Merval Pereira - Quem te viu, quem te vê

12/09/2015 01:37

Merval Pereira - Quem te viu, quem te vê

- O Globo

 

A 1 º de maio de 2008, escrevi uma coluna intitulada “O moderno e o arcaico” para festejar a obtenção do grau de investimento pelo Brasil da agência de risco Standard & Poor’s. Naquele momento, comemorava- se o fato de que “a política econômica do governo Lula, baseada no tripé regime de metas de inflação, austeridade fiscal e câmbio flutuante, tendo ficado demonstrado que é de longo prazo, deu as condições para a decisão da agência de risco Standard & Poor’s de promover o país à condição de ‘ investment grade’ anunciada ontem”.

 

Embora a decisão tenha um cunho estritamente financeiro, comentava na ocasião, pois leva em conta apenas se um país tem condições de pagar suas dívidas, “ela tem sem dúvida um significado institucional importante, destacado em vários pronunciamentos dos porta- vozes da agência”.

 

Até mesmo o então presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes — hoje considerado um adversário pelo PT —, exaltava o aspecto político de uma decisão eminentemente financeira, pois “ela representa o reconhecimento de que estamos em um processo democrático maduro, em que as instituições funcionam”.

 

O presidente Lula aproveitou a ocasião para repetir uma frase do regime militar, e comemorou: “Ninguém segura o Brasil”. Em outra ocasião, pareceu mais centrado e disse que “temos que ter uma euforia comedida, porque o jogo tem muito tempo pela frente, e nós sabemos que estamos construindo um processo de macroeconomia neste país, que vai levar algum tempo ainda para a gente poder estar se consolidado definitivamente como uma grande nação e uma grande economia”.

 

Para Lula, o grau de investimento representava “uma vantagem extraordinária neste mundo globalizado”. O presidente recorreu na ocasião a uma de suas tradicionais metáforas, comparando a figura de dois trabalhadores. Um deles é um homem comportado, que cuida da família, paga o aluguel e não tem vícios. “Esse é o investment grade”, explicou Lula a seus seguidores.

 

O outro recebe o dinheiro, torra tudo em mesa de jogo ou bebe demais, e está quebrado. “Então, era assim que era o Brasil. O Brasil estava quebrado, não tinha credibilidade”. O moderno e o arcaico do título da coluna de 2008 analisava justamente as visões conflitantes dentro do PT a respeito da economia brasileira.

 

A continuidade da política econômica foi citada por FH na ocasião para criticar a tentativa de petistas de tentar um 3 º mandato para Lula. O tucano dizia que o país já alcançara desenvolvimento político para ter políticas públicas de interesse nacional e apartidárias, e não dependia de um líder específico.

 

Naquela ocasião, assim como agora, o que impedia uma aproximação de partidos da mesma origem social- democrata como PT e PSDB era uma visão de Estado que, ontem mesmo, Fernando Henrique relembrou na conversa que tivemos no lançamento de seu livro “A miséria da política”, no Rio. O PT tem visão do papel do Estado que é de “aparelhamento”, potencializado pela ocupação da máquina pelo espírito do sindicalismo que domina o governo.

 

Essas visões conflitantes fizeram com que a reforma do Estado, iniciada no governo FH, com a redução da máquina pública e a valorização das chamadas “carreiras de Estado”, fosse vista pela gestão Lula como um “desmanche” da máquina pública, o que provocou a mudança de rumo, com o aumento de mais de 200 mil cargos no funcionalismo público e um aumento de gasto com servidores acima do crescimento da economia.

 

Curiosamente, na mesma ocasião acontecia em Minas uma aproximação entre o governador Aécio Neves e o prefeito petista Fernando Pimentel, com a finalidade de sinalizar a possibilidade de união de políticos de partidos diferentes, mas com pontos de vista coincidentes, que permitisse vislumbrar um futuro governo formado por forças políticas com visões modernas de atuação política e da gestão pública.

 

Os dois consideravam que a união do PT com o PSDB seria necessária para aprovar no Congresso as reformas estruturais de que o país precisa para crescer com segurança, entre elas as da Previdência, tributária e política.

 

Essa aproximação, no entanto, foi vetada pela direção nacional do PT na ocasião, e o que prevaleceu de lá para cá foi o aprofundamento de uma política estatizante que abandonou aos poucos o tripé que sustentava a economia, para adotar um populismo econômico que nos levou à atual situação de perda do grau de investimento pela mesma agência Standard & Poor’s.

 

Mas, para o Lula de hoje, isso não tem a menor importância.

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!