Papa Francisco: mensagem do Ângelus na Praça de S. Pedro

15/08/2015 13:34

Papa Francisco: mensagem do Ângelus na Praça de S. Pedro

Após 61 anos da história da Igreja e por ocasião da solenidade da Assunção da Virgem Maria aos céus que se celebra dia 15 de Agosto, o Papa Francisco recitou, às 12 horas de Roma, na Praça de S. Pedro repleta de fiéis e peregrinos vindos dos diversos cantos do mundo e da Itália, a cerimónia do Angelus. 

Esta é a primeira recitação do ângelus na Praça de S. Pedro nesta data de 15 de Agosto, após aquela de 1954 recitada pelo Papa Pio XII.

 Na sua alocução, Francisco iniciou por recordar que <>.

Comentando o Evangelho segundo S. Lucas (Lc 1, 39 – 51), Francisco recordou que o Evangelista apresenta-nos Maria que logo após ter concebido Jesus por obra do Espírito Santo, foi visitar a sua prima  Isabel, também ela milagrosamente na espera de um filho. Neste encontro cheio de Espírito Santo, disse o Papa, Maria exprimiu a sua alegria mediante o Cântico do Magnificat, pois tomou plena consciência do significado das grandes obras que estão a ser realizadas na sua vida: por intermédio dela chega ao cumnprimento toda a esperança do seu povo.

Mas o Evangelho, acrescenta Francisco, nos mostra também qual é o motivo mais verdadeiro da grandeza de Maria e da sua bem-aventurança: é a fé. De facto, Isabel saúda-a com estas palavras: “ Bem-aventurada aquela que acreditou, porque vai acontecer o que o Senhor lhe prometeu”.

 A fé é o coração de toda a história de Maria; ela sabe – e o disse – que na história pesa a violência dos prepotentes, o orgulho dos ricos, a arrogância dos soberbos. Todavia, Maria acredita e proclama que Deus não deixa sozinhos os seus filhos, humildes e pobres, mas socorre-os com misericórdia  e solicitude, derrubando os poderosos dos seus tronos, dispersa os orgulhosos nas tramas de seus corações. E esta, recordou o Santo Padre, é a fé da nossa Mãe Maria.

O Magnificat permite-nos também intuir o sentido do evento realizado na vida de Maria: se a misericórdia do Senhor é o motor da história, então não poderia conhecer a corrupção do sepulcro daquela que gerou o Senhor da vida. Tudo isso não diz respeito sómente a Maria. As grandes coisas realizadas nela pelo Omnipotente tocam-nos profundamente, falam-nos da nossa viagem na vida, recorda-nos a meta que nos espera: a casa do Pai. A nossa vida, vista à luz de Maria assunta ao Céu, não é uma “vagabundagem” sem sentido, mas uma peregrinação que com todas as suas incertezas e sofrimentos, tem uma meta segura: a casa do nosso Pai, que nos espera com amor.  <>.

No entanto, enquanto transcorre a vida, Deus faz resplandecer para o seu povo, peregrino na terra, um sinal de consolação e de esperança segura. Aquele sinal tem um rosto e um nome: o rosto luminoso da Mãe do Senhor, o nome bendito de Maria, a cheia de graça, bem-aventurada porque acreditou na palavra do Senhor. Como membros da Igreja, somos destinados a partilhar da glória da nossa Mãe, porque, graças a Deus, também nós acreditamos no sacrifício de Cristo na Cruz e através do baptismo, somos inseridos em tal mistério de salvação.

Finalmente, o Papa Francisco pediu à todos para que rezarem juntos a nossa Mãe de Deus, para que enquanto se desenvolve o nosso caminho nesta terra, ela nos dirija o seu olhar misericordioso, ilumine o nosso caminho, nos indique a meta, e nos mostre depois do nosso exílio terrestre Jesus, o fruto bendito do seu ventre.  Rezemos todos juntos: Ó clemente, ó piedosa, ó doce Virgem Maria

Após a recitação do Ângelus, Francisco dirigius-se à multidão congragada na Praça de S. Pedro com estas palavras e preocupações: <

Saúdo todos vós,  romanos e peregrinos de diversos países Confio-vos aos maternos cuidados da nossa Mãe, que vive na glória de Deus e sempre acompanha o nosso caminho. Agradeço-vos por terem vindo e desejo-vos uma boa festa. Por favor não esqueçam de rezar por mim. Bom almoço e até logo>>.