Míriam Leitão: Novo patamar

27/11/2015 17:05

- O Globo

Crise se agravou e mudou de patamar. A crise subiu de patamar esta semana. Na área política, a paralisia do Congresso tende a aumentar. Alguns projetos podem andar, mas a tendência será retardar decisões e tramitações. Na área econômica, entrou o ingrediente da incerteza no mercado bancário. Na área judicial, a inclinação será o Supremo endurecer e apressar-se nos processos que estão em sua alçada.

 

Como as crises são ligadas, uma tende a piorar a outra. A paralisia no Congresso deixa o horizonte fiscal ainda mais opaco. O país está confirmando o cenário de três anos de déficit primário, com um déficit nominal de 9%. Para efeito de comparação, a Argentina, que todos sabem que vai muito mal, está com um déficit nominal de 4,5% do PIB, segundo o professor Antonio Licha, da UFRJ.

 

A equipe econômica, mesmo que queira propor mais do que band-aid para tirar o país da crise, não consegue ter suas ideias aprovadas. A inflação permanece subindo. Se a gasolina aumentar, por pressão da Petrobras ou por elevação da Cide, a taxa anual vai chegar ao inacreditável número de 11%, com mais de 3% de recessão. O leilão das usinas hidrelétricas desta semana contratou energia mais cara para o ano que vem, segundo cálculos de especialistas. A economia está gelada e com inflação elevada. A pior mistura possível.

 

Diante dessa quadro, o Banco Central manteve a taxa de juros nos elevadíssimos 14,25%, e ainda mostrou que há uma divisão interna sobre o futuro da política monetária. Dois dos seus diretores votaram por uma nova elevação de meio ponto, para tentar conter a piora das expectativas de inflação. O problema é que subir a taxa é mergulhar o país em uma recessão ainda mais forte sem ter garantia de que a inflação cairá. A arrecadação seria menor, com a diminuição da atividade das empresas, e o buraco fiscal aumentaria. Esse é o cenário que muitos economistas chamam de dominância fiscal, quando a alta do juros perde eficácia no combate à inflação. O aumento do déficit fiscal pressiona o dólar, que faz os preços subirem.

 

A questão fiscal se agrava a cada mês. Ontem o Tesouro anunciou mais um déficit primário. Desta vez, referente ao mês de outubro, com um rombo de R$ 12,2 bilhões. O desequilíbrio nas contas da Previdência chegou a R$ 75 bilhões, um aumento de 34% em relação ao mesmo período do ano passado. Como o déficit da Previdência tem aumentado, uma das soluções seria encaminhar alguma proposta de reforma, com idade mínima, entre outras mudanças, para indicar alteração dessa trajetória de crescimento. Mas para isso seria preciso haver capacidade de formulação dentro do governo e de articulação no Congresso.

 

O senador Delcídio Amaral era um dos raros pontos de ancoragem do governo no Congresso. A presidente Dilma não consegue fazer a articulação da base parlamentar e sem o até agora líder do governo no Senado será ainda mais difícil a interlocução. A pressão para a saída de Eduardo Cunha da presidência da Câmara vai aumentar nos próximos dias, como consequência natural do processo no Conselho de Ética. E isso provocará mais paralisia parlamentar em momento em que o Congresso se aproxima do recesso.

 

A prisão do banqueiro André Esteves cria uma nova fonte de instabilidade na economia. Os bancos de investimento, como os comerciais, precisam da confiança com seus clientes, muitos deles institucionais. A interligação dentro do sistema bancário cria polos de contágio. Por ser o oitavo maior banco do país, tem o peso de causar problemas no sistema, em caso de perda de recursos. Por enquanto, no entanto, esse risco tem sido afastado.

 

Os estarrecedores fatos desta semana mostram a extensão do esquema de corrupção que está sendo investigado. Ele não interrompeu suas negociatas e indicações políticas para auferir vantagens nem diante da ação da Lava-Jato. A prisão de um senador no exercício de seu mandato — de muita proximidade tanto do ex-presidente Lula, com quem teria uma reunião ontem, quanto da presidente Dilma, de cujo governo era líder — prova duas coisas: que a Lava-Jato fará todo o trabalho que considerar necessário e que os corruptos continuam agindo dentro do aparelho do Estado. Pode-se esperar, portanto, mais turbulências pela frente.