Mais clareza no Copom - Celso Ming

21/07/2016 13:07
Mais clareza no Copom - Celso Ming
• O comunicado da reunião enunciou não só as razões que levaram o BC a manter os juros nos 14,25%, mas também o que tem de mudar no País para que possam finalmente recuar
 
O Estado de S. Paulo
 
Do ponto de vista da transparência, o Banco Central, agora presidido pelo economista Ilan Goldfajn, marcou um gol decisivo.
 
O texto divulgado logo após a reunião do Copom enunciou com clareza meridiana não só as razões que o levaram a manter os juros básicos nos 14,25% ao ano, mas sugeriu, também, o que tem de mudar no Brasil para que os juros possam finalmente recuar.
 
O comunicado foi substancialmente mais longo do que os da administração Tombini. Saiu com 372 palavras; os anteriores tinham, em média, 105. Na prática, também antecipa até certo ponto a Ata do Copom, que a partir de agora será divulgada não na quinta-feira da semana seguinte à da reunião, mas na terça. Será interessante avaliar também o que terá mudado na comunicação.
 
 
As principais razões pelas quais o Banco Central entende “não haver espaço para a flexibilização da política monetária” (derrubar os juros) estão tanto nas incertezas que cercam a administração das contas públicas quanto na própria expectativa dos formadores de preços, que continuam apostando numa inflação bastante acima (5,3%) da meta de 4,5% em 2017 e, com isso, tendem a defender-se com mais força com remarcações e, assim, a manter a inércia inflacionária.
 
As incertezas sobre o ajuste em curso têm natureza essencialmente política. Dependem de que o atual governo deixe de ser interino e de que, para isso, consiga a aprovação do impeachment. Trata-se de uma incerteza porque ainda não há segurança de que o Senado apresente os 54 votos suficientes para garantir o afastamento definitivo da presidente Dilma.
 
A outra incerteza paira sobre a aprovação no Congresso do Projeto de Emenda à Constituição (PEC) que impede o aumento das despesas do Tesouro acima da inflação. Sem essa aprovação, o ajuste vai pro brejo.
 
Em compensação, o Banco Central aponta para fatores que vêm puxando em sentido contrário: a probabilidade de que os ajustes sejam mais rápidos; e a alta capacidade ociosa no setor produtivo (máquinas e instalações subutilizadas) que, uma vez acionada, também pode atuar para uma redução mais rápida da inflação.
 
Quando há duas semanas se pronunciou sobre as incertezas fiscais, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, sugeriu que, até o fim de agosto, haveria mais clareza sobre a eficácia do ajuste. Estaria disponível melhor conhecimento sobre o comportamento da arrecadação e, também, seria melhor aferido o nível de confiança na política econômica.
 
Ficou subentendido que, até fim de agosto, a principal informação também estaria disponível: o País saberia quem seria o chefe de governo efetivado no cargo e que qualidade teria sua política econômica. Essa percepção transpareceu, também, no comunicado do Banco Central.
A conclusão é a de que o comportamento da inflação – e dos juros – está condicionado às grandes decisões que vierem a ser tomadas na área política.
 
A próxima reunião do Copom está agendada para 30 e 31 de agosto. A partir do quadro traçado pelo Banco Central, não está garantido hoje que então os juros começarão a cair. Dependerá do que tiver acontecido.
 
 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!