Papa no avião: acolher a todos como faria Jesus

03/10/2016 13:37
Papa no avião: acolher a todos como faria Jesus
Rádio Vaticana
 
Cidade do Vaticano (RV) - "Obrigado como sempre pelo trabalho de vocês. Perguntem o que quiserem”, disse o Papa Francisco aos jornalistas que o acompanharam nos três dias de viagem ao Cáucaso, primeiro à Geórgia e depois ao Azerbaijão. Na coletiva de imprensa, a primeira tendo ao lado o novo Diretor da Sala de Imprensa, Georg Burke, o Pontífice comentou suas impressões sobre os dois países visitados, falou das próximas viagens, do Consistório e das eleições nos Estados Unidos. Eis os principais trechos.
Uma jornalista georgiana afirmou que os cidadãos da Geórgia ficaram muito impressionados pelos discursos de Francisco e de modo especial pela foto do Papa junto com o Patriarca que foi compartilha milhares de vezes nas redes sociais. A pergunta foi sobre uma futura colaboração com as Igrejas Ortodoxas em relação às diferenças doutrinas.
 
Papa Francisco:
 
Eu tive duas surpresas na Geórgia. Uma é a Geórgia. Eu nunca imaginei tanta cultura, tanta fé, tanta cristandade. Um povo crente, com uma cultura cristã muito antiga, um povo de muitos mártires. E eu descobri uma coisa que não conhecia: a amplidão desta fé georgiana. A segunda surpresa foi o Patriarca: é um homem de Deus, este homem me comoveu. As vezes que eu o encontrei saí com o coração emocionado, e com a sensação de ter encontrado um homem de Deus. Verdadeiramente, um homem de Deus. Sobre as coisas que nos unem e nos separam, eu diria: não vamos discutir as questões de doutrina, vamos deixá-las para os teólogos, eles sabem fazer isso melhor do que nós. Discutem e são bravos, são bons, têm boa vontade; os teólogos de uma parte e da outra. O que devemos fazer nós, o povo? Rezar uns pelos outros. Isso é muito importante: a oração. E segundo, fazer as coisas juntos: há os pobres, trabalhemos juntos com os pobres; há este problema, podemos resolvê-los juntos? Vamos fazer isso juntos; há os migrantes? Vamos trabalhar juntos… Vamos fazer as coisas de bem pelos outros, juntos. Isso podemos fazer. E este é o caminho do ecumenismo. Não só o caminho da doutrina: este é o último; se chegará ao fim. Mas vamos começar a caminhar juntos. E com boa vontade, isso pode ser feito, se deve fazer. Hoje o ecumenismo se deve fazer caminhando juntos, rezando uns pelos outros. E que os teólogos continuem conversando entre eles, estudando entre eles. Não só… Mas a Géorgia é maravilhosa, é algo que eu não esperava: uma Nação cristã, mas na medula…
 
Matrimônio e divórcio
 
Em relação ao matrimônio e divórcio, o Papa sublinhou que o matrimônio como imagem de Deus é a união entre homem e mulher. “A imagem de Deus não é o homem, mas o homem com a mulher que formam uma só carne quando se unem no casamento. Esta é a verdade”, sublinhou.
 
Segundo o pontífice, nesta cultura os conflitos e problemas não são bem administrados, como também as filosofias de hoje: faço isso, depois quando me canso faço aquilo, faço o terceiro e o quarto; é uma guerra mundial contra o matrimônio. “Devemos estar atentos a não deixar entrar em nós essas ideias. O matrimônio é imagem de Deus, homem e mulher numa só carne. Quando isso é destruído, se suja ou se desfigura a imagem de Deus. A Amoris laetitia fala sobre como tratar estes casos, como tratar as famílias feridas e aqui entra a misericórdia. O matrimônio ferido, os casais feridos: entra a misericórdia. O princípio é este, mas as fraquezas humanas e os pecados existem. Porém, a fraqueza e o pecado não têm a última palavra. A última palavra é a da misericórdia! Na Amoris laetitia se fala de matrimônio, do fundamento do matrimônio, como se preparar ao matrimônio, como educar os filhos, e no capítulo VIII, quando vêm os problemas, como se resolvem. Se resolvem com quatro critérios: acolher as famílias feridas, acompanhar, discernir cada caso e integrar, refazer. Isto significa colaborar nesta segunda fase, nesta recriação maravilhosa que o Senhor fez através da redenção. Existe o pecado, a ruptura, mas também a misericórdia, a redenção: a cura.”
 
Teoria de gênero
 
Sobre a teoria de gênero, definida pelo Papa Francisco como “grande inimiga, uma ameaça contra o matrimônio”, o pontífice disse que acompanhou em sua vida de sacerdote as pessoas com tendências e práticas homossexuais.
 
“Eu as acompanhei e aproximei do Senhor. Nunca abandonei ninguém. As pessoas devem ser acompanhadas como as acompanha Jesus. Quando uma pessoa tem essa condição e chega diante de Jesus, o Senhor não lhe dirá: Vai embora porque você é homossexual! Não! Eu me referi sobre a maldade que se faz hoje com a doutrinação da teoria de gênero. Uma coisa é a pessoa ter essa tendência, essa opção, e também quem muda de sexo. Outra coisa é ensinar nas escolas esta linha para mudar a mentalidade. Isso eu chamo de colonizações ideológicas”, disse o Papa.
 
O Santo Padre disse que no ano passado recebeu uma carta de um espanhol que contou a sua história de quando era menino e garoto. Era uma menina, uma garota e sofreu muito porque se sentia garoto, mas fisicamente era uma garota. Quando se tornou adulto foi operado, mudou sua identidade civil, se casou e trabalha no ministério.
 
“As tendências ou desequilíbrios hormonais causam muitos problemas e devemos estar atentos a não dizer: É tudo a mesma coisa! Mas acolher, acompanhar, estudar, discernir e integrar cada caso, sempre com a misericórdia de Deus.”
 
Consistório
 
O Papa Francisco falou ainda do próximo Consistório, para o qual foram propostas três datas, sendo uma delas o primeiro Domingo do Advento, e que decidirá voltando desta viagem ao Cáucaso. Sobre a escolha dos cardeais, o Pontífice disse que está estudando os nomes. “A lista é longa, mas há somente 13 lugares”, afirmou, acrescentando que lhe agrada a ideia de ver a universalidade da Igreja no Colégio cardinalício. “Não somente o centro – por assim dizer – ‘europeu’. Os cinco continentes, se possível.”
 
Viagem a Fátima
 
“Certamente, por enquanto, irei a Portugal, e irei somente a Fátima. Por enquanto. Por quê? Há um problema. Neste Ano Santo foram suspensas as visitas ad limina; ano que vem, devo fazer as visitas ad limina deste ano e do próximo. E há pouco tempo para as viagens. Mas a Portugal irei (o Pontífice mencionou a data de 13 de maio). À Índia e Bangladesh, quase certo. À África ainda não está certo o país, tudo depende seja do clima, em qual mês, porque se é no noroeste da África é um coisa, se é no sudoeste, é outra. E depende também da situação política e das guerras ali… Mas há possibilidades pensadas na África. Na América, disse que quando o processo de paz, se sair, gostaria de ir [à Colômbia], quando tudo estiver concluído...mas tudo dependo do que dirá o povo. O povo é soberano.”
 
Possível viagem à China
 
“Temos boas relações, se estuda e se fala, há comissões de trabalho… Eu sou otimista. O povo chinês tem a minha estima. Outro dia, por exemplo, houve um congresso de dois dias sobre a Laudato si’ na Academia das Ciências, e havia uma delegação chinesa do presidente. E o presidente chinês me enviou um presente… há boas relações... Eu gostaria [de ir à China], mas ainda não penso nisso...”
 
Beatificação de padre Hamel
 
Outra pergunta dos jornalistas foi sobre a beatificação de Pe. Hamel, degolado na França em julho. O Papa confirmou que o Card. Amato está analisando a questão, sem esperar os cinco anos exigidos para o início do processo.
 
Prêmio Nobel da Paz
 
Sobre a escolha do vencedor do Nobel da Paz, que será anunciado em 7 de outubro, Francisco pediu que se fala mais das vítimas inocentes das guerras e conflitos. “É um pecado contra Jesus Cristo, porque a carne dessas crianças, dessa gente doente, desses idosos indefesos é a carne de Cristo. Seria necessário que a humanidade dissesse algo pelas vítimas das guerras. Para aqueles que fazem a paz, Jesus disse que são bem-aventurados. Mas as vítimas das guerras, devemos dizer algo e tomar consciência, eh? Lançar uma bomba sobre um hospital de crianças e morrem 30, 40; sobre uma escola... esta é a tragédia dos nossos dias.”
 
Conselho para os eleitores estadunidenses
 
“Em campanha eleitoral, eu jamais digo uma palavra. O povo é soberano, somente digo: estude bem as propostas, reze e escolha em consciência! Agora saio do problema e vou para a ficção, porque não quero falar do problema concreto. Quando num país existem dois, três, quatro candidatos que não satisfazem a todos, significa que a vida política daquele país é demasiado politizada, mas não tem cultura política. E uma das tarefas da Igreja e do ensino nas faculdades é ensinar a ter cultura política. Existem países – penso na América Latina – que são demasiado politizados, mas não têm cultura política; sou deste partido, deste e daquele outro, mas afetivamente, sem um pensamento claro sobre as bases, as propostas.”
 
Conflito entre a Armênia e o Azerbaijão
 
Uma pergunta sobre o conflito entre a Armênia e o Azerbaijão: o que deve ocorrer para se chegar a uma paz permanente que tutele os direitos humanos? E qual o papel poderia ter o Santo Padre?
 
Papa Francisco:
 
Duas vezes, em dois discursos eu falei sobre isso. No último eu falei sobre o papel das religiões para ajudar nesta questão. Creio que o único caminho seja o do diálogo, o do diálogo sincero, sem nada sob a mesa, sincero, face a face. Uma negociação sincera. E se não se pode chegar a isso, ter então a coragem de ir a um Tribunal Internacional, ir a Haia, por exemplo, e submeter-se ao julgamento internacional. Não vejo outro caminho. O outro é a guerra, e a guerra destrói sempre, com a guerra se perde tudo! E também, os cristãos, com a oração, rezar pela paz para que esses corações tomem este caminho de diálogo, de negociações ou ir a um tribunal internacional. Mas não se podem ter problemas como esses: pensem que os três países caucásicos têm problemas. Também a Geórgia há um problema com a Rússia: não se conhece muito sobre isso… mas há um problema, que pode crescer… não se sabe; e a Armênia é um país sem fronteiras abertas, há problemas com o Azerbaijão. Deve-se ir ao tribunal internacional se não há diálogo e negociação: não há outro caminho. E a oração, oração pela paz.
 
Uma pergunta ainda sobre por que o Papa faz viagens a lugares onde se encontram pouquíssimos católicos?
 
Por que ir à periferia?
 
Papa Francisco:
 
Essa pergunta me fizeram após a minha primeira viagem, que foi à Albânia: Por que o Senhor escolheu ir à Albânia na sua primeira viagem à Europa? Um país que não é da União Europeia? Depois eu fui a Sarajevo, na Bósnia Herzegovina, que não faz parte da União Europeia. O primeiro país da União Europeia onde eu fui foi a Grécia, Ilha de Lesbos: o primeiro. Por que fazer viagens a estes países? São três países caucásicos: os três presidentes vieram ao Vaticano para me convidar. E com insistência. E todos os três tiveram um comportamento religioso diferente: os armênios são orgulhosos – e isso sem ofender hein?  - orgulhosos de sua “armenidade”… e têm uma história, e eles são cristãos, a grande maioria, mas, quase todos, cristãos apostólicos, cristãos católicos e um pouquinho de cristãos evangélicos: poucos. A Geórgia é um país cristão, totalmente cristão, mas ortodoxo. Os católicos são poucos. Ao invés, o Azerbaijão é um país, creio, 96-98% muçulmano: não sei quantos são os habitantes, porque eu disse dois milhões, mas creio que sejam vinte, não?... são cerca de 10. Sim, cerca de 10 milhões; os católicos são no máximo 600, poucos. E eu, por que vou ali? Pelos católicos, para ir à periferia de uma comunidade católica, que se encontra precisamente na periferia, e é muito pequena. E hoje na Missa eu disse que me fazia recordar a comunidade periférica de Jerusalém, fechada no Cenáculo, esperando o Espírito Santo, esperando poder crescer, sair… é pequena. Não é perseguida, não, porque no Azerbaijão há um grande respeito religioso, uma grande liberdade religiosa. Isso é verdade, eu disse isso no meu discurso hoje. E também esses três países são periféricos, como a Albânia, a Bósnia Herzegovina…E eu lhes disse: a realidade se entende melhor, e se vê melhor a partir das periferias do que do centro. E por isso escolho ir ali. Mas isso não tira a possibilidade de ir a um grande país como Portugal, França, não sei… vamos ver…
 
 
 
 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!