Merval Pereira: Renan na linha de tiro

20/12/2015 09:02

- O Globo

A revelação de que o ministro Teori Zavascki autorizou a quebra do sigilo fiscal e bancário do presidente do Senado, Renan Calheiros, dá a dimensão da crise política em que estamos metidos. Transformado pela decisão do Supremo no homem forte da política brasileira, já que o Senado foi ratificado como a última palavra no processo de impeachment, com poderes para rejeitá-lo liminarmente mesmo antes de um julgamento, Renan encheu-se de brios e partiu para a ofensiva dentro do PMDB, numa clara tentativa de comandar a derrota do vice Michel Temer na convenção do partido em março.

 

Ele, ou alguém do PMDB do Rio, a maior representação regional do partido, seria o candidato que isolaria Temer e protegeria Dilma, embora a alta direção do PMDB do Rio também esteja às voltas com a Operação Lava-Jato.

 

Os detalhes da decisão do STF sobre o pedido de autorização da Procuradoria-Geral da República para investigá-lo e a seus apaniguados, especialmente o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, mostram que a suposta proteção que o senador estaria recebendo do Planalto não passa de lorota.

 

Não se sabe quem está querendo enganar quem, se a presidente Dilma fingindo que tem algum tipo de ingerência nas investigações, se Renan se autoenganando na estratégia de se aproximar do governo e manter uma postura mansa em relação ao procurador-geral e ao Ministério Público.

 

Alvo de nada menos que quatro inquéritos, o maior deles o que envolve sua influência nos últimos 12 anos na Transpetro, onde seu indicado Sérgio Machado reinou intocado até a chegada da Lava-Jato, Renan Calheiros finge estar a salvo da tempestade que atinge outros políticos, mas na verdade nunca esteve tão perto de se juntar a Eduardo Cunha nas acusações de malversação do dinheiro público.

 

Dilma, que comemorou a vitória no Supremo reforçada pelo pedido de afastamento de Cunha, corre o risco de ver seu aliado Renan ser indiciado por diversos crimes, embora corra menos risco que Cunha de ser afastado imediatamente de seu posto.


Vulnerabilizado pela quebra de sigilos, porém, Renan não tem condições de se impor no PMDB nem segurança de que estará na presidência do Senado quando o impeachment começar.

 

O comentário que fez ao celular, revelado pela repórter Maria Lima, do GLOBO, de que Cunha corria o risco de ser preso se continuasse a agir para tentar bloquear seu julgamento na Câmara, mostra bem a postura cuidadosa de Renan, que já esteve no front oposto no início do ano, adversário implacável da presidente Dilma e dos mais críticos em encontros no Jaburu, quando ainda frequentava o vice.

 

Certa ocasião, tentando trazê-lo para a oposição formal a Dilma, Cunha advertiu-o: o próximo será você. Como a política brasileira hoje se faz na dependência da Lava-Jato, com essa revelação de agora, de que as investigações estão mais próximas de Renan como nunca estiveram, não será surpresa se ele voltar-se novamente contra o Planalto, já que a única razão para estar ao lado de Dilma é a impressão de que de alguma maneira essa proximidade o protege do MP e da PF.

 

Para Dilma, mais uma vez o apoio de um político contaminado pela corrupção endêmica da vida brasileira só fará aumentar as suspeitas de que não está tão isenta quanto apregoa desses escândalos na sua área de atuação, que domina com mão de ferro desde o 1º governo Lula.

 

Nesse folhetim em que se transformou a política brasileira, ainda veremos muitos capítulos antes do fim. Dentre as histórias de corrupção dos poderosos, as de Renan não ficam atrás das de Cunha, como se pode ler no detalhamento da de maior potencial escandaloso, a história de como um político poderoso tomou de assalto uma das principais subsidiárias da Petrobras.