Lobista revela divisão de propinas para ‘núcleos do PT’

04/02/2016 08:22

Fernando Moura, delator da Lava Jato, afirma à Justiça que apresentou Renato Duque a José Dirceu na Casa Civil, em 2003, e que 'primeiro acerto' da corrupção na Petrobrás se deu no âmbito das plataformas

 

Por Ricardo Brandt, Fernanda Yoneya e Fausto Macedo – O Estado de S. Paulo

 

O lobista Fernando Moura, empresário ligado ao PT, declarou ao juiz federal Sérgio Moro que levou pela primeira vez ao então ministro chefe da Casa civil José Dirceu o ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque. Segundo ele, o primeiro acerto de propinas foi de 3% sobre contratos das plataformas P-51 até a P-56 da estatal petrolífera.

 

Quem levou o Renato Duque à Casa Civil, para apresentar para o José Dirceu, o Zé Dirceu não conhecia o Renato Duque até o dia que foi nomeado, quem levou ele a Casa Civil, que apresentou o Renato Duque depois, fui eu.”

 

Fernando Moura fez novo relato ao juiz da Lava Jato porque admitiu ter mentido anteriormente para o mesmo magistrado. Nesta quarta-feira, 3, ele afirmou que Duque recebia propinas, por determinação de Dirceu, e que havia uma divisão entre o PT nacional e o PT São Paulo.

 

As primeiras conversas que a gente teve, negociou eu, ele (Duque) e o Silvinho (Silvio Pereira, ex-secretário geral do PT), era com relação às plataformas. Foi o primeiro assunto que a gente tratou, as plataformas de 51 a 56”, afirmou.

 

Nesse dia a gente definiu que seria 1% para o núcleo São Paulo, 1% para o núcleo nacional e 1% para a companhia, no caso o Renato Duque e seu gerente (Pedro Barusco, outro delator da Lava Jato)”.

 

O juiz Sérgio Moro questionou se o valor acertado era de 3% ao todo nos contratos.

 

Isso.”

 

O juiz quis saber quais eram os núcleos que dividiam a propina no esquema Petrobrás. “Núcleo São Paulo era o PT São Paulo e o núcleo político do José Dirceu. Núcleo nacional era o PT nacional, que na época era o Delúbio Soares, e companhia era Renato Duque e Pedro Barusco (ex-gerente de Engenharia da estatal petrolífera).”

 

O delator, que era amigo de Dirceu, afirmou que o “núcleo político” do ex-ministro a que se refere seria dinheiro para campanhas e políticos ligados a ele.

 

O PT tem reiterado que nunca recebeu dinheiro de propinas.

 

O criminalista Roberto Podval, que defende José Dirceu, disse que o depoimento de Fernando Moura “não tem credibilidade”.