O outono do nosso patriarca

16/08/2015 23:48

O outono do nosso patriarca

Por *Nelson Motta 

São milhares de mulheres agricultoras, que dão duro no campo e ajudam a alimentar os brasileiros, são pessoas simples, sofridas e honradas, que mereciam mais respeito de Lula na Marcha das Margaridas, quando ele zombou da inteligência delas — e do resto do Brasil — dizendo que Dilma não pode ser julgada por seis meses de governo, embora esteja há 55 no poder. Que a crise atual foi provocada pelos Estados Unidos e a Europa, e não pelo desastroso primeiro mandato.

“Nos milhares de cargos de indicação politica é que acontecem os grandes prejuízos, por corrupção ou incompetência, ou os dois”

A marcha leva faixas e grita “Fora Cunha” em frente ao Congresso, exigindo a cassação e a prisão de um dos deputados mais votados do país e que legitimamente preside a Câmara, seja ele um canalha ou não. Mas quem gritar “Fora Dilma!” é golpista, coxinha, direitista ou rico. Embora 93% dos brasileiros a desaprovem. Vai entender.

A cada novo lance, vai ficando mais inverossímil a história desse fabuloso personagem que não encontra paralelo na ficção brasileira e mais se aproxima dos fantásticos patriarcas de Gabriel García Márquez, em que o talento, a inteligência e a ambição levam à ascensão e queda de um sindicalista carismático, inteligente e pitoresco, vítima de suas próprias bravatas, malandragens e frouxidão moral, devorado pelas velhas elites políticas e econômicas de sempre, com quem se aliou, achando que as enganaria.

Um dos seus piores legados é os salários de empregos públicos e suas aposentadorias se tornarem muito melhores que os da iniciativa privada, com o dinheiro do contribuinte. Quanto maior o Estado, maior a corrupção. Nos milhares de cargos de indicação politica é que acontecem os grandes prejuízos, por corrupção ou incompetência, ou os dois. Na empresa privada o que vale é mérito e eficiência: roubos são raríssimos.

Dizendo que não pode ir nem a um restaurante de São Bernardo por medo de ser vaiado, Lula tenta articular uma impossível reação, que depende mais de Dilma do que dele, mas com 93% contra, quem acredita em uma virada? Como terminará a história sensacional desse fabuloso personagem que foi um rei do Brasil no século XXI? Drama, tragédia ou farsa? Um seriado melhor que “House of Cards”.

 

*Nelson Motta é escritor, letrista, jornalista e produtor musical. Considerado referência em assuntos ligados a história da música popular na formação da sociedade brasileira nos últimos 40 anos. Foi um ativo participante dos principais acontecimentos da história da MPB e hoje ministra palestras sobre o tema. Escreve artigos semanais para os jornais “O Globo”, “Estado de S. Paulo” e “Folha de São Paulo”, além de apresentar uma coluna cultural no “Jornal da Globo” e de comandar o programa radiofônico “Sintonia Fina”. Possui 14 livros publicados, dentre eles, “Noites tropicais” (Objetiva, 2000); “Vale tudo – o som e a fúria de Tim Maia” (Objetiva, 2007); “Brasil F.C.” (Nova Fronteira, 1982) e o mais recente “Força estranha” (Suma de letras, 2009).


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!