Papa falou do confessor - O grande perdoador

09/02/2016 16:15

Na missa com os capucinhos o Papa falou do confessor - O grande perdoador

L’Osservatore Romano


«Sede grandes perdoadores»: foi a exortação dirigida pelo Papa Francisco às centenas de frades capucinhos que participaram na missa celebrada na manhã de terça-feira, 9 de Fevereiro, por ocasião da trasladação na basílica vaticana dos despojos de são pio de Pitrelcina e são Leopoldo Mandić.

Na homilia o Pontífice comentou as leituras do dia, frisando que «a tradição dos capucinhos» é «uma tradição de perdão. Entre vós – constatou – há muitos confessores competentes: porque se sentem pecadores diante da grandeza de Deus». Mas sobretudo porque «sabem rezar e perdoar», pois «se alguém esquece da necessidade que se tem de perdão, lentamente se esquece de Deus, esquece-se de pedir perdão e não sabe perdoar».

Em particular, prosseguiu Francisco, «o humilde, aquele que se sente pecador, é um grande perdoador no confessionário», diversamente dos que se sentem «puros», «mestres» e «só sabem condenar». Por isso o Pontífice quis frisar, «especialmente neste ano da misericórdia», que «o confessor existe para perdoar». Portanto, até quando não se pode dar a absolvição, o Papa recomendou «não maltrates». Porque «a pessoa que vem» confessar-se procura «conforto, perdão e paz».

Eis então a necessidade de ter o que o Pontífice definiu com uma imagem eficaz «um coração amplo», porque «o perdão é uma semente, é uma carícia de Deus» e é necessário ter confiança no seu perdão. De resto, exortou Francisco, é preciso ser «grandes perdoadores porque quem não sabe perdoar acaba como um grande condenador. E quem é o grande acusador na Bíblia? O diabo!». Consequentemente: «ou desempenhas o ministério de Jesus que perdoa dando a vida, a oração, muitas horas sentado ali, como aqueles dois – concluiu indicando as urnas que contêm os despojos de são Leopoldo e de são Pio – ou fazes como o diabo que condena e acusa».