Papa Francisco: não a cristãos por demais apegados ao dinheiro

25/08/2015 23:03

Papa Francisco: não a cristãos por demais apegados ao dinheiro

Cidade do Vaticano (RV) - “Um cristão muito apegado ao dinheiro errou o caminho.” É o que afirma o Papa Francisco no tuíte lançado esta terça-feira. Trata-se de uma advertência que, certamente, não é uma novidade em seus ensinamentos, feitos sempre com muita clareza tanto à pessoa, singularmente considerada, como ao episcopado e ao clero. Entrevistado pela Rádio Vaticano, o Bispo auxiliar de Roma, Dom Guerino Di Tora, comenta a mensagem do Papa:

Dom Guerino Di Tora:- “Isso me faz pensar naquilo que é a relação de todo cristão com o dinheiro e, muitas vezes, também para nós sacerdotes, não estamos isentos disso. O que o dinheiro representa? A segurança humana: tendo dinheiro, a pessoa pensa estar tranquila para qualquer situação. Portanto, coloca a sua segurança numa relação baseada numa coisa, e não numa realidade de fé em Deus. Consequentemente, se tenho fé no Senhor ou se confio unicamente no dinheiro e tudo que isso comporta: amizades com os poderosos, as outras realidades e situações humanas, o aparecer... A minha segurança é Cristo, diz São Paulo, “quer eu viva, quer eu morra, Cristo é a minha força”. Isso não significa, então, que o cristão é chamado a viver sem dinheiro, mas o dinheiro para mim deve ser algo que me ajuda a viver, não se tornando o ganhar a finalidade da minha vida, o acumular... É claro que quem tem mais pode utilizá-lo inclusive em benefício dos outros. Portanto, deve ser um meio quer para a minha vida, quer para uma relação com meu próximo. O Senhor pede também a nós, sacerdotes, que saibamos utilizar e ter o sentido do dinheiro para a comunidade, para o sustento, para nossas atividades tanto pastoral quanto material, se temos que cuidar dos bens da Igreja que nos são confiados.”

RV: O que sugeriria a um cristão por demais seduzido pelo dinheiro e que gostaria, ao invés, de reencontrar o justo caminho?

Dom Guerino Di Tora:- “Em primeiro lugar, ninguém pode abandonar facilmente uma segurança. Se até hoje, por exemplo, sempre confiei em minhas coisas, nas coisas materiais, no dinheiro, acaba sendo um insulto pensar em desfazer-se de tudo... Devo primeiro encontrar para mim uma segurança maior. No momento em que encontro essa segurança no Senhor, na fé, então posso verdadeiramente colocar de lado as seguranças de antes. O que eu sugeriria? Uma vida mais intensa de oração, uma escuta da Palavra de Deus, um viver mais com os outros e a serviço dos outros. Estive muitos anos na Caritas de Roma: vi gente mudar de vida unicamente estando em contato com pessoas em dificuldades. É verdadeiramente um dom de Deus o fato de essa relação com pessoas em dificuldades levar outras a encontrar algo de diferente.”

RV: Quem critica a Igreja sobre o modo de administrar dinheiro e bens, muitas vezes não sabe, ou se esquece, o quanto a Igreja faz, todos os dias, em favor dos pobres, a começar pelo próprio Papa até as estruturas mais periféricas da Igreja. Como responde, como bispo, quando se depara com esse tipo de críticas?

Dom Guerino Di Tora:- “Infelizmente, há algum sacerdote ou alguma instituição que não soube dar bom exemplo. Nisso somos todos pecadores, deficitários. Porém, olhemos não somente para algo de negativo que existe: olhemos para o muito positivo que existe! Quantas pessoas se prodigalizam pelos outros, quantas instituições, quantas realidades! Visitei o centro que foi aberto atrás da Estação Tiburtina (de Roma). À noite, as pessoas vinham trazer ajudas... Um ancião comoveu-me; chegou num taxi: “Não sabia onde estava e ,então, peguei o taxi para trazer essas duas bolsas”, disse ele. Ora, devemos saber valorizar sempre mais essas ações. Mesmo se há quem comete erros, não se pode de um exemplo deduzir toda uma realidade ou uma estrutura.”

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!