e não uma crise permanente como ocorre hoje.


Desde os protestos de rua de junho de 2013, o Brasil enfrenta um conflito não resolvido entre a sociedade e o sistema político que a representa. As eleições presidenciais de 2014 não foram suficientes para superá-lo porque – entre outros motivos – os derrotados não aceitaram a derrota, e os vencedores não souberam consolidar sua vitória. Assim, o ano político de 2015 foi uma extensão da disputa eleitoral de 2014, que, por sua vez, começou em 2013.

 

Em 2016, as tensões serão, enfim, liberadas, e o País, com alguma sorte, poderá chegar a uma nova acomodação de forças. A política deixará de ser essa lama tóxica que sufoca a economia. E, como se trata de Brasil, ainda é capaz de o calendário político coincidir com o Carnaval. Pode acabar em folia.