Não sabia que a Petrobrás não era do governo, rebate Cunha a Dilma

21/10/2015 08:04

Foi a segunda resposta do peemedebista à petista, durante a recente troca de farpas entre os dois que começou no último domingo, 18

Igor Gadelha - O Estado de S. Paulo

 

BRASÍLIA - O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), rebateu mais uma vez, nesta terça-feira, 20, a presidente Dilma Rousseff e afirmou "que não sabia que a Petrobrás não era do governo". Foi a segunda resposta do peemedebista à petista, durante a recente troca de farpas entre os dois que começou no último domingo, 18, quando Dilma lamentou que "seja com um brasileiro" as investigações contra Cunha, suspeito de ter contas não declaradas na Suíça.

 

A primeira declaração da presidente foi rebatida pelo presidente da Câmara na segunda, quando ele foi na mesma linha e disse lamentar "que o maior escândalo de corrupção do mundo seja com um governo brasileiro". Em entrevista nesta terça, na Finlândia, a petista respondeu alegando que o governo dela não está envolvido em escândalos de corrupção. "As pessoas que estão envolvidas estão presas, e não é a empresa Petrobras que está envolvida no escândalo", sustentou Dilma. "Ué, não sabia que a Petrobras não era do governo", rebateu Cunha nesta tarde.

 

Durante entrevista nesta terça-feira, o presidente da Câmara evitou comentar a mudança de tom da oposição, que deve passar a cobrar mais enfaticamente a saída do peemedebista do cargo durante as investigações. "(Não penso) Nada. Cada um pode ter o posicionamento que quiser, é um direito deles. Minha posição é a mesma. Com qualquer que seja o posicionamento, não vou alterar meu comportamento", afirmou. Ele disse não se sentir atualmente apoiado nem pela oposição, nem pelo governo.

 

Conciliação. Apesar de manter a troca de farpas com a presidente, Cunha adotou um tom conciliatório e indicou que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Desvinculação de Receitas da União (DRU), que permite ao governo remanejar parte do que arrecada, tem grandes chances de ser aprovada na Casa, desde que com algumas mudanças.

 

O peemedebista afirmou que não pretende criar obstáculos para votação de nenhuma matéria do ajuste fiscal enviada pelo Planalto. Cunha - alvo de denúncias sobre manutenção de contas bancárias milionárias no exterior não declaradas ao Fisco - disse apesar das críticas a alguns pontos da atual política econômica, sempre foi "aliado" do ajuste fiscal.

 

Cunha avaliou que, mesmo que o Executivo ainda não tenha enfrentado nenhum teste para saber se sua base na Câmara está mesmo "reformada" após a última reforma ministerial, há algumas matérias que o governo conseguirá aprovar. Logo depois da reforma, o governo se viu derrotado no Congresso, ao não obter o quorum mínimo para a votação dos vetos presidenciais a propostas que oneram as despesas da União.

 

"A DRU é uma matéria que, com algumas mudanças, com algumas avaliações, tem a possibilidade de aprovar", afirmou Cunha. Segundo ele, o governo só não aprovou a proposta até o momento porque enviou a PEC tardiamente. "Quando começou a mandar, em julho, o próprio governo jogou o risco de não aprovar a tempo a DRU. Então, a culpa é do governo, não é da Casa", disse, defendendo que o Planalto deveria ter enviado a matéria em fevereiro, "quando pedi".

 

O presidente da Câmara fez questão de ressaltar diferenças entre medidas que pretendem elevar a arrecadação federal, novamente criticando a recriação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira. "A DRU é outro tipo de discussão. É o tamanho dela, é o prazo, se vai estender aos Estados ou não. Não tem outro tipo de objeção da Casa contra ela", ressaltou.

 

Por outro lado, ponderou Cunha, matérias que preveem aumento de tributos encontrarão dificuldade em passar. "Criar a CPMF de novo, o governo vai ter dificuldade. Não tem apoio na Casa para isso", comentou, fazendo uma ressalva. "Da minha parte, não sou eu quem vou pedir a votação, mas também não sou eu que tenho que ganhar a votação".

 

O peemedebista afirmou que não pretende "obstacularizar nenhuma votação que o governo precise votar". E chegou a listar trâmites da Câmara favoráveis em assuntos de interesse do governo, fazendo contraponto com os trabalhos do Senado, presidido pelo também peemedebista Renan Calheiros, que enfrenta, igualmente, denúncias de irregularidades no âmbito da Operação Lava Jato.

 

"Vocês têm que lembrar bem: quem devolveu a Medida Provisória (MP) da Desoneração (da Folha de Pagamento) não foi a Câmara, foi o Senado. Eu votei a desoneração com muita rapidez aqui na Casa", disse, alfinetando Renan. Questionado se o ministro da Fazenda pode continuar considerando-o um aliado, Cunha disse que, "apesar das críticas que tenho a vários pontos da condução da política econômica, sempre fui aliado para os termos do ajuste fiscal".


 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!