Matias Spektor: Que projeto nacional?

31/12/2015 16:43

- Folha de S. Paulo

Uma enxurrada de artigos de opinião clama esses dias por um "projeto nacional" capaz de tirar o país da lamaceira. Algo assim como uma grande estratégia para dar coerência à gestão da coisa pública em casa e ainda restaurar a posição do país fora das fronteiras.

 

A ideia de "projeto nacional" é recorrente na história brasileira. Ela foi usada pelo modernismo da década de 1920, pelo desenvolvimentismo dos anos 1950 e pelo autoritarismo industrializante do regime militar de Médici e Geisel.

 

A demanda por reprise que se vê agora é compreensível porque um "projeto nacional" funciona como guia útil para quem governa.

 

No entanto, é bom lembrar que um "projeto nacional" raramente é gestado como carta de intenções de olho no futuro. Na prática, quando um projeto desses toma forma, se trata de construção a serviço de um governo já estabelecido que, exercendo o poder com êxito, pretende consolidá-lo.

 

Mais do que expressar um suposto consenso suprapartidário, um "projeto nacional" serve aos propósitos de um grupo bem-sucedido.

 

De Gaulle utilizou o mote do "projeto nacional" como alavanca para forçar terceiros países a levarem uma França enfraquecida pela guerra a sério e, no processo, obter ascendência sobre seus opositores em casa. Na Índia independente do domínio britânico, Nehru usou o mote para mobilizar apoio popular à fundação de um novo sistema político capaz de dar-lhe hegemonia em todo o país.

 

Em nossa experiência recente, o mais próximo que tivemos a esse tipo de dinâmica foi o lulismo de meados da década de 2000.

 

Em casa, aquele governo uniu política monetária anti-inflacionária, redistribuição de renda sem rupturas, pragmatismo sem ideologia na hora de costurar alianças e a elevação do combate à pobreza ao topo da hierarquia de prioridades do Planalto.

 

O lado externo da moeda foi marcado pela premissa segundo a qual o Brasil se tornara peça necessária nos grandes temas de governança global.

 

A integração sul-americana seria inerentemente positiva para os interesses brasileiros e as coalizões com grandes países em desenvolvimento, uma abertura para um mundo mais justo e equitativo. O conjunto da obra ajudava a fazer do presidente um estadista.

 

Comentaristas tucanos denunciaram a empreitada como "hiperativa", "exibicionista" e "pretenciosa". A crise financeira de 2008 e a "nova matriz econômica" puseram fim à ideia de concepção estratégica.

 

É ilusão acreditar que há condições hoje para um novo "projeto nacional", seja entre as forças governistas ou as de oposição. Algo assim terá de esperar nosso próximo ciclo de poder.

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!