Lula faz apelo a Cunha para segurar Impeachment

19/09/2015 09:15

Lula faz apelo a Cunha para segurar Impeachment

Lula se reúne com Cunha e pede para segurar pedidos de impeachment

 

• Na avaliação do ex-presidente, se um processo assim começar a tramitar na Câmara, será muito difícil conter a pressão das ruas

 

Vera Rosa - O Estado de S. Paulo

 

BRASÍLIA - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu nesta sexta-feira, 18, ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que segure os pedidos de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. O apelo, em caráter reservado, foi feito em Brasília. Lula está preocupado com o avanço de um processo de impeachment por pressão popular e, por isso, convencido de que Dilma corre sério risco de ser impedida de concluir seu mandato.

 

A conversa entre o ex-presidente e o presidente da Câmara ocorreu um dia depois de Cunha receber o aditamento ao pedido de impeachment encaminhado pelos juristas Hélio Bicudo – um dos fundadores do PT –, e Miguel Reale Jr., que foi ministro da Justiça no governo Fernando Henrique Cardoso.

 

O pedido tem o apoio de partidos da oposição, entre os quais o PSDB e o DEM, e de dissidentes da base aliada, como o PMDB. Na avaliação do ex-presidente, se um processo assim começar a tramitar na Câmara, será muito difícil conter a pressão das ruas e haverá um “golpe” no País, que poderá provocar até convulsão social.

 

Para Lula, a situação de Dilma é “gravíssima” e o governo precisa, mais do que nunca, do apoio do PMDB para que ela consiga aprovar o pacote fiscal e terminar o mandato.

 

Há hoje na Câmara 13 pedidos de impeachment contra Dilma. Cabe a Cunha, que está rompido com o governo, decidir se dá ou não sequência a esse processo. Até agora, ele tem dito que vai rejeitar todos os pedidos, mas a ideia é que a oposição apresente recurso ao plenário e consiga o seu objetivo.

 

Lula disse a Cunha, de acordo com informações obtidas pelo Estado, que não há nada que comprove o envolvimento de Dilma em crime de responsabilidade pela corrupção na Petrobrás nem pelas pedaladas fiscais (manobras contábeis), como mencionado na peça assinada por Bicudo. O jurista deixou o PT em 2005, na esteira do mensalão.

 

Na quarta-feira, Dilma afirmou que a atual crise econômica não pode ser usada para fortalecer o movimento pelo seu impeachment. Ela enviou ao Congresso um projeto de lei orçamentária para 2016 com déficit de R$ 30,5 bilhões. Diante das resistências de políticos e empresários, porém, ela foi obrigada novamente a recuar e apresentou outra proposta, cortando R$ 26 bilhões de gastos públicos, ressuscitando a CPMF – que já havia recusado – e congelando o reajuste do funcionalismo.

 

Recomeço. Tanto no jantar de anteontem com ministros do PT como no café com Cunha, ontem, Lula observou que sua sucessora deve aproveitar a reforma administrativa para fazer uma ampla mudança na equipe, algo que sinalize um recomeço. Ela prometeu cortar dez ministérios e mil cargos comissionados. Para o ex-presidente, Dilma precisa dar espaço no primeiro escalão para “quem tem voto”, quem pode ajudar a aprovar o ajuste e quem vai trabalhar para barrar o impeachment.

 

Em conversas reservadas, o diagnóstico é que a presidente não sobreviverá se sofrer outra derrota no Congresso. Aos petistas, Lula prometeu ajudar e disse que vai percorrer o País contra o que chama de “ruptura democrática”, defendendo até medidas impopulares do ajuste. “O momento é de união. A gente tem de dar esperança ao povo, mostrar que o ajuste não é um fim em si mesmo e virar essa página”, disse o ex-presidente aos petistas.

 

Procurado pelo Estado, Cunha negou o encontro com Lula, que foi confirmado por dois interlocutores do petista.

 

O presidente da Câmara rompeu com o governo em julho por avaliar que o Planalto está por trás das acusações contra ele. Cunha foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República ao Supremo Tribunal Federal, por corrupção e lavagem de dinheiro, depois que o delator Júlio Camargo o acusou de cobrar propina de US$ 5 milhões para apressar contratos referentes à construção de dois navios-sonda da Petrobrás.

 

Embora não haja prazo regimental para Cunha analisar os pedidos, seus aliados não acreditam que ele esteja disposta a ajudar Dilma nem a esperar momento menos conturbado para que o plenário decida o destino da petista. O Tribunal de Contas da União (TCU) ainda examina as contas de Dilma. A possível rejeição do balanço também poderá abrir caminho para abertura de um processo de impeachment no Congresso.

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!