Papa pede que educadores não se fechem às propostas audazes

17/01/2016 13:53

 

Cidade do Vaticano (RV) – Em uma mensagem em vídeo, o Papa saudou os participantes do 24º Congresso Interamericano de Educação católica, concluído na sexta-feira (15/01), em São Paulo.

 

Francisco pediu que os educadores estejam abertos à novas propostas de educação audazes e que a concepção educativa como transmissão de conteúdos terminou, está esgotada.

O Pontífice afirmou ainda que, na atualidade, quando o homem não está no centro da organização mundial, e sim o medo, um dos grandes desafios para a educação é não se tornar elitista.

Ao citar um educador brasileiro, o Papa reiterou que a educação deve estar baseada em três pilares: transmissão de conteúdos, de hábitos e avaliação.

É uma linda expressão”, disse o Pontífice. Mas é preciso traduzi-la em atividades concretas.

Assim, acontecerá a cultura do encontro e não do desencontro. Ou, pior: a cultura da não-integração, da exclusão, na qual somente uma elite, com uma educação seletiva, deterá o poder amanhã, ou hoje mesmo”.

Antes de concluir, o Papa refletiu:

Ser educador é ser como Jesus, que nos educou”.

Contra todo um sistema educativo dos doutores da lei, da rigidez... Leiam tudo o que Jesus diz a eles no capítulo 23 de Mateus”.

Jesus nos educa de outra maneira, com outro estilo, ressaltou Francisco.

Nos educa em duas colunas muito grandes: as bem-aventuranças, no início do Evangelho, e o protocolo com o qual todos seremos julgados, que está em Mateus 25. Com isso, Jesus destruiu um sistema educativo baseado em normas, em preceitos que, em última instância, eram a profecia do que foi a Ilustração, que hoje em dia não nos serve a nada”.