O divórcio entre Temer e Dilma – Editorial / O Globo

09/12/2015 16:41

A derrota da proposta do Planalto para a comissão do impeachment é sinal de uma parcela oposicionista forte no PMDB, mas nada é previsível

Amão invisível que escreve em tempo real o roteiro da crise política esbanja criatividade. Em meio a uma profunda crise econômica cuja dimensão ainda não é visível, a presidente reeleita, do campo político que está no poder há quase 13 anos, enfrenta um processo de impeachment, e busca apoio em uma base parlamentar fluida. Votações importantes no Congresso, para enfrentar as dificuldades econômicas, atrasam ainda mais, estancadas pela confusão política, e, se tudo isso não fosse suficiente, o já difícil relacionamento entre Dilma e seu vice, Michel Temer, presidente do PMDB, o segundo maior partido da base do governo, parece ter implodido de vez.

 

Nunca foi um convívio risonho. Mas desde a declaração de Temer, em agosto, de que o país necessitava de alguém que “reunificasse a todos”, o vice-presidente passou a ser visto no PT e pelo círculo próximo à presidente como um conspirador em ação.

 

A carta pessoal enviada na noite de segunda por Temer a Dilma, publicada ontem pelo GLOBO, se tornou prova documental do afastamento do grupo peemedebista ligado ao vice em relação ao Planalto. Ou até mesmo de uma grave divisão no partido.

 

Quanto a isso, aconselha-se cautela. Conhecido por ser uma confederação de caciques regionais, o PMDB é o que existe na política brasileira mais próximo do Partido Justicialista, peronista, argentino, em que há representantes da esquerda à direita, incluindo os extremos. Algo como a própria aliança montada pelo PT para governar.

 

Temer acusa o Planalto pelo vazamento da carta. E ele próprio recebeu críticas de peemedebistas no Senado, do presidente da Casa, Renan Calheiros (AL), e de próceres como o ex-senador José Sarney.

 

Entre os 11 pontos da carta, Temer destila mágoas políticas e pessoais, relacionadas por ele como gestos de depreciação de suas funções. Mas como nada é simples no partido, há, no imbróglio, a atuação da bancada do PMDB fluminense, a maior do partido na Câmara, alinhada à defesa da presidente Dilma. Contra a posição, agora se vê, de Temer e de uma parte ponderável do partido. É o que se conclui do resultado da votação de ontem, na Câmara, para a escolha da comissão que deliberará sobre o pedido de impeachment, em que a proposta da base do Planalto foi derrotada.

 

Se partiu mesmo do PT a iniciativa de romper com Temer, não foi uma ideia inteligente, por desmontar a estratégia petista de eleger Eduardo Cunha o adversário de Dilma. Pois, num embate de folha corrida com ele, a presidente é vencedora indiscutível.

 

Já o confronto com Temer anima apenas a galera militante. Sem falar que atravanca ainda mais as negociações no Congresso para aprovar projetos importantes. Mas, como tem sido no Brasil dos últimos meses, nada é minimamente previsível enquanto não se souber tudo o que a Lava-Jato apurou.

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!