Padre Cícero, do milagre ao papa - IstoÉ

12/08/2017 09:27
COMPORTAMENTO
 
Site da Revista istoÉ
Crédito: Divulgação
Padre Cícero, do milagre ao papa
 
Por Celso Masson
 
Para o povo, ele sempre foi santo, o padrinho dos pobres. Para a Igreja, a figura de Padre Cícero Romão Batista (1844-1934) oscilou em um curioso movimento pendular. No início, seu trabalho de evangelização popular mereceu total reverência; depois, ele foi atacado como um farsante que deveria ser impedido de celebrar missas e até excomungado. Passados mais de 80 anos desde a morte do religioso que se tornou político, a Santa Sé, em Roma, propõe uma reconciliação com o padre cuja devoção popular ainda hoje atrai romarias para Juazeiro do Norte, no Ceará. Compreender quem foi de fato esse homem, a dimensão de sua obra, as perseguições que sofreu e, principalmente, o lugar que ele merece na história e na Igreja, se tornou um chamado para a irmã Annette Dumoulin, religiosa, psicóloga e pesquisadora nascida na Bélgica que há mais de 40 anos se dedica ao legado do protetor dos despossuídos e aos romeiros de Juazeiro. Em “Padre Cícero – Santo do Povo, Santo da Igreja” (Paulinas), ela apresenta um estudo inédito e esclarecedor, baseado em documentos pouco conhecidos que permitem um novo entendimento da obra do injustiçado “padim Ciço”.
 
Sangue na hóstia
 
Nascido no Vale do Cariri, região considera- da um oásis em contraste com o árido sertão cearense, Cícero Romão Batista ficou órfão de pai aos 18 anos e precisou de favores do padrinho de Crisma para poder estudar no seminário da Prainha, em Fortaleza, onde foi ordenado sacerdote em 1870. Em Juazeiro, o jovem Padre Cícero passou a celebrar a Eucaristia aos domingos, na capela de Nossa Senhora das Dores. Foi lá que, em 1º de março de 1889, durante a confissão da beata Maria de Araújo, a hóstia verteu sangue. Seria um “milagre eucarístico”? No entender de Padre Cícero e de quem presenciou o fenômeno, sem dúvida. A sentença da Igreja, porém, foi outra: “Os pretensos milagres e outros fatos que se dizem de Maria de Araújo são falsos e manifestamente supersticiosos (…) e devem ser por todos reprovados e condenados”. Até os panos manchados de sangue, que haviam sido guardados como relíquias, tiveram de ser recolhidos e queimados por ordem do Santo Ofício.
 
Os desdobramentos desse fato dividiram o povo e a Igreja. De um lado, romarias passaram a ser cada vez mais comuns a Juazeiro. De Roma, contudo, partiu o decreto de excomunhão de Padre Cícero. O religioso seguiu sua vocação pastoral e em defesa dos pobres dentro e fora do sacerdócio. Entrou para a política e foi o primeiro prefeito de Juazeiro, quando o município se emancipou. Embora preserve a aura de santo no imaginário popular, a Igreja o manteve bem longe dessa condição por mais de 80 anos.
 
Apenas em 2001 uma comissão de estudos teve acesso aos arquivos relacionados aos mistérios de Juazeiro. Depois de cinco anos de pesquisa, o Vaticano recebeu os documentos compilados pela comissão, acompanhados de uma petição assinada por 254 bispos favoráveis à reabilitação de Padre Cícero. Ela foi finalmente concedida pelo Papa Francisco em 2015, para quem “O afeto popular que cerca a figura do Padre Cícero pode constituir um alicerce forte para a solidificação da fé católica no ânimo do povo nordestino”. Seja ou não canonizado pela Igreja, o Padre Cícero encontra-se agora legitimado pelo Papa Francisco.
 
O calvário de Padre Cícero
 
1889 – Durante a comunhão da beata Maria de Araújo, na Igreja de Nossa Senhora das Dores de Juazeiro do Norte (CE), a hóstia verte sangue. O suposto milagre começa a atrair romeiros
 
1894 – A Santa Sé, em Roma, considera que houve fraude e reprova os fatos em Juazeiro como “gravíssima e detestável irreverência e ímpio abuso à Santíssima Eucaristia”
 
1897 – Padre Cícero recebe a portaria de excomunhão caso não se retire de Juazeiro
 
1898 – Depois de apresentar sua defesa em Roma, Padre Cícero recebe uma nova sentença: é absolvido das censuras, mas fica proibido de falar ou escrever sobre o “milagre da hóstia”
 
1922 – Pedido de reabilitação de Padre Cícero é negado pelo Papa Leão XIII
 
2001 – Uma comissão é criada para estudar os arquivos relativos aos fatos de Juazeiro
 
2006– O resultado da análise é entregue ao Santo Ofício com uma petição assinada por 254 bispos para a reabilitação de Padre Cícero
 
2015 – O Secretário de Estado do Vaticano assina a carta de “reconciliação histórica da Igreja com o Padre Cícero”
 
 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!