O país e Dilma na direção do fundo do poço

03/12/2015 16:23

- O Globo

Por Ricardo Noblat

 

O PT brincou com fogo e se queimou. Parece um amendoim torradinho. Havia, de um lado, um homem-bomba, Eduardo Cunha, capaz de se imolar caso não encontrasse uma saída para salvar seu cargo de presidente da Câmara e seu mandato.

 

Até abriria mão do cargo se não tivesse outro jeito, mas do mandato, não. A política foi o melhor negócio da vida dele até aqui. Dedicou-se a ela com entusiasmo e ambição. Deu-se bem.

 

Deu-se mal quando mentiu a seus pares ao negar que tivesse contas bancárias no exterior. Teve 5 pelo menos. Mentir é pecado mortal numa casa, o Congresso, onde todos mentem.

 

O PT, que resolveu apostar suas fichas na destruição de Eduardo, não era páreo para ele no jogo de cartas. Negou-lhe três votos necessários para que ele se salvasse no Conselho de Ética da Câmara.

 

Por algumas horas, ontem, o comando nacional do PT, afinado com as tendências mais à esquerda do partido, celebrou o entusiasmo com que militantes do PT receberam sua decisão de confrontar Eduardo.

 

Finalmente, o partido levantara a cabeça e fizera a opção por si mesmo, sua História, seu passado, sua fama imerecida, como se vê hoje, de refratário a concessões espúrias. Durou pouco. Tão logo Eduardo anunciou que acolhera o pedido de abertura de impeachment contra Dilma, o entusiasmo da militância esfriou, esvaiu-se por fim. Cedeu espaço à perplexidade e ao medo.


Pesquisas de opinião conferem que 65% dos brasileiros são favoráveis ao impeachment. Cerca de 40% creem que o impeachment será possível.

 

E se os 65% atenderem aos pedidos que serão renovados de ocuparem as ruas para pressionar o Congresso a aprovar o impeachment?

 

Sem as ruas, Dilma vencerá a batalha para concluir seu mandato. Só precisa do apoio de 171 dos 513 deputados federais para enterrar o impeachment.

 

Contra as ruas, tem tudo para perder. De resto, conspira pelo impeachment o aprofundamento da crise econômica.

 

É uma crise histórica. O país só viu outra maior às vésperas da queda de Fernando Collor em 1992. E, antes, na década de 40 do século passado.

 

O país ainda não atingiu o fundo do poço. Nem Dilma atingiu. Os dois — o país e Dilma — poderão chegar juntos ao fundo do poço. Ele sobreviverá. Ela, não.