O caminho da conversão com alegria - Angelus

13/12/2015 17:02

Empreender o caminho da conversão com alegria - Papa no Angelus

Depois da Missa e da abertura da Porta Santa na Basílica de São João de Latrão, em Roma, o Papa regressou ao Vaticano, onde ao meio dia rezou, com os fiéis reunidos na Praça de São Pedro, a oração do Angelus, precedida duma breve reflexão sobre o Evangelho deste domingo.

Evangelho em que São Lucas nos apresenta o profeta João Baptista que, perante a pergunta da multidão, de publicanos e de alguns soldados sobre o que deviam fazer para seguir aquilo que ele estava a apregoar responde: partilhai os bens de primeira necessidade.

É a indicação de um caminho de conversão que se manifesta em gestos concretos de justiça e solidariedade. Este  – disse o Papa  - é caminho que Jesus indica em toda a sua pregação:

O caminho do amor efectivo em relação ao próximo”

Pelo convite de João Baptista a partilhar os bens, compreende-se - frisou o Papa – a tendência geral da época sobretudo da parte de quem detinha o poder. E frisa isto para recordar que hoje as coisas não são muito diferentes e que, todavia, ninguém - mesmo o pecador -  está excluído da salvação.

Deus não obstrui a ninguém a possibilidade de salvar-se. Ele está ansioso por usar da misericórdia em relação a todos e por acolher cada um no tenro abraço da reconciliação e do perdão”

 

Para o Papa Francisco devemos sentir como nossa essa pergunta “o que devemos fazer?”. A resposta é converter-se, mudar de direcção, e empreender o caminho da justiça, da solidariedade, da sobriedade – valores imprescindíveis para uma existência plenamente humana e autenticamente cristã.

E uma dimensão particular da conversão é a alegria – explicou o Papa, acrescentando que hoje em dia é preciso coragem e fé para se falar de alegria, pois que o mundo está cheio de problemas e temores, o futuro incerto...  Mas a alegria do cristão deriva da sua fé, “da certeza de que o Senhor está próximo”.

E o Papa pediu a ajuda de Nossa Senhora para que a nossa fé se reforce e saibamos acolher com alegria Deus que quer estar sempre no meio dos seus filhos. E que Ela, nossa Mãe, nos ensine a partilhar as lágrimas de quem chora, por forma a partilharmos também o sorriso.

**

Depois da oração do Angelus, o Papa referiu-se à Conferência sobre o Clima que se concluiu ontem em Paris com a adopção de um acordo que muitos definem histórico. Sublinhando que a sua actuação requererá um coral empenho e uma generosa dedicação da parte de cada um, o Papa “exprimiu o desejo de que seja garantida uma particular atenção às populações mais vulneráveis. Exorto toda a comunidade internacional a continuar com solicitude o caminho empreendido, no sinal de uma solidariedade que se torna cada vez mais concreta”.

A seguir, Francisco recordou que na próxima terça-feira 15 de Dezembro, iniciará a Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comércio, lançando um apelo a todos os países participantes:

Dirijo-me aos Países que nele tomam parte, a fim de que as decisões que serão tomadas tenham presente as necessidades dos pobres e das pessoas mais vulneráveis, assim como também das legítimas aspirações dos Países menos desenvolvidos e do bem comum de toda a família humana.”

 

E neste domingo em que de forma geral são abertas as Portas Santas nas Catedrais pelo mundo fora, a fim de que – disse o Papa – o Jubileu da Misericórdia possa ser plenamente vivido nas Igrejas particulares, Francisco exprimiu o desejo de que este “momento forte estimule a se tornar em instrumento da ternura de Deus”.

E recordando que como expressão das obras de misericórdia são abertas também  as chamadas “Portas da Misericórdia” em lugares de dificuldades e marginalização, saudou a este respeito os detidos das prisões do mundo inteiro:

A este respeito saúdo os detidos das prisões do mundo inteiro, especialmente os da prisão de Pádua, que hoje estão unidos a nós espiritualmente para este momento de oração, e agradeço-os pelo dom do concerto

O Papa saudou depois os peregrinos da Itália e de várias partes do mundo e agradeceu pelo testemunho de solidariedade e acolhimento pais, crianças, religiosas aglutinados na Fundação Dispensário Santa Marta no Vaticano.

Por fim um veemente convite ao diálogo inter-religioso ao saudar o Movimento dos Focolares que se encontravam na Praça de São Pedro juntamente com amigos de alguma comunidades muçulmanas:

Ide para frente, ide para a frente com coragem no vosso percurso de diálogo e de fraternidade, porque somos todos filhos de Deus”

E o Papa despediu-se com um cordial desejo de bom domingo e como sempre pediu o favor de rezarmos por ele. !Até à vista”...

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!